26 C
Papeete
domingo, 21 julho, 2024
26 C
Papeete
domingo, 21 julho, 2024

A força feminina entre as ondas e a estreia

-

“As mídias de surf costumavam expor mulheres em suas páginas como meros manequins, raramente como surfistas talentosas, jamais como colunistas de opinião.”

Por Janaína Pedroso

“Tanto o elogio quanto a culpa não significam nada. Contanto que você escreva o que tiver vontade de escrever, isso é tudo o que importa”, Virginia Woolf.

Com essas palavras, Woolf nos convida a enfrentar a realidade, mesmo quando ela é desconfortável. Como jornalista, persigo o desejo de jogar luz a fatos às vezes incômodos. Mas nem só de realidade será esse espaço. Fantasias e alguns devaneios estarão vez ou outra por aqui. Também espero, com essa coluna, ser um momento de respiro e descontração no meio de tantas durezas que surgem no dia a dia, especialmente nos noticiários.

Ouvi dizer que a gratidão é o meio mais fácil para encontrar a felicidade, por isso, leitor, leitora, você deve encontrar por aqui momentos em que direi quão grata sou por ter sido apresentada ao mar e ao surf. De muitas maneiras e em diferentes momentos ele foi ferramenta, mola do fundo do poço, trabalho, prazer e renascimento.

Falarei um tanto de mulheres, por ser e por admirar a luta de tantas. No mundo do surf, a trajetória de muitas é uma história de verdade, resiliência e conquista, reflexo da evolução social e do esforço contínuo para que nossos espaços fossem ocupados.

Desde as primeiras surfistas pioneiras que enfrentaram desafios de um esporte dominado por homens, até as atletas profissionais de hoje, a evolução é notável. O surf vem se transformando de muitas maneiras.

Só o fato de eu estar aqui é prova disto.

As mídias de surf costumavam expor mulheres em suas páginas como meros manequins, raramente como surfistas talentosas, jamais como colunistas de opinião.

Surfistas eram frequentemente marginalizadas e suas conquistas minimizadas. No entanto, elas persistiram.

Insisto em ver o surf feminino como uma manifestação vibrante e inspiradora. As mulheres estão competindo em alto nível e ocupando posições de liderança. A igualdade de premiação em competições, algo impensável décadas atrás, é agora uma realidade em muitos eventos de surf.

Contudo, ainda há um longo caminho a percorrer. A representatividade da mulher no surf deve ir além das competições.

Cada onda surfada, cada história contada, cada barreira quebrada nos aproxima de um futuro em que o surf seja verdadeiramente um esporte para todos.

Virginia Woolf estava certa. Elogios e críticas terão sempre seu lugar, mas é a verdade, a nossa verdade, que impulsiona mudanças.

Por fim, agradeço o convite e o espaço. Torço para que minhas palavras façam algum sentido.

Janaina Pedroso
Janaina Pedroso
É mãe, surfista e jornalista, tudo junto e misturado, e em 2016 criou o site Origem Surf. Mora em Ubatuba, pertinho do mar que tanto ama. Foi colunista e blogueira da Folha de S.Paulo por quatro anos, colaborou para a Editora Trip e atua há mais de 20 anos na comunicação de diversas empresas. Como mulher, tem o propósito de ampliar a participação feminina no surf. Como surfista, experimentar o maior número de ondas possível.

Compartilhar essa Reportagem

Adrian Kojin

Alex Guaraná

Allan Menache

Edinho Leite

Jair Bortoleto

Janaina Pedroso

Luciano Meneghello

Phill Rajzman

Zé Eduardo

Thiago Consentine

Gabriel Davi Pierin

Jaine Viudes