Publicidade:

LayBack Pro: Nova geração do surf brasileiro chega na frente

A nova geração do surf brasileiro fez a festa no pódio do Billabong apresenta LayBack Pro, na Praia Mole lotada no domingo em Florianópolis. A catarinense Laura Raupp, de apenas 15 anos de idade, derrotou a peruana Melanie Giunta, 24, na final da etapa do WSL Qualifying Series com status QS 1000. Depois, o paulista Eduardo Motta, 19 anos, superou o cearense que há muitos anos mora na Ilha de Santa Catarina, Michael Rodrigues, 27, na decisão do QS 3000. O evento que marcou o retorno da Praia Mole ao Circuito Mundial da World Surf League, depois de 11 anos, e de Florianópolis após 6 anos, foi um sucesso de público e de ondas.

A final feminina foi a primeira decisão de título do Billabong apresenta LayBack Pro a entrar no mar pesado do domingo, com ondas sólidas de 6 pés e muita correnteza na Praia Mole. As condições estavam tão desafiadoras, que foi utilizado os jet-skies para levar os competidores até o outside, transpondo a área de arrebentação. E a duração das finais foi aumentada, de 30 para 35 minutos, computando-se as duas maiores notas.

Laura Raupp foi nas primeiras ondas, que fecharam rápido. A peruana Melanie Giunta, que tinha vencido a última etapa do WSL Qualifying Series em Santa Catarina, em 2018 na Ilha de São Francisco do Sul, também falhou na primeiras que pegou. Depois, Laura achou uma esquerda que rendeu uma boa batida de frontside, para largar na frente com nota 4,17.

Veja também:

+ Julian Wilson reaparece surfando de biquilha

+ Lee-Ann Curren lança ‘Cadavre Exquis’

+ WSL volta atrás e descarta sistema de “dupla classificação”

Logo, entrou numa esquerda que abriu a parede para atacar forte, com duas manobras de backside que valeram 5,50. Laura entrou no ritmo das séries e surfou outra esquerda, que armou a junção para levantar um grande leque de água com uma rasgada muito forte, trocando o 4,17 por 5,43. Melanie, enfim consegue mostrar o surfe que a levou até a grande final, numa direita que rendeu uma batida e uma rasgada de backside. Os juízes deram nota 4,57 para a peruana, que ficou precisando de 6,36 pontos para vencer.

Laura Raupp. Foto: Marcio David / WSL

O tempo foi passando e, nos minutos finais, ambas surfaram boas direitas que decidiram o título. Melanie começou com uma batida, seguida por uma rasgada e mais uma na junção para finalizar. A catarinense responde com duas manobras muito potentes de frontside e fica a expectativa pelas notas dos juízes. A da peruana saiu 6,17, mas Laura Raupp ainda trocou 5,43 para 5,70, para confirmar a vitória por 11,20 a 10,74 pontos.

FEITO IGUALADO – Laura Raupp igualou um feito histórico, registrado 12 anos atrás na mesma Praia Mole de Florianópolis. Em 2009, o hoje tricampeão mundial Gabriel Medina, se tornou o surfista mais jovem a vencer um evento da World Surf League, com apenas 15 anos. É a mesma idade da catarinense, que neste domingo conquistou a primeira vitória da sua carreira no WSL Qualifying Series, que foi iniciada no Billabong apresenta LayBack Pro.

Para chegar na grande final, Laura Raupp derrotou outra peruana, que também estreava em etapas do QS em Florianópolis, Arena Rodriguez Vargas. Já a vice-campeã, Melanie Giunta, ganhou o outro confronto Brasil x Peru com a favorita ao título, Summer Macedo. Isso porque a brasileira já participa do WSL Challenger Series e tinha sido vice-campeã das outras duas etapas da WSL Latin America realizadas esse ano, ambas no mês de junho no Equador.

CAMPEÃO DO QS 3000 – Na decisão do título do QS 3000, o surfista mais jovem também derrotou o mais experiente. O paulista Eduardo Motta já havia surpreendido nas semifinais, quando passou pelo cabeça-de-chave número 1 do Billabong apresenta LayBack Pro, o top do CT 2021, Yago Dora. Na grande final, enfrentou o melhor surfista de toda a semana na Praia Mole, Michael Rodrigues, que vinha batendo seus próprios recordes a cada dia.

Eduardo Motta. Foto: Marcio David / WSL

Mottinha já tinha começado bem o último dia, vencendo uma batalha de tubos com o experiente Raoni Monteiro na abertura das quartas de final. Já o cearense, que há quase 10 anos mora em Florianópolis, passou um sufoco no seu primeiro duelo do domingo, contra o paraibano José Francisco, outro nordestino que escolheu a capital catarinense para morar e sempre treina na Praia Mole, como ele. Fininho, como é mais conhecido, estava vencendo até os últimos minutos, quando Michael conseguiu a virada em duas ondas seguidas.

Depois, ele passou pelo catarinense Willian Cardoso nas semifinais, mas Eduardo Motta começou forte na bateria decisiva. Era a primeira final dele em etapas do QS e já mandou um reentry incrível numa junção cavernosa da sua primeira onda. A manobra foi tão arriscada que os juízes deram nota 6,67 para ele, a maior de toda a bateria. Michael chegou a passar à frente com notas 5,00 e 5,50, enquanto Eduardo falhava nas outras ondas que pegava. Só na última, a parede abriu para ele mostrar seu surfe de novo e receber 5,07, para festejar o título do Billabong apresenta LayBack Pro por 11,74 a 10,50 pontos.

RANKINGS REGIONAIS – O Billabong apresenta LayBack Pro abriu os rankings regionais de 2021/2022 da WSL Latin America, que classifica os surfistas da América do Sul para disputar as etapas do WSL Challenger Series, o novo campo de batalha por vagas na elite do World Surf League Championship Tour. O paulista Eduardo Motta largou na frente com os 3.000 pontos da vitória em Florianópolis, assim como a catarinense Laura Raupp com os 1.000 pontos do título na Praia Mole. Os vice-campeões, Michael Rodrigues e Melanie Giunta, receberam 2.400 e 800 pontos, respectivamente.

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO BILLABONG apresenta LAYBACK PRO:

DECISÃO DO TÍTULO DO QS 3000 MASCULINO:
Campeão: Eduardo Motta (BRA) por 11,74 pontos (6,67+5,07) – 3.000 pontos no ranking
Vice-campeão: Michael Rodrigues (BRA) com 10,50 pontos (5,50+5,00) – 2.400 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 1.950 pontos:
1.a: Eduardo Motta (BRA) 13,60 x 13,44 Yago Dora (BRA)
2.a: Michael Rodrigues (BRA) 10,50 x 8,93 Willian Cardoso (BRA)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com 1.500 pontos:
1.a: Eduardo Motta (BRA) 12,03 x 11,50 Raoni Monteiro (BRA)
2.a: Yago Dora (BRA) 13,67 x 6,90 Robson Santos (BRA)
3.a: Willian Cardoso (BRA) 11,27 x 8,67 Samuel Pupo (BRA)
4.a: Michael Rodrigues (BRA) 9,90 x 9,34 José Francisco (BRA)

DECISÃO DO TÍTULO DO QS 1000 FEMININO:
Campeã: Laura Raupp (BRA) por 11,20 pontos (5,70+5,50) – 1.000 pontos no ranking
Vice-campeã: Melanie Giunta (PER) com 10,74 pontos (6,17+4,57) – 800 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 650 pontos:
1.a: Laura Raupp (BRA) 10,00 x 8,83 Arena Rodriguez Vargas (PER)
2.a: Melanie Giunta (PER) 13,00 x 12,06 Summer Macedo (BRA)

TOP-10 DO RANKING REGIONAL DA WSL LATIN AMERICA:
01: Eduardo Motta (BRA) – 3.000 pontos
02: Michael Rodrigues (BRA) – 2.400
03: Yago Dora (BRA) – 1.950
03: Willian Cardoso (BRA) – 1.950
05: Samuel Pupo (BRA) – 1.500
05: Robson Santos (BRA) – 1.500
05: Raoni Monteiro (BRA) – 1.500
05: José Francisco (BRA) – 1.500
09: Alex Ribeiro (BRA) – 1.050
09: Victor Bernardo (BRA) – 1.050
09: Renan Pulga (BRA) – 1.050
09: Wesley Leite (BRA) – 1.050

TOP-10 DO RANKING REGIONAL DA WSL LATIN AMERICA
01: Laura Raupp (BRA) – 1.000 pontos
02: Melanie Giunta (PER) – 800
03: Summer Macedo (BRA) – 650
03: Arena Rodriguez Vargas (PER) – 650
05: Daniella Rosas (PER) – 500
05: Sol Aguirre (PER) – 500
05: Sophia Medina (BRA) – 500
05: Isabelle Nalu (BRA) – 500
09: Dominic Barona (ECU) – 350
09: Karol Ribeiro (BRA) – 350
09: Tainá Hinckel (BRA) – 350
09: Monik Santos (BRA) – 350

* Por João Carvalho 

 

 

 

 

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias