Publicidade:

Festival Internacional de Cinema de Surf de Ubatuba divulga lista de filmes premiados

O Festival Internacional de Cinema de Surf de Ubatuba (FICSU) divulgou a lista de filmes premiados da sua segunda edição.

Leia mais:

Rio Pro: Gabriel Medina sofre pancada no joelho e vai passar por avaliação

Algoz olímpico de Gabriel Medina é criticado nas areias de Saquarema

John John Florence lança vídeo exclusivo filmado na Austrália

Entre os dias 16 a 19 de junho, durante o feriado de Corpus Christi, uma série de atividades gratuitas aconteceram na Praia Vermelha do Norte, em frente ao Hou Beach Club.

Entre elas, ações em prol do meio ambiente, debates, aulas de surf, yoga, cinema, oficinas para crianças, shows musicais, rodas de conversas, feira de produtores locais e mais. Além disso, o festival contou com a exibição de um total de 21 títulos inéditos no circuito comercial e o fotógrafo e cineasta Klaus Mitteldor também recebeu homenagem.

Com nomes de praias da cidade, o Festival Internacional de Cinema de Ubatuba promoveu diversas premiações para os melhores títulos. Confira os vencedores:

O Prêmio Itamambuca dedicou-se em eleger um filme completo, com boa narrativa e bem-feito em todos os aspectos. O documentário Waterman, de Isaac Halasima, levou esta categoria. O filme conta a história do ícone do surf mundial Duke Paoa Kahanamoku, cinco vezes mundial olímpico e nativo havaiano que quebrou recordes e disseminou o surf pelo mundo enquanto superava desafios pessoais.

Mulheres viram surfistas e provocam revolução silenciosa no Sri Lanka

No Prêmio Sununga, que elegeu um filme inovador, o vencedor foi BANGALA SURF GIRLS, de Elizabeth D. Costa e Lalita Krishna. O documentário leva o telespectador a Bangladesh e acompanha as transformações de jovens que se juntam a um surf club local e que ousaram se libertar das amarras do casamento na infância.

O Prêmio Vermelhinha, é destinado a um filme mais radical, e foi para BELIEVE de Michel Garcia. O filme francês acompanha alguns atletas atípicos durante o Circuito Mundial, pouco tempo antes da França entrar em confinamento.

O Prêmio Perequê-Açu, destacou realizadores estreantes, e elegeu dois campeões. O primeiro foi o peruano A LA MAR, de Bruno Monteferri, um documentário que mostra os conflitos de interesse, entre poder público, pescador, surfista e especulação imobiliária, na forma de usar o mar e como uma mobilização de surfistas culminou na primeira lei do mundo para preservação das ondas. O segundo foi um filme brasileiro de nome FÉ SALGADA, um documentário poético das diretoras Victoria Zolli e Bia Pinho, de Ubatuba.

Já o Prêmio Juri Popular foi para SKIMBOARD NAZARÉ, de Loic Wirth, sobre o campeão mundial de skim, Lucas Fink, durante sua missão de surfar o canhão de Nazaré com sua prancha sem quilhas.

 

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias