Publicidade:

WSL explica critérios de notas no Margaret River Pro

A etapa de Margaret River é a quinta e última antes do mid-season cut (corte no meio da temporada). A janela do evento está aberta desde o dia 24, mas até agora, apenas o Round 1 da categoria feminina foi para a água, em um dia de ondas bem razoáveis.

Veja também:

Gabriel Medina concede primeira entrevista sobre sua volta às competições

Kelly Slater e mais 38 surfistas do CT inscritos no Challenger Series Snapper Rocks

Rodrigo Koxa critíca a grande mídia e medições de possíveis recordes de onda surfada

As condições de surf ainda não se alinharam e a próxima chamada está marcada para essa sexta-feira (27). O palco principal da disputa é o Main Break, mas se os tubos de The Box estiverem encaixados, a competição deve acontecer por lá.

Enquanto os surfistas treinam, a WSL publicou um vídeo explicativo em que o ex juiz chefe da entidade, Richie Porta, detalha as exigências para alcançar boas pontuações no Margaret River Pro.

“Tudo é grande em Margaret River, os reefs, as árvores e até os cangurus. Isso significa que, para conseguir grandes notas, o surf tem que ser grande”, disse. “Tem que ir nas maiores ondas, atacar as seções críticas com boa combinação de manobras e não acertar no reef”, aconselhou Richie Porta. “É uma onda em mar aberto onde entra muito vento, além de ser curta e rápida, por isso, o surfista tem um espaço pequeno para fazer a linha. Se espera um surf dinâmico”, finalizou.

Além disso, o especialista ressaltou que os princípios primordiais têm que estar sempre em evidência. São eles, rapidez, força e fluidez.

E se a competição for pra The Box?

O tubo raso e casca grossa de The Box é também uma opção para a competição. “É um fantástico slab pequeno e quando digo pequeno não é referente ao tamanho mas à pequena área”, apontou.

Como você, caro leitor, deve imaginar, por lá o negócio é focar na qualidade dos tubos. “The box é sobre tubos, nada mais. Ou pega um tubo bom ou não terá a pontuação desejada”, explicou o ex-juiz chefe da WSL.

Na explicação, ele deu o exemplo do grande campeão mundial de 2015, Adriano de Souza. Naquele ano, The Box foi palco da disputa e o brasileiro tirou um 9.80 pontos. O australiano Owen Wright fez ainda melhor ao pegar uma onda pesada da série que lhe trouxe a nota perfeita, 10.

A janela do evento segue aberta até o dia 4 de maio.

Aperte play e assista ao vídeo completo com a explicação da WSL:

 

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias