Publicidade:


Publicidade:

Tyler Wright é escolhida a atleta do ano de 2020

A australiana Tyler Wright foi escolhida pelo site Surfer Today a atleta do ano de 2020.

Devido ao ano atípico de 2020, marcado pela pandemia e pelo cancelamento sucessivo de eventos, desta vez o Surfer Today decidiu não escolher os melhores de surf, kiteboard, bodyboard e windsurf, mas, sim, apenas um atleta.

O site justificou a escolha de Tyler Wright em vários aspetos, não apenas o desempenho esportivo, mas, também por sua postura enquanto ativista.

tyler-wrigh
Tyler tornou-se na primeira competidora do surf mundial a envergar a bandeira LGTB+ na sua lycra. Foto: WSL

Depois de ter estado afastada das provas durante quase um ano e maio, devido a ter contraído gripe A, Wright regressou à ação no final de 2019, onde conseguiu um 2.º posto na etapa final WSL, em Honolua Bay.

No retorno das competições do Mundial feminino, justamente em Honolua Bay, Wright foi um dos grandes destaques do evento, cujas finais foram transferidas para Pipeline após incidente envolvendo um ataque de tubarão no pico.

+ Seis livros extraordinários para você aproveitar o flat do Verão

+ Temporada havaiana bombando em Oahu

+ Sunset Beach Open: WSL divulga baterias

Dessa forma, na Rainha do North Shore, a surfista acabou por conquistar a primeira colocação na etapa inaugural do circuito já em Pipeline, derrotando na final a campeã mundial e grande favorita local, Carissa Moore.

Tyler Wright
Corajosa, em setembro passado, durante as provas de demonstração da WSL na Austrália, Tyler surfou com uma prancha com a mensagem “Black Lives Matter” e foi duramente atacada por grupos supremacistas na internet. Foto: WSL

Contudo, as lutas por várias causas que Tyler Wright enfrentou também tiveram um papel importante neste prêmio.

Em setembro passado, durante as provas de demonstração da WSL na Austrália, que serviram de regresso à ação, Tyler surfou com uma prancha que tinha uma mensagem contra o racismo, nomeadamente em alusão ao movimento “Black Lives Matter”.

Agora, mais recentemente, durante a etapa havaiana tornou-se na primeira competidora do surf mundial a envergar a bandeira LGTB+ na sua licra. Isto depois de Wright ter admitido abertamente ser bissexual, sendo uma das grandes defensoras da causa dentro do surf mundial.

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias

Dentro da sala de shape...

A Pyzel é uma boa prancha de surf. Você sabe disso porque alguns dos...

Ucrânia torna-se o 109º país...

Banhada pelo Mar Negro e sem acesso a nenhum dos oceanos, a Ucrânia acaba...

Margaret River Pro: confira as...

Após a ação no Narrabeen Classic, a elite do surf mundial segue para o...

‘Lost Track Atlantic’, um filme...

Em 'Lost Track Atlantic' os australianos Ishka Folwell e Torren Martyn viajam desde o...