A praia paulista foi apresentada para ong Save The Waves Coalition em evento realizado na Guarda do Embaú

Por Redação HC

As lendárias ondas de Itamambuca podem muito em breve ser eternizadas pelo título de “Reserva Mundial de Surfe”. A praia mais famosa de Ubatuba (SP) foi representada no evento realizado neste último final de semana na Guarda do Embaú (SC), em Palhoça, que oficializou a praia catarinense com a honraria, a primeira entre as praias do Brasil.

• Surfista criado na maior favela da baixada santista sonha competir no CT da WSL
• Lula gigante é flagrada por cientistas durante expedição; veja
• Roubo de bike aumenta em São Paulo

Durante o encontro estiveram presentes representantes da sociedade civil de Ubatuba, dando caráter de start inicial ao projeto de conquista do selo internacional. A titulação foi criada pela ong Save The Waves Coalition, com sede na Califórnia (USA), e concedida à praia da Guarda do Embaú em 27 de outubro de 2016, e oficializada agora, como a nona Reserva Mundial de Surf.

Junto da praia da Guarda do Embaú, as praias que já receberam a distinção são: Malibu e Santa Cruz (Califórnia); Ericeira (Portugal); Gold Coast e Manly Beach (Austrália); Huanchaco (Peru); Todos Santos (México); e Punta Lobos (Chile).

SUSTENTABILIDADE COM PILAR DO PROJETO

Adnil “Dado” Villas Boas, 50, e Felipe Ormundo, 31, ambos surfistas, empresários e moradores de Ubatuba, além do estudante e também surfista Guilherme Villas Boas, 19, foram os nomes que representaram o município no evento realizado na Guarda do Embaú, ocasião em que foram entregues as honras inerentes ao novo título de “Reserva Mundial de Surfe”.

Para Felipe Ormundo, uma das principais razões de pleitear e iniciar o projeto para tornar Itamambuca uma “Reserva de Surfe” está na proposta de sustentabilidade, que trará benefícios a região. “Social, ambiental e econômico, com esses três pilares o título de reserva pode trazer desenvolvimento à Itamambuca de forma sustentável”, disse o empresário.

Adnil Villas Boas afirma que a valorização está na mobilização de diversas frentes de atuação. “O principal objetivo nesta fase inicial é a união de várias pessoas e entidades, que têm como objetivo o desenvolvimento da região como bem comum para todos”.

O CASO DA GUARDA DO EMBAÚ

O projeto “Reserva Mundial de Surfe” da ONG Save The Waves Coalition se baseia em modelos estabelecidos pelo Programa de Patrimônio Mundial da UNESCO e pela Reserva Nacional da Austrália.

Movimento luta para que a praia de Itamambuca em Ubatuba (SP) se torne “Reserva Mundial do Surfe”. (Foto: Filipe Burjato)

A onda da Guarda, considerada por muitos como uma das melhores do Brasil, está situada nas adjacências do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, maior unidade de conservação de Santa Catarina e possui o Rio da Madre, que confere beleza ímpar ao local. Reduto de tuberiders e bons surfistas, foi na Guarda que brotaram nomes como Ricardo dos Santos, que virou um legend do pico.

Assim como no caso da Guarda, a localidade de Ubatuba possui características semelhantes. Itamambuca possui praia com 2km de extensão, larga faixa de areia branca e fofa, com vegetação predominante de Jundu por toda orla e costeiras rochosas de ambos os lados. No canto direito destaque à Barra do Rio Itamambuca. E no canto esquerdo a trilha de auto grau de dificuldade, de uns 40 minutos de caminhada até a Praia Brava. Itamambuca está no meio da reserva ecológica com extensa área de mata atlântica nativa, dentro do Parque Estadual da Serra do Mar.

PROGRAMA NACIONAL DE RESERVAS DE SURFE

Inspirado no programa Mundial, o Brasil já deu início ao próprio projeto que dará a determinados locais o título Nacional de Reserva.

Para os representantes de Ubatuba que estiveram na Guarda do Embaú, é natural que Itamambuca inicie o processo para o título nacional. “Vamos trabalhar para que Itamambuca conquiste ambos selos, nacional e mundial. Porém, acreditamos que seja mais viável inicialmente a proposta brasileira pela facilidade pela aproximação com as entidades responsáveis”, explica Felipe.

O Programa Brasileiro de Reservas de Surf (PBRS) é uma iniciativa dos institutos Aprender e Ecosurf, com apoio do Instituto Linha D’água e da Fundação SOS Mata Atlântica.

De acordo com João Malavolta, diretor do Ecosurf, o projeto iniciado no Brasil tem o apoio das principais instituições internacionais ligadas ao assunto. “Nosso programa é brasileiro, mas ocorre em parceria com o “Save the Waves”, que é o órgão que proclama as reservas mundiais de surfe. Portanto, as bases são do modelo que já existe na Austrália (Reservas Nacionais de Surfe da Austrália).”

QUAIS SÃO OS REQUISITOS PARA UMA PRAIA SE TORNAR RESERVA?

Basicamente são quatro critérios que determinam se um local tem ou não o potencial para ser uma Reserva de Surfe.

– Qualidade e consistência das ondas

– Riqueza e fragilidade ambiental

– Relevância para cultura e história do surfe

– Apoio da comunidade local

O grupo acredita que Itamambuca tem enormes chances de obter o título internacional, tanto que para promover o movimento foi criada uma frente denominada “Onda Viva Itamambuca”; grupo de articulação para ações em prol da conquistar o título de “Reserva de Surfe”.

Surfista, se você deseja fazer parte desse movimento ou quer saber mais sobre o projeto, entre em contato através do e-mail ondavivaitamambuca@gmail.com

 

VEJA TAMBÉM:
– FILIPE TOLEDO LANÇA LOJA E ANUNCIA APOIO A CAMPEONATOS EM UBATUBA
– WSL ANUNCIA CALENDÁRIO DE 2020 E CONFIRMA RETORNO DE G-LAND AO CT
VÍDEO: TUBOS & AÉREOS NA TEMPORADA MEXICANA DE WESLEY SANTOS