26 C
Papeete
quinta-feira, 23 maio, 2024
26 C
Papeete
quinta-feira, 23 maio, 2024

“Seu vídeo é nocivo,” diz Lee Ann Curren a Bethany Hamilton, sobre política trans da WSL

A política da WSL sobre atletas trans femininas está originando um debate na internet. Sobretudo, após a surfista profissional havaiana Bethany Hamilton ter manifestado sua opinião publicamente em suas redes sociais.

Por meio de seu Instagram, Bethany Hamilton encontrou apoio online de outros atletas após ter se manifestado contra as regras da World Surf League (WSL) que regem as mulheres trans que competem em eventos de surf.

+ WSL divulga política para atletas transgêneros

Hamilton disse em um vídeo postado no sábado, 4/2, que não participaria dos eventos da WSL caso a regra permanecesse.

A WSL disse que as atletas transexuais precisam manter um nível de testosterona de 5 nmol/L por pelo menos um ano para participar da divisão feminina.

Hamilton disse em seu vídeo que preferia ver a WSL criar uma nova divisão.

“Pessoalmente, acho que a melhor solução seria criar uma divisão diferente para que todos possam ter uma oportunidade justa de mostrar sua paixão e talento – e acho muito difícil imaginar como será o futuro do surf feminino em 15 anos. 20 anos depois, se seguirmos em frente, permitindo essa grande mudança”, disse ela.

Depois de levantar questões, Hamilton recebeu algum suporte online.

Hamilton passou a esclarecer seus pontos nos comentários.

“Estava trocando mensagens com uma amiga que faz parte da comunidade (LGBTQ) e realmente não acho que neste momento haja uma solução que agrade a todos”, escreveu ela. “Existem diferentes visões de mundo e isso faz parte da vida. Posso não ter a resposta perfeita. Mas sinto o que sinto e continuarei firme no que compartilhei aqui.

“Mencionei a testosterona porque é assim que as Olimpíadas e a Liga Mundial de Surf decidem se você pode competir como mulher.”

A esquiadora medalhista de ouro olímpica Julia Mancuso e a nadadora All-American da NCAA Riley Gaines expressaram também foram à seção de comentários expressar apoio à Hamilton.

“Eu apoio você, Bethany”, escreveu Mancuso. “Obrigado por falar por todas as mulheres e meninas por aí. Todas essas são perguntas interessantes para navegar neste tópico difícil e esperamos poder continuar lutando pelo futuro dos esportes femininos.”

Gaines acrescentou: “OBRIGADO por usar sua plataforma para compartilhar isso. Não consigo expressar o quão inspirador isso é.”

O ex-campeão de surf competitivo Shane Dorian também acrescentou seu nome àqueles que apoiaram Hamilton nos ataques da nova política trans da WSL.

“Fale a sua verdade! Obrigado por ser corajosa o suficiente para defender o que você acredita”, escreveu ele. “Não dê ouvidos às pessoas que lançam a palavra transfóbica para qualquer pessoa cujas crenças não se alinham perfeitamente com as deles. Esses são problemas complicados sem solução clara. Independentemente disso, há muitas pessoas que amam e apoiam a comunidade trans que concordam com você sobre estas questões.”

O icônico australiano Barton Lynch também se manifestou: “Apoio você e suas escolhas @bethanyhamilton e parabenizo você por sua coragem e força para defender a si mesma e seus valores, para futuras e passadas gerações de surfistas profissionais que nunca foram consultados sobre nada disso. Orgulho de te chamar de amigo.”

No entanto, muitos discordam da visão de Bethany.

A surfista e professora canadense Leah Nicole Tisdale, também publicou em seu Instagram, alguns dados referentes a estudos científicos que derrubam mitos de que atletas trans vão, por exemplo, dominar a categoria feminina do esporte.

Radicalmente opostos à filosofia de Bethany, estão os pensamentos da free surfer Lee Ann Curren:

“Acho que feminismo e transfobia não podem coexistir. Seu vídeo é nocivo, conforta pessoas desinformadas excluindo e apontando o dedo para uma minoria. Com argumentos enraizados na misoginia.É triste ver mais uma vez uma onda de transfobia nos comentários. Os surfistas trans pertencem e devem prosperar. Mulheres trans são mulheres e homens trans são homens. Os esportes são sobre respeito, inclusão, equidade, talento, inspiração e humanidade.”

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias