27 C
Papeete
sábado, 25 maio, 2024
27 C
Papeete
sábado, 25 maio, 2024

“Tomamos mais de 400 picadas na Ilhabela,” diz turista

Um turista de Ilhabela, litoral paulista, impactou as redes sociais com uma postagem na página do Facebook “Ilhabela SP LT”, na segunda-feira, 23/5. “Ao todo, tomamos, sem exagero, mais de 400 picadas”, relatou o autor do comentário, que esteve com a família na Ilhabela em janeiro.

Confira: 
+ Surfar e acampar? Veja o que levar para cozinhar
+ Inverno no litoral norte? Veja 10 aventuras para curtir 
+ Ilhabela: pesquisadores flagram pelo menos 10 baleias-jubarte

Ele também disse que não volta tão cedo à cidade, e que nem mesmo o uso de repelentes foi suficiente para barrar os borrachudos.

Os internautas que comentaram a postagem se dividiram. Alguns optaram pelo tom jocoso, reavivando a velha rixa moradores x turistas: “Torço que os borrachudos continuem sendo um fator limitador e de controle de visitantes na ilha”, “Borrachudos: controle biológico de turistas. Obrigado, borrachudo” e “Os borrachudos são os meus heróis.” foram alguns dos comentários pró-borrachudos.

Já outras pessoas concordaram que os mosquitos são “do mal” mesmo: “Fui em 2009, tenho marca até hoje, e só passei umas horas no quiosque na praia”, “Gente isso É muito sério! Meu filho ficou internado quase uma semana por causa de picadas de borrachudos. Foi muito sofrimento” e “Estive em Ilhabela por 10 dias! Nunca mais volto, voltei devorada pelos borrachudos!”

Ecossistema

Fato é que, os borrachudos fazem parte do ecossistema de Ilhabela. Não tem como se livrar 100% dos temíveis mosquitos. Eles se reproduzem principalmente nas inúmeras cachoeiras da cidade, onde encontram o ambiente perfeito: água limpa e temperatura adequada.

A prefeitura do município até faz o controle dos insetos com a aplicação de inseticida biológico, mas é impossível exterminá-los de vez, e isso nem seria apropriado, pois causaria um desequilíbrio na natureza.

E, como se pode ver nos próprios comentários da postagem, tem quem alegue que ou nem chega a ser picado ou é picado muito pouco. Isso varia muito de pessoa para pessoa. Há as mais sensíveis, que chegam a desenvolver um quadro alérgico à picada e as que parecem nem “abrir o apetite” dos borrachudos.

A dica para quem não quer permitir que os borrachudos estraguem o passeio, é nunca esquecer o repelente.

Fonte: costanorte.com.br

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias