Publicidade:

Henrique Pistilli, o Homem Peixe, fala sobre o acidente em Noronha

Henrique Pistilli, carioca, ex-atleta de polo aquático, residente em Fernando de Noronha. Simplesmente o ser que alavancou a cena do bodysurf no Brasil, mostrando sua paixão pelo mar, surfando a onda da vida de peito aberto, apenas com nadadeira.

Veja também:

Gabriel Medina pode voltar ao CT na etapa de G-Land

Pipeline: entenda o que aconteceu na pior colisão dos últimos tempos

Sim, Jamie O’Brien surfou Pipeline com uma janela

Pistilli foi apresentador do programa “Homem Peixe”, transmitido no Canal OFF e produzido pela Soul Filmes, que colocou o bodysurf em destaque. Há quase 10 anos, o bodysurf logicamente já era praticado ao longo do litoral brasileiro. Mas com muita simpatia, cultura e performance, o Homem Peixe (como ficou conhecido desde então) cativou muitas pessoas com seu jeito simples e pleno de aproveitar a natureza. O fato é que muitos se identificaram com o tal do Homem Peixe que pegava “jacaré”.

Ao mesmo tempo que Henrique compartilhava sabedoria a partir da natureza, ele surfava ondas pesadas como Teahupoo, Nazaré, Pipeline e tantas outras que deixavam qualquer um de queixo caído. O ponto de interrogação girava em torno da maestria em domar as ondas somente com um par de nadadeiras e nada mais. Como isso era / é possível? Dom? Treino? Relação íntima com a água? Conjunto desses fatores e muito mais? Vai saber…

Mas depois de anos morando em Florianópolis, ele se mudou para Noronha e lá permaneceu, desde 2007. O contato diário com a onda triangular da Cacimba do Padre fez com que Pistilli aprendesse a cada dia com o pico que muitos chamam carinhosamente de Havaí Brasileiro.

A intimidade com aquela onda, a maneira como ela quebra, o melhor momento da maré, o comportamento da corrente… a experiência foi se acumulando conforme Pistilli foi “cacimbando”. Foi ele inclusive o cara que calçou as nadadeiras e com uma longhandboard dropou uma onda enorme vinda da laje da Cacimba. Mais um feito incrível!

Susto em Fernando de Noronha

Henrique Pistilli é atendido por socorristas logo após sofrer o acidente na Cacimba. Foto: Reprodução

Poucas foram as vezes em que a comunidade do bodysurf e surf em geral tinha escutado ou visto uma situação em que Henrique tivesse passado perrengue no mar. Parece brincadeira, mas esse peixe transparece muita calma mesmo nas condições mais nervosas do mar.

Como a vida é repleta de emoções e o mar é natureza, tudo é imprevisível, forte e intenso. Assim, algo chacoalhou Pistilli recentemente… e foi pra valer! Na metade do mês de janeiro deste ano, o atleta de bodysurf tomou um susto durante uma session. Ao lado de dois amigos que estão evoluindo no surfe de peito e também junto com a fotógrafa e artista do mar Marina Travesso, Henrique viveu a experiência mais sinistra da vida. O que aconteceu mexeu não apenas com Henrique, que podia não estar mais aqui, mas também com toda a comunidade aquática que tem admiração por sua bravura no mar e fora dele.

Depois de surfar algumas ondas, Henrique trocou de função com Marina. Ficou com a caixa estanque para filmar alguns takes para o clipe de uma música que será lançada em parceria com Marina. E ao invés de pegar a onda, Henrique foi pego por uma. Literalmente. Com a força da onda, a caixa estanque voltou com tudo e atingiu seu rosto, clavícula, tórax… e não parou por aí. Na realidade, cenas piores estavam por vir.

Marina Travesso surfando de bodysurf na Cacimba do Padre. Foto: Maíra Kellermann

Entrevistei Pistilli e Marina esta semana e eles me contaram todos os detalhes do acidente, bem como o salvamento realizado, a ajuda que receberam e todo o processo de recuperação.

“Pista” é meu amigo do mar e da vida, com ele estou sempre aprendendo, seja dentro ou fora d’água. E com esta vivência tão impactante, pude aprender uma vez mais e encarar a vida de forma diferente.

Mas se você pensa que ele paralisou e se deixou abater com o trauma, com o fato de não poder surfar ainda, você se enganou!

Pista compartilhou novidades incríveis na entrevista, falou sobre a bodysurf trip na Indonésia e muito mais! Se você chegou até aqui neste texto, assista ao vídeo abaixo, onde ele fala com franqueza sobre o acidente e fala sobre os planos para 2022, como uma trip na Indonésia, Festival Aquático em Fernando de Noronha é muito mais!

Permita-se aprender. Sempre. Porque até os mais experientes como o Homem Peixe, gigante das ondas grandes, estão sujeitos à soberania da natureza.

Confira o vídeo do canal Ela No Mar:

*Por Letícia Parada | Aloha Spirit Mídia

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias