28 C
Papeete
terça-feira, 21 maio, 2024
28 C
Papeete
terça-feira, 21 maio, 2024

WSL divulga política para atletas transgêneros

A World Surf League (Liga Mundial de Surf) anunciou que adotará a política transgênero da International Surfing Association (ISA) em todos os seus circuitos. Ele entrará em vigor imediatamente.

A política, lançada pela primeira vez pela ISA em outubro de 2022, exige que os atletas designados como homens mantenham um nível de testosterona inferior a 5 nmol/L (nanomoles por litro) continuamente nos 12 meses anteriores para serem elegíveis para competir em um evento feminino.

“A WSL está trabalhando duro para equilibrar equidade e justiça e é importante que haja uma política”, disse a chefe de esportes da WSL, Jessi Miley-Dyer, ao The Inertia.

LEIA TAMBÉM: Surfista transgênero ganha campeonato de longboard na Austrália

“Reconhecemos que a política pode precisar evoluir com o tempo, à medida que recebemos feedback e vemos novas pesquisas de campo.”

A pressão para desenvolver uma política para o surf foi intensificada quando a surfista transgênero Sasha Jane Lowerson venceu as divisões feminina aberta e do Western Australian Longboard State Titles, em maio de 2022, consagrando-se a primeira atleta abertamente transgênero a vencer uma competição de surf.

De acordo com Miley-Dyer, a liderança da WSL, incluindo ela mesma, e o Diretor Médico da WSL, Dr. Allan MacKillop, tomaram a decisão em conjunto sobre a política.

No que diz respeito à forma como a WSL confirmará se um atleta atendeu aos requisitos de elegibilidade, a responsabilidade do teste será de cada atleta.

“Os atletas organizarão seus próprios testes e, em seguida, irão ao nosso diretor médico para ter uma conversa confidencial e mostrar a documentação médica”.

Miley-Dyer reconheceu que as políticas já criadas por outros esportes olímpicos foram avaliadas na hora de decidir qual abordagem seria ideal para o surf.

O limite de testosterona estabelecido pela WSL e ISA é paralelo às políticas criadas pela World Rowing e pela Federação Internacional de Tênis.

Embora muitos esportes olímpicos ainda não tenham nenhuma política oficial, as regras para o surf podem ser consideradas entre as menos rígidas lançadas até agora.

Por exemplo, o World Triathlon e a International Cycling Union exigem que os atletas transexuais testem abaixo de 2,5 nmol/L por 24 meses para serem elegíveis.

A World Athletics está propondo usar a mesma abordagem.

A Federação Internacional de Natação e o World Rugby implementaram políticas que basicamente proíbem mulheres trans de competir em uma divisão feminina.

Para contextualizar os níveis de testosterona, os níveis médios variam entre 10 e 35 nmol/L em homens e 0,5 e 2,4 nmol/L em mulheres, de acordo com o Mount Sinai Hospital.

Agora que a WSL e a ISA se alinharam em uma política transgênero que abrange todos os eventos de qualificação olímpica, pode-se imaginar que a mesma política também será estendida à própria competição olímpica de surf.

No entanto, nenhum anúncio oficial foi feito e Miley-Dyer observou que, em última análise, esta decisão pertence ao ISA.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias