Ex-Top CT Raoni Monteiro critica CBSurf pela formato proposto para o novo Circuito Nacional e chama atenção das estrelas da WSL.

Por Adriano Vasconcellos – Diretor de Redação HARDCORE

O O ex-Top WSL Raoni Monteiro, um dos mais representativos surfistas do Brasil, deu início a um manifesto público contra a Confederação Brasileira de Surfe, que propôs um polêmico formato de competição para criação de um novo Circuito Brasileiro.

Veja: Raoni Monteiro dá bronca em Gabriel Medina e Ítalo Ferreira

Em posts seguidos em sua conta no Instagram, Ex-Top CT Raoni Monteiro critica CBSurf de forma duríssima. Sendo que, na primeira publicação, intitulada como “A realidade do surf brasileiro”, Raoni pede a saída do presidente da entidade, Adalvo Argolo, há mais 10 anos no poder.

“O que a CBSurf está fazendo é ilegal. Eu quero pedir a união e a força de todos os atletas que competem o Circuito Brasileiro, a todo surfista profissional do Brasil que depende disso pra viver, para tirar essa galera do poder da CBSurf, para acabar com esses caras, para nunca mais viverem do surf. Fora! Aqui é surf, porra!” – protestou Raoni Monteiro.

REVIRAVOLTAS POLÍTICAS E O SURF BRASILEIRO NO LIMBO

As reclamações dos surfistas profissionais contra a CBSurf não são de agora, pois nos últimos anos a entidade não conseguiu nem organizar um circuito razoável. Em 2018, Adalvo Argolo chegou a ser afastado do cargo por uma ação na justiça, e o repasse de verbas do COB – Comite Olímpico Brasileiro – foi bloqueado.

Em uma nova manobra, Adalvo retomou o posto também na mesa do Tribunal e o repasse governamental foi regularizado.

Entretanto, como resultado, dentre outros desmandos, a CBS protagonizou um verdadeiro vexame por incompetência ao em cima da hora, declinar via whatsapp a representação da equipe brasileira no ISA Games do Japão em 2018, quando os atletas estavam de malas prontas para ir ao aeroporto. Detalhe, o evento garantia vagas para o Pan-Americano de Lima, realizado em 2019.

Veja também: Adalvo Argolo reassume CBSurf e promete: “Não quero me perpetuar na presidência”

FARINHA DO MESMO SACO?

Na época, aconteceram reuniões fechadas entre representantes das federações estaduais e outros manda-chuvas do surf brasileiro para derrubada de Adalvo. E mesmo com muito bate-boca e troca de acusações, nada foi resolvido para melhora do surf brasileiro.

Na ocasião, muitas das federações estavam irregulares com os tributos e, como resultado, tiveram que recuar para manter benefícios pessoais.

Mas o caso se agravou com a entrada oficial do surf na Olimpíada de Tóquio, e por isso os eventos da ISA – Internacional Surfing Association, até então esvaziados, começaram a ganhar os holofotes da grande mídia.

Tóquio 2020 deu força à ISA, e consequentemente à CBS, que indiretamente obrigou os principais atletas do surf brasileiro a se apresentar nos eventos da ISA, chamados como “testes para Olimpíada”.

Saiba mais: Vergonha, Escândalo, Desrespeito! O que dizem os surfistas sobre a CBSurf

Nomes como Gabriel Medina, Ítalo Ferreira e Filipe Toledo, juntos das atletas Silvana Lima e Tatiana Weston-Webb, cruzaram o mundo mesmo em período próximos das etapas da WSL para participar dos eventos da ISA, e consequentemente a imagem desses atletas forma explorados pela CBS.

Filipe Toledo chegou a agravar uma contusão nas costas em um evento no Japão, antes da última perna de eventos do Circuito Mundial, que muito provavelmente atrapalhou sua performance no sprint final da WSL em 2019.

Veja: Toledo comenta sobre lesão no ISA Games: “Espero que seja só um susto”

“EXIJO RESPEITO COM A MINHA PROFISSÃO”

Tudo aconteceu por uma ação unilateral da CBS, que cortou atletas com a justificativa de privilegiar os surfistas que correram o Circuito de 2019, reduzindo a capacidade mais de 60% no número de atletas, privilegiando os 22 primeiros do ranking da CBS que correram as apenas 3 etapas realizadas em 2019.

O restante das vagas foram distribuídas em forma de convites para ex-atletas do CT e convidados de ocasião, somando um total de 48 atletas. A reclamação de Raoni também é referente às cobranças abusivas no valor das inscrições nas etapas por parte dos competidores.

“Vamos ajudar a tirar essa galera que não tá nem aí pra nós atletas, que vivemos disso! Vamos honrar nosso trabalho! Eu ando pelo certo!” escreveu Raoni e prosseguiu.

“Sou surfista profissional há mais de 20 anos, vivo e sempre vivi disso e exijo respeito com a minha profissão e a dos meus colegas de trabalho. Surf é vida, é a minha vida! #NovaCBSjá”