Ataque de Lucas Chumbo ao lip de onda de 30 pés durante o Nazaré Challenge entra imediatamente para a concorrência de manobra do ano de 2018

Por Redação HC

Lucas “Chumbo” Chianca não venceu o último Nazaré Challenge. Terminou na segunda posição, atrás do veterano sul-africano Grant “Twiggy” Baker. Mas a performance do local de Saquarema no campeonato ajudou a consolidar sua posição como a de referência em performance em ondas grandes atualmente. Principalmente devido a uma manobra, que poderia ser uma simples batida – se não tivesse sido executada em uma onda de mais de 30 pés.

Depois de mandar um floater e um aéreo na edição do mesmo campeonato no começo do ano, Chumbo torna a mostrar que é possível ir muito mais longe no surf de ondas grandes. Naquela ocasião, as ondas estavam menores e ainda houve quem dissesse que nem poderia ser considerado big surf. Dessa vez não há o que dizer. Assista:

A manobra ganhou destaque no site da WSL, que até dedicou um pouco do espaço a uma entrevista com Lucas.

“Naquela onda eu me toquei, ‘o que eu vou fazer depois dessa cavada?’ Fui direto para o lip, não dava para tentar outra manobra. Eu bati no lip e chutei as quilhas pra fora da água e desgarrei um pouco a rabeta. Foi bem uma manobra de onda pequena mesmo”, disse o atual dono do troféu de melhor performance da temporada no Big Wave Award.

Chumbo ainda fala, na entrevista, que e a inspiração para as manobras nas ondas grandes veio dos anos que passou correndo o QS, sem sucesso, e que sua grande referência no surf progressivo é Gabriel Medina. Para ler a entrevista na íntegra (em inglês), entre aqui.