Por Fernando Gueiros

Você conseguiu ser campeã mundial, agora o que você pretende fazer para se manter no topo?
No momento ainda estou digerindo o que aconteceu, mas acho que todo competidor sonha e treina para o título mundial. Ano que vem vou continuar seguindo o mesmo plano que funcionou neste ano. A ideia é surfar bastante, manter a forma, comer corretamente, e, para mim o mais importante, achar a alegria na estrada. Não é fácil viajar tanto assim e ficar longe de casa.

Você espera mudanças no circuito feminino de 2012?
Espero que tenhamos mais eventos. Parece que estão tentando trazer o Hawaii de volta, mas acho que vai ser mais ou menos parecido com esse ano. Seria incrível ter mais eventos no Tour feminino. Perdemos alguns eventos, não temos o Hawaii. Gostaria muito de surfar em casa com o apoio do público. No final das contas eu acredito que as maiores mudanças serão entre as atletas, com muitas caras novas entrando.

Qual brasileira você acha que está puxando os limites e tem chances de ser campeã?
Temos a Silvana Lima e eu sempre prestei atenção no surf dela. Ela é muito inovadora, manda vários aéreos e é bem excitante vê-la surfar. Mas o que mais impressiona ultimamente são todos os brasileiros no lado masculino do Tour, como o Adriano de Souza, que esteve na liderança do ranking. Acho também que o Alejo Muniz é um surfista muito empolgante de assistir. E parece que o Gabriel Medina vai se classificar agora para a segunda parte do ano. Muitos brasileiros estão por aí.

O que você acha que as mulheres precisam fazer para alcançar o nível dos homens?
Acho que o surf feminino é diferente. É lindo e incrível de assistir. É gracioso, diferente… Mesmo assim acredito que nos próximos anos as meninas estarão no nível de mandar aéreos mais altos, acertar grandes cavadas e correr com mais velocidade. Vamos achar o equilíbrio entre esses aspectos e apresentar tudo isso em um lindo pacote.

Qual é o seu pico favorito no mundo e no Brasil?
Eu já estive em vários lugares lindos, mas acho que não existe nada como a nossa casa. Voltar para o Hawaii e saber que sempre tem ondas boas por lá é uma das melhores sensações. Não gosto de perder nenhuma sessão de surf em Kewalo’s, no South Shore de Oahu. Lá é minha casa, meu homebreak.

O que você acha melhor, competir em ondas épicas e com pouco público ou em ondas boas e sem constância, porém em grandes cidades, com grande público?
Acho que o mais importante é encontrar um equilíbrio e a ASP está fazendo um excelente trabalho, encontrando ondas lindas e excelentes e trazendo o surf para lugares onde as pessoas possam ir para a praia torcer. Acho que é importante ter mais pessoas empolgadas com o que estamos fazendo e acho que a ASP está fazendo um bom trabalho em encontrar esse equilíbrio.

 

Carissa Moore, Campeã Mundial do ASP Women’s Tour 2011