Publicidade:

A cannabis pode estimular, em vez de entorpecer, o cérebro dos idosos

Imagine o estereotipado fumante de maconha: jovem, atordoado e confuso. A maconha é conhecida por seus efeitos psicoativos, que podem incluir prejuízo cognitivo.

Mas uma pesquisa publicada na Nature Medicine sugere que a droga pode afetar usuários mais velhos de forma muito diferente do que os jovens – pelo menos em ratos.

+ R.I.P Padre Ticão
+ Cannabis pode aumentar vontade de se exercitar, diz estudo
+ CBD para surfistas, um alívio natural e poderoso aliado

Em vez de prejudicar o aprendizado e a memória, como acontece com os jovens até que tenham formado o seu cérebro, a droga parece reverter os declínios relacionados à idade no desempenho cognitivo de ratos idosos.

Pesquisadores liderados por Andreas Zimmer, da Universidade de Bonn, na Alemanha, administraram baixas doses de delta-9 tetrahidrocanabinol, ou THC, o principal ingrediente ativo da maconha, a camundongos jovens, maduros e idosos.

Como esperado, camundongos jovens tratados com THC tiveram um desempenho um pouco pior em testes comportamentais de memória e aprendizagem.

Por exemplo, depois de receber THC, ratos jovens demoraram mais para aprender onde uma plataforma segura estava escondida em um labirinto de água e tiveram mais dificuldade em reconhecer outro rato ao qual haviam sido expostos anteriormente.

Sem a droga, camundongos maduros e idosos tiveram pior desempenho nos testes do que os mais jovens. Mas depois que os animais idosos receberam THC, seu desempenho melhorou a ponto de ficarem parecidos com os de ratos jovens não tratados. “Os efeitos foram muito robustos, muito profundos”, diz Zimmer.

Outros especialistas elogiaram o estudo, mas alertaram contra a extrapolação dos resultados para humanos.

“Este conjunto bem projetado de experimentos mostra que o pré-tratamento crônico com THC parece restaurar um nível significativo de desempenho cognitivo diminuído em ratos mais velhos, ao mesmo tempo que corrobora o efeito oposto entre ratos jovens”, escreveu Susan Weiss, diretora da Divisão de Pesquisa Extramural do Instituto Nacional de Abuso de Drogas, que não estava envolvido no estudo, em um e-mail.

No entanto, ela acrescentou, “embora seja tentador presumir a relevância dessas descobertas [se estende] aos humanos em envelhecimento… mais pesquisas serão extremamente necessárias”.

Quando os pesquisadores examinaram os cérebros dos ratos idosos tratados em busca de uma explicação, eles notaram que neurônios no hipocampo – uma área do cérebro crítica para o aprendizado e a memória – geraram mais espinhas sinápticas, os pontos de contato para a comunicação entre os neurônios. Ainda mais surpreendente, o padrão de expressão gênica no hipocampo de ratos idosos tratados com THC era radicalmente diferente daquele de ratos idosos não tratados. “Isso é algo que absolutamente não esperávamos: os animais velhos [que receberam] THC pareciam mais com os ratos jovens não tratados de controle”, diz Zimmer.

As descobertas levantam a possibilidade intrigante de que o THC e outros “canabinóides” possam atuar como moléculas anti-envelhecimento no cérebro.

Os canabinóides incluem dezenas de compostos biologicamente ativos encontrados na planta Cannabis sativa.

O THC, o tipo mais estudado, é o grande responsável pelos efeitos psicoativos da maconha. Os compostos vegetais imitam as moléculas semelhantes à cannabis do nosso cérebro, chamadas canabinóides endógenos, que ativam receptores específicos no cérebro capazes de modular a atividade neural.

“Sabemos que o sistema canabinoide endógeno é muito dinâmico; ele passa por mudanças ao longo da vida ”, diz Ryan McLaughlin, um pesquisador que estuda cannabis e estresse na Washington State University e não esteve envolvido no trabalho atual.

A pesquisa mostrou que o sistema canabinoide se desenvolve gradualmente durante a infância, “e então ele explode na adolescência – você vê um aumento na atividade de suas enzimas e receptores”, diz McLaughlin. “Então, à medida que envelhecemos, está em um declínio constante.”

Esse declínio no sistema canabinoide endógeno com a idade se encaixa no trabalho anterior de Zimmer e outros, mostrando que as moléculas associadas aos canabinoides se tornam mais escassas no cérebro de animais idosos.

“A ideia é que à medida que os animais envelhecem, assim como nos humanos, a atividade do sistema canabinoide endógeno diminui – e isso coincide com os sinais de envelhecimento no cérebro”, diz Zimmer. “Então pensamos:‘ E se estimularmos o sistema fornecendo canabinoides [produzidos externamente]? ’”

Essa ideia não parece tão estranha, considerando o papel dos canabinoides na manutenção do equilíbrio natural do corpo, diz Mark Ware, pesquisador clínico da Universidade McGill, que não fez parte do estudo.

“Para quem estuda o sistema endocanabinoide, os resultados não são necessariamente surpreendentes, porque o sistema tem propriedades homeostáticas em todos os lugares que olhamos”, o que significa que seus efeitos podem variar dependendo da situação.

Por exemplo, um pouco de maconha pode aliviar a ansiedade, mas muito pode causar delírios paranóicos.

Da mesma forma, a cannabis pode despertar o apetite em pacientes com câncer, mas em outras pessoas pode causar náusea.

Assim, os efeitos prejudiciais observados em cérebros jovens, nos quais os canabinóides já são abundantes, podem revelar-se benéficos em cérebros mais velhos que têm carência deles.

Esses produtos químicos também funcionam para manter a ordem no nível celular, diz McLaughlin.

“Sabemos que a função primária do sistema canabinoide endógeno é tentar preservar a homeostase dentro de um determinado circuito cerebral. Funciona como um regulador interno; quando há muita atividade [neuronal], os canabinóides suprimem a atividade para prevenir a neurotoxicidade.”

Restaurar essa proteção pode ajudar a proteger o cérebro contra o estresse celular que contribui para o envelhecimento.

“Uma conclusão crítica deste estudo é que eles usaram doses baixas”, diz Ware, considerando que doses diferentes podem ter efeitos totalmente diferentes.

Seria difícil, senão impossível, traduzir a dose que eles usaram em camundongos em um equivalente humano, “mas está claro que não estamos falando de grandes quantidades. Não sabemos o que aconteceria com doses mais altas. ”

Os cientistas não sabem exatamente como a maconha afeta os adultos mais velhos, em parte porque eles se concentraram diretamente nos jovens, que se acredita estarem em maior risco.

“Por causa da preocupação com a saúde pública, a pesquisa teve um foco muito forte nos efeitos da maconha na adolescência”, diz Ware.

Mas embora os jovens constituam o maior grupo de usuários de cannabis, sua taxa de uso permaneceu relativamente estável na última década, mesmo com a droga se tornando cada vez mais disponível. Enquanto isso, o uso entre os idosos disparou conforme o estigma da droga desapareceu. Um estudo de março mostrou que em pessoas de 50 a 64 anos, o uso de maconha aumentou quase 60% entre 2006 e 2013. E entre adultos com mais de 65 anos, o uso da droga aumentou 250%.

Os pesquisadores não sugerem que os idosos devam sair correndo e começar a usar maconha. “Não quero encorajar ninguém a usar cannabis em qualquer forma com base neste estudo”, diz Zimmer.

Os adultos mais velhos que procuram a cannabis medicinal para aliviar a dor crônica e outras doenças estão preocupados com seus efeitos colaterais, Ware diz: “Eles querem saber, isso causa danos ao meu cérebro? Isso prejudicará minha memória? Se esses dados se mantiverem em humanos, isso pode sugerir que o THC provavelmente não terá um impacto negativo se você estiver usando a dose certa. Agora, o desafio é lançado aos pesquisadores clínicos para estudar isso em pessoas.”

Artigo “Marijuana May Boost, Rather Than Dull, the Elderly Brain”
Autor: Stephani Sutherland
Publicado na Scientific American (SCIENTIFIC AMERICAN, a Division of Springer Nature America, Inc.) 
Data: 10 de maio de 2017

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias