26 C
Papeete
domingo, 19 maio, 2024
26 C
Papeete
domingo, 19 maio, 2024

Bethany Hamilton critica a nova política transgênero da WSL

Na semana passada a World Surf League (WSL) anunciou que adotará a política transgênero da International Surfing Association (ISA) em todos os seus circuitos.

Esta nova política, de efeito imediato, determina que mulheres transgênero mantenham um nível de testosterona inferior a 5 nmol/L (nanomoles por litro) continuamente nos 12 meses anteriores para serem elegíveis para competir em um evento feminino.

A decisão acompanha as mudanças de regra do COI – Comitê Olímpico Internacional – para pessoas transgênero, anunciadas no final de 2021.

Pela nova regra do COI, os níveis de testosterona deixam de ser pré-requisito para atletas trans nas Olimpíadas.

LEIA TAMBÉM: WSL divulga política para atletas transgênero

No momento, a comunidade científica debate se os hormônios andrógenos, como a testosterona, são parâmetros úteis para se medir a vantagem atlética.

As novas diretrizes também se aplicam a atletas com distúrbios de diferenciação sexual (DDS), como a corredora de 800 metros sul-africana Caster Semenya, cujos níveis de testosterona foram registrados como altos demais para competir como mulher em alguns eventos.

No caso da WSL e ISA, a nova regra, em tese, passa a valer já nas eliminatórias para o surf nos Jogos Olímpicos de Paris 2024.

No domingo (05), a surfista profissional havaiana Bethany Hamilton usou sua conta de 2,1 milhões de seguidores no Instagram para questionar a decisão da WSL.

LEIA TAMBÉM: Surfista transgênero ganha campeonato de longboard na Austrália

Considerada uma celebridade mundial do esporte, por sua incrível história de superação ao construir uma bem sucedida carreira como surfistas profissional após perder o braço, ainda criança, devido a um ataque de tubarão, Bethany é autora de diversos livros e teve sua história de vida retratada no cinema em “Soul Surfer”. Ela também mantém uma fundação, a “Friends of Bethany”, que apoia sobreviventes de ataques de tubarão, amputados traumáticos e viaja a várias partes do mundo ministrando palestras de forma voluntária para a igreja pentecostal da qual faz parte.

Em sua postagem, Bethany disse “amar por toda as pessoas e humanos independentemente de quaisquer diferenças“, mas estava “bastante preocupada” com a decisão da WSL e como isso afetará os rumos do surf profissional feminino.

Ela ainda disse que muitas surfistas estariam descontentes com a situação, mas optaram por não se pronunciar temendo represálias da WSL.

Sem comentar sobre as discussões acadêmicas acerca do assunto, Bethany questiona se os níveis hormonais seriam uma representação honesta e precisa para definir se alguém realmente é homem ou mulher, e também questiona se o prazo de 12 meses de testes, estabelecido pela WSL, seria suficiente para a tomada de decisão. A havaiana disse que nenhuma das 17 competidoras do CT foi ouvida sobre a decisão.

Até o momento em que essa matéria vai ao ar, a postagem tem mais de 15 mil comentários (a maioria defendendo o ponto de vista de Bethany).

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias