Nh8Ev19V660

Gabriel Medina estreia com vitória, australianos vencem disputa por equipes e a festa continua nos ISA Games 2019 em Miyazaki, Japão

Por Fernando Guimarães

Os ISA Games já são um dos fenômenos mais curiosos de 2019. E dificilmente alguma coisa vai superar. Historicamente relegada ao segundo, talvez até terceiro ou quarto plano pelo protagonismo da ASP, antigamente, e hoje WSL, a ISA vive seu grande momento de glória.

A participação do surfe nos Jogos Olímpicos foi costurada por seu eterno presidente, o argentino Fernando Aguerre. Que tornou obrigatória a participação em seu próprio mundial de surf, tradicionalmente preterido, para quem quiser surfar em Tóquio 2020.

Assim, conseguiu reunir Kelly Slater, Gabriel Medina, Jordy Smith, Julian Wilson, Filipe Toledo, Italo Ferreira, Owen Wright… A lista dos grandes nomes do CT que estão competindo em Miyazaki ainda vai longe.

O que deixa tudo mais curioso são os rivais desconhecidos que estão dividindo o pico com os melhores do mundo. A Holanda, por exemplo, um país que jamais figurou um atleta num evento de calibre mínimo da WSL ou ASP, classificou seus três guerreiros: Tom Boelsma, Pepijn Tigges e Kasper Hamminga.

O grego Perry Siganos e o suíço Swenn Zaugg também avançaram, e disputam uma bateria de nível internacional na segunda rodada contra Michel Bourez e Aritz Aranburu. O tipo de bateria que Italo Ferreira venceu surfando por 9 minutos, com uma bermuda jeans e usando prancha emprestada de Filipe Toledo.

Gabriel Medina, que estreou apenas nesta madrugada, passou pelo mexicano Jhony Corzo, pelo argentino Martín Passeri e pelo representante de Guam, Cheyne Purcell — os três, na verdade, com alguma experiência em competições internacionais.

Rússia nos ISA Games

Apesar da torcida, o russo Nikita Avdeev foi para a repescagem (divulgação)

O mais alentador de tudo é saber que o sistema de disputa garante que todos os atletas disputem pelo menos uma repescagem após perder sua primeira bateria. Ou seja, se você ficou triste porque não viu as trincas de representantes da Rússia, China, Arábia Saudita, Turquia e Noruega, fique tranquilo, pois vai ter mais uma chance nesta noite.

Diferente de você que perdeu a Aloha Cup. Essa já foi mesmo. É a disputa tipo tag-team, por equipes compostas por quatro surfistas (dois homens, duas mulheres), que envolve pegar ondas num menor limite de tempo — incluindo aqueles segundo perdidos no revezamento fora da água, talvez? Nós não entendemos, mas isso deve explicar o pique de Kelly Slater, que não gosta de perder nem pedra-papel-ou-tesoura, em plenos 47 anos, devidamente registrado por seu brother Ross Williams (está nos stories do Instagram, aqui, até as dez da noite, mais ou menos).

A disputa dos ISA Games vai até o dia 15 de setembro. A próxima etapa do Circuito Mundial começa quatro dias depois, 19, em Lemoore, Califórnia, do outro lado do Pacífico — e umas centenas de quilômetros continente adentro.

Veja também:
Promessa da nova geração, Eduardo Motta explora a Califórnia – vídeo