27 C
Papeete
domingo, 21 julho, 2024
27 C
Papeete
domingo, 21 julho, 2024

Medina, John John, Robinson??? Quem leva em Pipe?

-

O Lexus Pipe Pro está prometendo confrontos de alto nível para decidir quem larga à frente na corrida pelo titulo mundial 2024 da WSL  

Faz mais de um mês que estou longe daqui. Férias de final de ano, uma gripe fortíssima e muito trabalho me afastaram dos assuntos do surf. Pois bem, estou de volta, há poucos dias da abertura do Circuito Mundial em Pipeline, que já começa com a baixa de João Chumbinho, ainda se recuperando da pancada na cabeça que o levou a ter uma séria concussão, e causou alguns danos neurológicos que, para alívio de todos, estão em avançada recuperação. Uma pena para ele, pois é um exímio surfista tanto em Pipeline quanto em Sunset, e essas ausências vão atrapalhá-lo na briga pelo corte caso não ganhe um wildcard.

Mas se não temos João, temos os outros brasileiros, alguns com maior favoritismo do que outros. Encabeçando a lista, o tri mundial Gabriel Medina parece estar com a faca nos dentes em 2024. Suas declarações e performances dão a impressão que, após dois anos um pouco longe do foco do Circuito, a gana para recuperar o posto de número um está em alta. Nosso outro campeão, esse olímpico também, Ítalo Ferreira, também precisa mostrar que o título mundial em 2019 não foi obra de um ano fora da curva. Bom surfista em Pipeline, onde venceu no mesmo ano em que foi coroado o rei da WSL, o potiguar vem treinando discretamente e acho que, sem tanta pressão, pode surpreender.

+O melhor de Gabriel Medina em Pipeline, segundo a WSL

Outros talentos brasileiros na Rainha do North Shore são Miguel Pupo, Yago Dora e Caio Ibelli, todos com experiência nos canudos havaianos e bons resultados por lá. Samuel Pupo e Deivid Silva ainda não são o que podemos chamar de experts, mas Samuca já mostrou que tem jeito pro negócio e a cada ano desperta mais a atenção pela desenvoltura que demonstra em Pipeline e, principalmente, em Backdoor.

O atual bicampeão mundial Filipe Toledo merece um parágrafo a parte. Contestado por muita gente pela incapacidade de proporcionar grandes momentos na onda mais mítica do North Shore, Toledo já tem uma boa experiência no Havaí e não faz feio nos barrels de Backdoor. Filipe pode não ter a habilidade de Medina ou de outro mestre no pico, mas compete muito bem e sabe entubar com facilidade pra direita. Nunca deve ser menosprezado.

Para rivalizar com os surfistas tupiniquins temos um time da pesada liderado pelo local John John Florence, que já começou o ano vencendo o Pipe Masters em formato diferente, onde diversos tipos de condição rolaram o que engrandeceu ainda mais a conquista do havaiano bicampeão mundial. JJF sempre é um dos principais favoritos em qualquer pico do Havaí. O australiano Jack Robinson é outro cara chato para ser vencido. Domina como poucos os tubos e não se intimida com nada nem ninguém. Pode vencer qualquer um!

Temos ainda a velha, mas põe velha guarda nisso, representada por Kelly Slater, que vai para o seu, sei lá, trigésimo quinto evento do Circuito em Pipe? Abusando do conhecimento do pico e de sua habilidade única em se encaixar e sair de tubos insanos, Slater é um perigo ali, e num bom dia derruba qualquer um. Barron Mamiya e Leo Fioravanti também são ossos duros de roer e geralmente avançam até as fases mais agudas de eventos lá.

Como vê, temos uma bela lista de candidatos a abrir o Tour à frente dos demais competidores da elite, e vai depender muito se as ondas e, principalmente, o vento irão contribuir para que as condições estejam boas e quem sabe épicas, com tanto Pipe quanto o Backdoor quebrando de gala para que possamos assistir um belo show num dos mais, senão o mais, sensacional evento de surf do planeta. 



Alex Guaraná
Alex Guaraná
Carioca e flamenguista roxo, mandou sua primeira manobra na Barra da Tijuca, em 1980, aos 13 anos de idade. Após uma bem sucedida carreira de competidor amador, passou a atuar como jornalista especializado. Primeiro nos jornais Staff e Now. Na sequência, trabalhou com Ricardo Bocão e Antônio Ricardo no programa Realce, pioneiro em esportes de ação na TV brasileira. Após um período como dirigente, e outro como assessor de imprensa do Circuito Mundial no Brasil, assumiu o posto de editor-chefe da Revista Fluir, onde ficou até 2007. Desde então se tornou comentarista esporádico, e agora fixo aqui na Hardcore, do esporte que conhece como poucos.

Compartilhar essa Reportagem

Adrian Kojin

Alex Guaraná

Allan Menache

Edinho Leite

Jair Bortoleto

Janaina Pedroso

Luciano Meneghello

Phill Rajzman

Zé Eduardo

Thiago Consentine

Gabriel Davi Pierin

Jaine Viudes