Publicidade:

Tatiana Weston-Webb fala sobre os desafios de se manter no top 5

Tatiana Weston-Webb é a única representante brasileira no CT (Championship Tour) feminino e, diante dos muitos desafios da carreira profissional, a surfista coleciona grandes conquistas.

Leia mais:

Carissa Moore comenta a interferência contra Tati Weston-Webb

Cena bizarra: mulher monta em baleia encalhada na Holanda

Mulheres viram surfistas e provocam revolução silenciosa no Sri Lanka

Apesar de ter nascido no Brasil, Tati se mudou para o Havaí ainda com 2 meses. Lá, ela desenvolveu seu amor pelo surf, mas ainda não tinha ideia da complexidade das questões que seriam enfrentadas para chegar e se manter entre as melhores surfistas do mundo.

Após conquistar o vice-campeonato mundial no ano passado, ela segue com um ótimo desempenho nessa temporada e, principalmente, forte na briga pelo lugar mais alto do pódio.

Na última etapa, em J-bay, a surfista venceu, subiu três posições no ranking geral da competição e agora ocupa a 3ª colocação.

Faltando apenas um evento para a grande decisão, a missão dela é se manter no top 5 e garantir a vaga para o WSL-Finals, na Califórnia, em setembro.

“São muitos desafios durante a rotina: temos que estar sempre atentos, durante o período de competições, constantemente estamos fazendo viagens que são muito desgastantes. Mas estamos trabalhando com o nosso corpo e com a nossa mente, então eu busco equilibrar uma rotina de treinos e também manter uma boa alimentação para estar sempre preparada” comenta, Tatiana.

Viagens com duração média de até 40 horas são um dos muitos desafios que os atletas da elite do surf precisam lidar. Além das condições do mar, os próprios fatores climáticos também interferem e podem influenciar no estilo de surf de cada atleta profissional durante as competições.

“Acho que a parte de ficar longe da família, longe de casa e também o tempo que cada viagem leva, são pontos desafiadores e de grandes sacrifícios na vida de um atleta, também existe toda essa parte de alimentação que temos que nos adaptar em diferentes regiões. Temos que aprender a ser flexíveis e saber contornar algumas situações, para manter o foco durante o período de competições”, explica Tati.

Esperança de título no Circuito Mundial da WSL e também nos jogos Olímpicos como representante brasileira feminina, a surfista mantém o foco e busca aprimorar cada vez mais suas habilidades.

Apaixonada pelo esporte desde criança, a brasileira também sabe da pressão que é manter o alto nível durante toda temporada e, por isso, também trabalha para encontrar o melhor equilíbrio entre a rotina profissional e a vida pessoal.

“É difícil se manter entre os melhores durante muito tempo, tento sempre estar preparada para realizar o melhor desempenho durante as etapas, e a preparação nem sempre é suficiente, precisamos dar sempre o máximo. O Championship Tour é muito disputado, para permanecer no top 5 temos que estar sempre surfando em alto nível, cada detalhe importa pro ranking, então vamos sempre focados e com força total, tentando manter a concentração durante cada bateria, pois durante a etapa todas as notas são importantes no momento final”,  finaliza Tatiana.

A próxima etapa que a brasileira vai encarar é no Tahiti, de 11 a 21 de agosto, que será o último encontro da competição antes da classificação para a grande final, o WSL Finals, na Califórnia, nos Estados Unidos.

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias