26 C
Papeete
quinta-feira, 23 maio, 2024
26 C
Papeete
quinta-feira, 23 maio, 2024

“Acho boa ideia ouvir as pessoas que fizeram o surf crescer: surfistas e fãs”

Há sete dias a WSL anunciou seu calendário para o circuito mundial de surf 2023. Que será uma temporada semelhante a 2022, começando em Pipeline em 29 de janeiro e novamente terminando com as finais em Trestles, em setembro. Foi quase com lágrimas que reagimos à saída de G-Land e não é somente nós que sentimos muito.

Muitos tops da própria elite questionam, por exemplo, a ausência de esquerdas de performance do calendário do Tour.

Confira também: 
+ WSL Finals de 2022 tem recorde de audiência segundo a entidade
+ “Este novo formato é nada a ver”, diz Medina sobre WSL Finals
+ “G-Land é a onda mais completa que já surfei”, diz Victor Ribas

Em um post compartilhado pela WSL em seu Instagram oficial, surfistas como Tatiana Weston-Webb; Johanne Defay; e Brett Barley, comentaram e fizeram suas reivindicações.
Weston-Webb, por exemplo, pede por mais esquerdas manobráveis, assim como a francesa Defay (abaixo).

 

Quem também apareceu por lá foi o ex-surfista profissional da elite, o norte-americano Shane Beschen. De forma muito elegante, Beschen pontuou os seus descontentamentos. Ele acredita que a WSL precisa ouvir surfistas e fãs, que para ele “foram e são os que fazem crescer a cultura do surf”; ele também aborda a importância de uma final em uma onda de consequência como Pipeline; o corte do meio do ano e mais. Confira:

“Desde o início, a emoção, a diversão e a cultura do surf cresceram de dentro para fora, o que significa que o espírito contagiante do surf está lentamente alcançando as massas através do entusiasmo do mercado principal. Seu mercado principal tem falado alto e claro sobre o corte do meio do ano, terminando em baixas e agora este novo cronograma. Como agora estou simplesmente observando como fã, parece uma boa ideia ouvir as pessoas que literalmente fizeram o esporte crescer até onde está agora. Os surfistas e os fãs. Eu sou de San Clemente e amo Lowers, mas a estratégia das finais deste ano está até mesmo dando má conotação a uma das ondas de maior desempenho do mundo. Quando as pessoas estão acostumadas com as consequências do Pipeline para reivindicar o título, a maioria dos picos de surf fica aquém da mesma emoção. Desejo a vocês o melhor, pois sempre serei um fã de surf e os surfistas de hoje estão estabelecendo novos padrões que são incríveis.”

Mais milhares de fãs derramaram suas reclamações; são várias as reivindicações mas o corte do meio do ano e a final em Trestles parecem ser hot topic.

E você, o que acha do calendário do Dream Tour 2023?

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias