Publicidade:


Publicidade:

Michaela Fregonese desbrava a onda de Alavanche (ES)

O forte swell que gerou ondas enormes em toda costa Sul e Sudeste de o Brasil ainda tem gerado muita repercussão e histórias para contar.

Uma delas, diz respeito ao pioneirismo. A paranaense Michaela Fregonese foi conferir de perto as ondas de Alavanche (ES) a acabou por se tornar a primeira surfista a desafiar a imponente onda capixaba.

Michaela teve o apoio de alguns pioneiros da onda capixaba, os bodyboarders Bernardo Nasser e André Majevski, na conquista de seu feito.

Paranaense radicada no Rio de Janeiro, Fregonese começou a surfar aos 12 anos de bodyboard, quando descia para o litoral do Paraná aos finais de semana.

+ Surf nas Olimpíadas: entenda o formato da competição

Apesar das quedas esporádicas, a surfista sempre foi muito ligada a água, treinando natação desde cedo, o que lhe dava uma confiança extra no mar.

O surf de prancha começou aos quinze anos e mais tarde Michele se mudou para Florianópolis (SC) para cursar faculdade e também ficar mais perto do mar.

michela-fregonese
Michela entuba em uma onda estimada em 45 pés, em Jaws, Havaí. Foto: Si Crowther / Red Bull Content

Na “Ilha da Magia” ele começou a se aventurar nas competições e também a experimentar ondas maiores na Joaquina.

Era o início de uma paixão por ondas grandes e tubulares que levaria a surfista a morar no Havaí na Indonésia. Foram quase cinco anos vivendo entre esses dois países.

+ Surfista cego, bicampeão mundial, dá show em piscina de ondas

De volta ao Brasil, no ano de 2017, Michaela passou sua primeira temporada em Puerto Escondido onde definitivamente entrou no radar do Big Surf mundial por conta de sua coragem nas pesadas ondas mexicanas.

Em 2020, ela foi indicada ao Big Wave Awards, espécie de Oscar das ondas grandes, por surfar um tudo em uma onda de Jaws, na ilha havaiana de Maui, estimada em 45 pés.

Nesse mesmo ano, ela recebeu o prêmio de “Melhor onda surfada no Brasil em 2020”, oferecido pela Extreme Boardrides, por uma onda enorme surfada em Laguna (SC).

Com o prêmio, ganhou uma passagem Nazaré, em Portugal, onde mais uma vez foi um dos destaques do surf feminino.

Avalanche, portanto, teve uma “madrinha” perfeita para desbravar o surf feminino de ondas grandes por lá.

 

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias

Abertura do Rottnest Search 2021...

Depois de três eventos repletos de ação na Austrália, os melhores surfistas do mundo...

Ressaca em Copacabana! Onda rara...

A melhor época de ondas do Rio de Janeiro chegou com força e no...

Baleia Jubarte de 30 T...

As baleias Jubarte estão entre as maiores baleias que existem chegando aos 15 metros...

“Impossível organizar Jogos Olímpicos seguros,”...

Em uma mensagem ao governo, um sindicato de médicos do Japão diz que nesse...