Paulo Moura vence final com Pedro Calado, Lucas Chumbo, Felipe Cesarano, Matheus Faria e Rodrigo Koxa em ondas que passam dos 3m no Itacoatiara Big Wave

Por Redação HC

A praia de Itacoatiara recebeu nesta sexta (6) um dos melhores campeonatos que rolaram no Brasil recentemente por fora dos circuitos da WSL. O Itacoatiara Big Wave reuniu para sua primeira edição grandes nomes do surfe de ondas grande do Brasil e de fora, e monitorou ondulações até que as condições se apresentassem ideais para a realização do evento.

E por ideais, entenda-se: pesadas e assustadoras.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Parabéns @paulomourasurf 🏆 campeão do @itacoatiara.big.wave 2019! – 📷 @rafaelfocay

Uma publicação compartilhada por Itacoatiara Big Wave ®️ (@itacoatiara.big.wave) em

No começo do dia, Felipe Cesarano deu o tom de como estava a situação ali no pico em uma ótima entrevista:

Eu cago pra Itacoatiara mesmo, nunca neguei. Me jogo em Jaws, Puerto, Nazaré, mas Itacoatiara eu sempre tive medo. Quando veio a primeira pra mim, eu remei, olhei pra baixo, vi aquela correnteza e puxei o bico. E aí tinha certeza que o pessoal ia me zoar depois, então tive que ir na próxima apareceu de qualquer jeito. Eu não merecia passar a bateria não, mas que bom que passei — disse o carioca, ao risos, após passar, no sufoco.

As ondas chegavam aos 15 pés nas maiores séries, mas em um mar mexido, que às vezes descambava para uma sessão completamente seca em cima da água branca e espumada do inside.

A final foi composta por um seleto grupo de big riders: Pedro Calado (2º), Lucas Chumbo (3º), Felipe Cesarano (4º), Matheus Faria (5º) e Rodrigo Koxa (6º).

Queria parabenizar a organização por esse evento maravilhoso e por ter a coragem de chamar on. Foi show de surfe, espero que seja o primeiro de muitos. Também queria dedicar a vitória ao Carlos Burle, pernambucano como eu, que há 26 anos ganhou um evento de ondas grandes aqui em Itacoatiara — disse o ex-top do WCT Paulo Moura após conquistar o cobiçado título.

O campeonato foi no formato das etapas do agora praticamente extinto Big Wave Tour: baterias de seis atletas, com três melhores de cada avançando à próxima fase.

Em cada bateria, eram somadas duas notas, sendo que a melhor de cada atleta era dobrada.

O campeonato foi especial por realizar também uma bateria entre as mulheres. No caso, duas das maiores cascas-grossas do surf brasileiro: Raquel Heckert e Michaela Fregonese.

Michaela, que havia sofrido uma séria lesão durante a Puerto Escondido Cup, conseguiu superar o trauma do perrengue no México para vencer a amiga numa bateria muito celebrada.

Resultados – Itacoatiara Big Wave

Final masculina:
Paulo Moura – 24.752
Pedro Calado – 18.503
Lucas Chumbo – 17.904
Felipe Cesarano – 7.505
Matheus Faria – 6.006
Rodrigo Koxa – 4.00

Final feminina:
Michaela Fregonese — 15.75
Raquel Heckert — 10.00

VEJA TAMBÉM:
• EQUIPE BRASILEIRA CHEGA AO JAPÃO PARA OS ISA GAMES – SEM ITALO FERREIRA
• GABRIEL MEDINA E CONNER COFFIN TREINAM NO SURF RANCH; ASSISTA
• ETAPA DO CT EM PISCINA DE ONDAS TERÁ NOVO FORMATO; ENTENDA