Publicidade:

Publicidade:

Publicidade:

Tom Curren surfando sozinho no México é muito mais que um filme de surf



Free Scrubber”, o mais recente filme da série “The Search”, da Rip Curl, traz a volta de Tom Curren aos filmes de surf nas ondas do México.

No auge da pandemia de Covid-19, Curren opta por fazer seu isolamento nas direitas quentes e perfeitas de Salina Cruz.

Acompanhado de seu amigo de longa data, Buggs Arico, e do cineasta australiano Andy Potts, Tom e seus amigos são surpreendidos quando, já em terras mexicanas, recebem a notícia de que as fronteiras foram fechadas para estrangeiros.

+ Lucas Silveira fez o combo mágico durante viagem: surf e snowboard

+ Seis livros extraordinários para você aproveitar o flat do Verão

+ Após 6 anos submersa no Havaí, câmera é encontrada (e continua funcionando)

Com isso, os três ficam três meses, sozinhos, sendo os únicos surfistas da cidade e com o point de Salina Cruz só para eles.

Tom Curren em ondas perfeitas e sem crowd é uma oportunidade boa demais para ser perdida. As câmeras rodaram.

Contudo, para além das linhas perfeitas de Curren e toda sua genialidade nas ondas, “Free Scrubber”, parece, de certa forma, tentar descontruir o mito e todo conceito “The Search” que nasceu com o próprio californiano.

Tom Curren Mexico
Tom Curren e seu quiver mexicano: A busca agora é outra. Foto: Andy potts

“Ficou entediante depois de um tempo”, dispara Tom Curren, respondendo de forma quase desatenta, quando o cineasta começa a falar sobre o assunto.

Temos, então, de certa forma, a desconstrução de um mito. O filme adota uma linguagem diferente daquela que estamos acostumados acompanhar nas películas de surf.

Sequências bem-humoradas mostram um Curren “humano”, praguejando após quebrar sua alaia ao meio após um tombo desajeitado ao escorregar das pedras para entrar no mar; ou enquanto corre a parede de uma onda, sem fazer nada, sob uma narração exagerada de Joe Turpel, numa clara zoeira com a WSL e suas “transmissões épicas”.

Enfim, a metafórica Busca de Tom Curren agora se tornou um paradoxo. E ele claramente não quer ser encontrado.

No entanto, há uma lacuna aqui, pois, apesar de tudo, a genialidade de uma pessoa que mudou os rumos do surf está ali.

Mas agora, talvez, chegou o momento de olharmos apenas para o homem.

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias

Russell Bierke, um dos tube...

Depois de se consolidar no topo dos surfistas de ondas grandes que conquistaram a...

Kelly Slater, Kolohe Andino e...

Mesmo com as fronteiras fechadas para o turismo, alguns afortunados, como Kelly Slater, conseguiram...

Alimentos que protegem a pele...

Surfar no verão é sinônimo de altas temperaturas e sol intenso. É, portanto, uma...

WSL lança documentário sobre épica...

O surf em ondas gigantes é certamente um esporte de consequências e nem mesmo...