O australiano Jack Robinson venceu a Rip Curl Cup, campeonato especial entre um seleto grupo de tuberiders, nesta quinta (19), nas esquerdas perfeitas e tubulares de Padang, em Bali, Indonésia. Único brasileiro convidado, o niteroiense Bruno Santos chegou até a semi e terminou o torneio na 7ª posição.

O último dia da Rip Curl Cup foi para a água no que está sendo chamado de swell do ano em Bali. Apesar da previsão apontar ondas ainda maiores, as esquerdas de até 10 pés que entraram durante a manhã em Padang fizeram a cabeça dos competidores e proporcionaram cenário de gala para um desfile de tubos e notas altas.

Logo na primeira bateria do dia, a semifinal de Bruno Santos, foram cinco tubos acima dos nove pontos – um deles, a primeira nota 10 do dia, do local Agus Setiawan, que chegou a descartar um 9,00. Bruninho não conseguiu repetir o desempenho dos primeiros dias e ficou no último lugar no confronto, que também eliminou o australiano Jacob Willcox – apesar da ótima atuação deste, que tirou um 9,90 e chegou aos 18,15 pontos na soma das duas melhores, chegando a descartar um 8,00. O também local Bol Adi Putra passou na segunda posição com 19,05 pontos (9,55 e 9,50).

Veja também: Big riders desafiam ondulação de peso no Shock e em Itacoatiara

A segunda semi teve ótimos tubos, mas não repetiu os scores da primeira. Apenas Jack Robinson e o local e então detentor do título Mega Semadhi passaram dos nove pontos. Os dois foram para a final, eliminando o australiano Josh Kerr, em terceiro, e o local I Made Widiarta, em quarto.

Na final, Robinson achou as melhores ondas. Depois de tirar um 9,90, viu os adversários pegarem ondas menores e logo retomou a prioridade, já na liderança da bateria. Quando uma das melhores séries do dia entrou, ele deixou a primeira onda. Semadhi foi e teria feito uma nota razoável se saísse do segundo tubo, na sessão mais longa. Robinson foi na segunda, entubou na primeira sessão, cavou adiantando muito na base e então botou pra dentro, apostando uma longa corrida com as placas da segunda sessão. Ele saiu limpo do tubo rápido, profundo e extenso. Nota dez.

Putra e Setiawan ainda acharam boas ondas, mas nada comparado às do local do oeste australiano.

Como torneio especial, a Rip Curl Cup não rende pontos para o circuito de qualificação, o que seria excelente para Robinson (e para Bruninho, caso o brasileiro tivesse essa meta), que sofre para avançar nos campeonatos do QS, normalmente em ondas pequenas e manobráveis, com raras exceções. Por outro lado, ele deixa a Indonésia com uma reputação ainda mais sólida de um dos melhores tuberiders do mundo.

Assista abaixo aos melhores momentos do últimos dia da Rip Curl Cup Padang: