27 C
Papeete
quarta-feira, 12 junho, 2024
27 C
Papeete
quarta-feira, 12 junho, 2024

Cinco dicas incríveis de nutrição para o surfista

Cuidar da nutrição é essencial para o ser humano. Se você for surfista, então, sabe que os cuidados são mais específicos.

Engana-se quem pensa que para comer você tem de gastar muito dinheiro. Por isso, com intuito de te auxiliar na jornada pela nutrição excelente (e de baixo custo), HARDCORE selecionou 5 dicas de nutrição para o surfista, que você confere abaixo.

Conversamos com a nutricionista Isabela Bertozzo, de São Bernardo, SP, baseada no Litoral Norte paulista, que nos forneceu informações preciosas para te inspirar em uma nutrição funcional e completa.

Leia também:
+ Qual a diferença entre proteína vegetal e animal
+ Coma beterraba para recuperar no pós-surf
+ A respiração revolucionará sua vida. Entenda e pratique

Confira:

Ingestão de água

A dica é que a seja adaptada segundo o clima e o tempo que o surfista ficará na água. É ideal que o surfista tome água de uma a duas horas antes do exercício, em quantidade adequada de acordo com seu peso. Não adianta tomar um monte de água logo antes de entrar no mar. Na água, você pode sobrecarregar o corpo, e o interessante é repor a cada hora – para isso, água de coco é a melhor opção, pois tem a hidroeletrolítica perfeita e forma um balanço ideal para hidratação do organismo. Vale lembrar, é importante tomar água o dia inteiro; e não apenas quando sentir sede, porque quando sentimos sede é sinal de que nosso organismo grita desidratado.

O que comer no pré-surf

Mandioca cozida, batata inglesa cozida, batata doce cozida, inhame cozido, qualquer uma dessas fontes de carboidrato, com azeite e um sal, formam uma refeição pré-surf rápida e muito mais nutritiva do que pão. Não que você não possa comer pão, mas é importante variar e não manter o mesmo padrão. Atente-se para comer 30-40 minutos antes de entrar na água.

Para um surfista não pode faltar energia. “As raízes e açúcar natural – batata, mandioca, inhame, cará – são ótimos. Lembrando que são riquíssimas também para comer no pós-remada.”

Outro alimento, pensando nessa parte de energia, é a rapadura. Ela tem pouca visualização e utilização, e fornece energia rapidamente. Procure andar com quadradinhos de rapadura na mochila, por exemplo. O mel também é fonte riquíssima de energia pura.

“Acho a raiz mais interessante para comer antes do que a fruta, pois na raiz encontramos amido, que é fácil de ser digerido; enquanto uma fruta, como a banana, ela tem como açúcar a frutose, e é mais dificil para o nosso corpo digerir esse açúcar que vem das frutas. Eu não recomendaria, por exemplo, banana e pasta de amendoim antes do surf; essa combinação pode ficar para o pós surf, juntamente com semente de abóbora ou girassol.”

O que comer no pós-surf

É importante fazer uma refeição completa, com, por exemplo, arroz integral, feijão e frango ou peixe (para os que comem), com salada ou legumes (abóbora, cenoura, couve). Para os vegetarianos, é importante repor bem a parte proteíca com grãos como feijão, grão de bico e lentilha; e incluir sementes, como de abóbora, girassol e gergelim ou pasta de gergelim (tahine). Para uma refeição mais leve, vá de pão com ovo e salada ou iogurte batido com frutas e granola. Outra opção é a pasta de amendoim com frutas, como banana, junto com cacau e tahine, esse último, fonte de proteína e cálcio. É sempre bom lembrar que no pré-surf é bom priorizar o carboidrato, e no pós-surf, a proteína.

Dica valiosa do café

Procure consumir a cafeína com óleo de coco – ele melhora a aceitação de cafeína do nosso organismo. Então, em um café da manhã pré-surf, por exemplo, você pode tomar o café com óleo de coco junto com alguma raiz cozida e um pouco de sal. Se quiser uma proteina, melhor ovos do que pasta de amendoim, mas, não precisa exagerar na quantidade; um ovo está de bom tamanho.

Agregue sementes

O Kelly Slater falou certa vez da chia como uma super food. “Vejo todos alimentos naturais como super food, ou seja, todo alimento que podemos utilizar de forma natural, que nutra nosso corpo, nos dê energia, traga nutrientes, e que possamos digerir de forma boa, são super food.”

No caso das sementes, elas são um pequeno pote para um conteúdo riquíssimo. Pense que elas guardam todos os nutrientes e toda a força para se tornar planta. Carboidrato, proteína, óleos, micronutrientes (como potássio) etc. Por isso, vale incluir as sementes em diversos momentos do nosso dia. Lembrando que a chia, por exemplo, é importante bater antes de consumir, de forma a acessar seus nutrientes. Uma dica legal é fazer um mix de sementes, como chia, linhaça, gergelim: reuni-las, batê-las e colocá-las em um pote escuro e consumir em até três dias (porque os nutrientes oxidam e se perdem).

Lembrando também que o cálcio do gergelim, de origem vegetal, é melhor que o do leite; pode ser consumido em pequena quantidade no pré-treino. Pode, por exemplo, bater o tahine com água morna; ele vira um leite de tahine, e você pode substituí-lo pelo leite animal para o café com leite (não esqueça do óleo de coco). Ou em um pós-treino, por exemplo, pode ingerir tahine com mel e banana.

Conheça mais sobre o trabalho da nutricionista Bertozzo aqui.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias