Publicidade:

Italo Ferreira e Samuel Pupo estreiam com vitórias no Pro Portugal

O atual bicampeão da etapa portuguesa do CT (Championship Tour), Italo Ferreira, fechou o primeiro dia do Pro Portugal com os recordes da quinta-feira, uma nota 8,50 e 16,17 pontos somados. Samuel Pupo já havia estreado com vitória nos Supertubos, mandando Kelly Slater para a repescagem. E Jadson André e Tatiana Weston-Webb também passaram direto para a terceira fase, mas em segundo lugar nas suas baterias.

Veja também:

+ Como voltar ao rip após os exageros do carnaval

+ Hossegor clássico, grande e pesado enquanto Nazaré estava gigante

+ Casa desaba na praia de Rocky Point no North Shore

A primeira fase masculina pode continuar nesta sexta-feira, a partir das 7h30 em Portugal, 4h30 da madrugada no Brasil. A transmissão ao vivo acontece pelo Globoplay e pelo WorldSurfLeague.com.

A melhor apresentação do dia aconteceu na bateria com participação dupla do Brasil. Jadson André já arriscou um aéreo na primeira onda, mas caiu na aterrissagem e sua prancha partiu ao meio. Enquanto ele saia do mar para pegar outra, Italo Ferreira iniciou o seu show de aéreos, completando um full rotation muito alto que arrancou nota 8,50 dos juízes, a maior do dia. Ele seguiu surfando as esquerdas, enquanto o português Vasco Ribeiro pegava as direitas.

Italo continuou voando a cada onda, até somar uma nota 7,67 para se tornar o recordista absoluto do dia com 16,17 pontos. Depois, o campeão olímpico começou a surfar um tubo atrás do outro e o melhor valeu nota 7,00, que foi descartada. Faltando 10 minutos, Jadson encontra uma boa onda para combinar uma manobra e um aéreo rodando na finalização. Com a nota 5,67 recebida, tirou o segundo lugar do português, completando uma dobradinha potiguar com Italo Ferreira.

“Estou muito feliz em estar de volta a Portugal. Tenho ótimas memórias daqui e vinha treinando bastante nos últimos dias”, disse Italo Ferreira, recordista em finais no CT de Portugal em Supertubos, sendo vice-campeão na final brasileira com Filipe Toledo em 2015 e bicampeão em 2018 e 2019. “A bateria foi bem divertida, porque peguei várias ondas e consegui mostrar o meu surfe. É isso o que eu gosto de fazer, surfar e me divertir. Gosto de lugares assim, onde você consegue surfar, sem precisar ficar esperando pelas ondas e tendo que marcar seus adversários”.

DIA INTERNACIONAL DA MULHER – A World Surf League está promovendo no Pro Portugal, uma homenagem especial para celebrar o Dia Internacional da Mulher, que será comemorado em 8 de março. Todos os surfistas estão competindo com suas lycras tendo o nome de uma mulher que serviu de inspiração para eles no esporte. Italo Ferreira escolheu Ana Marcela Cunha, a baiana campeã olímpica na maratona aquática nos Jogos de Tóquio 2020 no Japão.

Italo Ferreira com o nome da campeã olímpica Ana Marcela na sua lycra (Crédito: ©WSL / Damien Poullenot)

Já o jovem estreante na seleção brasileira deste ano, Samuel Pupo, escolheu homenagear a Naomi Osaka, primeira japonesa a vencer um Grand Slam no Tênis.

PRIMEIRA CONTRA SLATER – Samuel Pupo referiu-se ao seu desempenho na primeira vitória brasileira no Pro Portugal. Ele estava enfrentando pela primeira vez o maior ídolo do esporte, Kelly Slater, mas já começou bem, manobrando forte numa direita para largar na frente com nota 6,50. Depois, mostrou o caminho das rampas para voar nas esquerdas de Supertubos, completando o primeiro aéreo do dia, um full rotation perfeito com grande amplitude. A nota 8,10 recebida, confirmou a vitória por 14,60 pontos.

Outro novato na elite, Imaikalani Devault, também usou os aéreos nas esquerdas para garantir a segunda vaga direta para a terceira fase. O havaiano somou notas 7,33 e 6,40, para superar Kelly Slater por 13,73 a 9,90 pontos. O atual número 5 do mundo, que já venceu a etapa portuguesa do CT em Peniche em 2010, saiu aborrecido do mar, mas terá uma segunda chance de classificação para a terceira fase na repescagem.

“Foi demais a bateria e estou feliz por ter vencido, especialmente por ter sido contra o Kelly (Slater)”, disse Samuel Pupo. “Eu comecei com duas notas boas e consegui ficar na frente até o final. Mas, tive que mudar de prancha por um problema no meu equipamento. Na real, foi um dia meio estranho para mim. Fui fazer um free surf hoje de manhã e me senti fora de sintonia com o mar. Mas, fiz alguns ajustes e consegui colocar em prática na bateria”.

O Pro Portugal começou pela categoria feminina, mas as baterias só foram iniciadas ao meio-dia em Portugal, quando o mar ficou melhor. Mesmo assim, as condições estavam difíceis para competir nas ondas mexidas de 4-6 pés em Supertubos. Depois da primeira fase e da repescagem das mulheres, foram realizadas as quatro primeiras baterias masculinas para fechar o primeiro dia.

Lycras com nomes de mulheres que inspiraram os competidores (Crédito: ©WSL / Thiago Diz)

MULHERES HOMENAGEADAS – O peruano Lucca Mesinas também competiu na quinta-feira, só que ficou em último na bateria que classificou o australiano Owen Wright e o vice-líder do ranking, Seth Moniz, do Havaí. Lucca terá que disputar a repescagem em Portugal e homenageou a sua compatriota Sofia Mulanovich, que trouxe o primeiro título mundial da WSL para a América do Sul. O potiguar Jadson André escolheu a também surfista Jessi Miley-Dyer, que hoje é vice-presidente de Circuitos e Competições da WSL.

Mais cinco brasileiros ainda vão estrear no Pro Portugal. O vice-campeão mundial Filipe Toledo está na bateria que vai abrir a sexta-feira em Supertubos e entrará no mar homenageando a brasileira Maria Esther Bueno. Miguel Pupo também escolheu a tenista campeã de Wimbledon, enquanto os outros preferiram surfistas. A lycra do atual top-4 do ranking, Caio Ibelli, tem o nome da australiana campeã mundial de 2005, Chelsea Hedges. A do João Chianca, o da guerreira brasileira Silvana Lima. E a do Deivid Silva, o nome da Malu Mendes, filha do técnico de surfe, Paulo Kid, que foi campeã mundial de Surf Adaptado em 2020.

Tatiana Weston-Webb avançou direto para as oitavas de final (Crédito: ©WSL / Damien Poullenot)

ÚNICA BRASILEIRA – Já a única brasileira da elite mundial, Tatiana Weston-Webb, competiu na quinta-feira usando a lycra com o nome da Michelle Kwan, bicampeã olímpica e pentacampeã mundial de patinação artística. Tatiana enfrentou duas novatas no CT 2022 na quarta bateria do dia e viu Molly Picklum fazer as marcas a serem batidas no campeonato. A australiana surfou forte e venceu somando 15,50 pontos, com notas 7,17 e 8,33 em duas ondas seguidas.

Mas, Tatiana conseguiu a classificação na última onda que surfou e valeu nota 5,17, superando Gabriela Bryan por 10,10 a 9,10 pontos. A havaiana depois venceu sua bateria pela repescagem e avançou para enfrentar a bicampeã mundial Tyler Wright nas oitavas de final. Esse confronto será antes do da Tatiana Weston-Webb, que vai disputar a sétima e penúltima vaga para as quartas de final com outra estreante na elite, a havaiana filha de pai e mãe brasileiros, Luana Coelho Silva.

Molly Picklum fez as marcas a serem batidas contra Tatiana Weston-Webb (Crédito: ©WSL / Damien Poullenot)

PRIMEIRA FASE DO MEO PRO PORTUGAL
1.a: 1-Courtney Conlogue (EUA)=13.46, 2-Johanne Defay (FRA)=12.20, 3-Bettylou Sakura Johnson (HAV)=10.37
2.a: 1-Isabella Nichols (AUS)=12.50, 2-Brisa Hennessy (CRI)=10.47, 3-Bronte Macaulay (AUS)=7.03
3.a: 1-Carissa Moore (HAV)=14.00, 2-Stephanie Gilmore (AUS)=12.20, 3-Tia Blanco (EUA)=7.27
4.a: 1-Molly Picklum (AUS)=15.50, 2-Tatiana Weston-Webb (BRA)=10.10, 3-Gabriela Bryan (HAV)=9.10
5.a: 1-Luana Silva (HAV)=11.83, 2-Malia Manuel (HAV)=9.73, 3-Tyler Wright (AUS)=9.50
6.a: 1-Sally Fitzgibbons (AUS)=15.56, 2-Lakey Peterson (EUA)=13.13, 3-India Robinson (AUS)=7.60

SEGUNDA FASE – 3.a=17.o lugar com US$ 10.000 e 1.045 pontos
1.a: 1-Tyler Wright (AUS)=11.16, 2-India Robinson (AUS)=10.00, 3-Tia Blanco (EUA)=5.27
2.a: 1-Gabriela Bryan (HAV)=12.33, 2-Bronte Macaulay (AUS)=11.07, 3-Bettylou Sakura Johnson (HAV)=9.56

PRIMEIRA FASE DO MEO PRO PORTUGAL
——baterias que fecharam a quinta-feira:
1.a: 1-Jackson Baker (AUS)=11.70, 2-Jordy Smith (AFR)=11.10, 3-Jake Marshall (EUA)=6.00
2.a: 1-Samuel Pupo (BRA)=14.60, 2-Imaikalani Devault (HAV)=13.73, 3-Kelly Slater (EUA)=9.90
3.a: 1-Owen Wright (AUS)=12.36, 2-Seth Moniz (HAV)=9.66, 3-Lucca Mesinas (PER)=9.43
4.a: 1-Italo Ferreira (BRA)=16,17, 2-Jadson André (BRA)=9,47, 3-Vasco Ribeiro (PRT)=9,17

——ficaram para abrir a sexta-feira:
5.a: Filipe Toledo (BRA), Connor O´Leary (AUS), Justin Becret (FRA)
6.a: Kanoa Igarashi (JPN), Callum Robson (AUS), Afonso Antunes (PRT)
7.a: Conner Coffin (EUA), Frederico Morais (PRT), Caio Ibelli (BRA)
8.a: John John Florence (HAV), Ezekiel Lau (HAV), Matthew McGillivray (AFR)
9.a: Ethan Ewing (AUS), Deivid Silva (BRA), Barron Mamiya (HAV)
10: Jack Robinson (AUS), Leonardo Fioravanti (ITA), João Chianca (BRA)
11: Morgan Cibilic (AUS), Miguel Pupo (BRA), Ryan Callinan (AUS)
12: Griffin Colapinto (EUA), Kolohe Andino (EUA), Nat Young (EUA)

OITAVAS DE FINAL – 9.o lugar com US$ 13.000 e 2.610 pontos
1.a: Johanne Defay (FRA) x Molly Picklum (AUS)
2.a: Sally Fitzgibbons (AUS) x Stephanie Gilmore (AUS)
3.a: Brisa Hennessy (CRI) x Courtney Conlogue (EUA)
4.a: Lakey Peterson (EUA) x Isabella Nichols (AUS)
5.a: Carissa Moore (HAV) x Bronte Macaulay (AUS)
6.a: Tyler Wright (AUS) x Gabriela Bryan (HAV)
7.a: Tatiana Weston-Webb (BRA) x Luana Silva (HAV)
8.a: Malia Manuel (HAV) x India Robinson (AUS).

COVID-19 – A saúde e segurança dos atletas, staff e da comunidade local, são de extrema importância para a World Surf League, que trabalha em estreita colaboração com as autoridades de saúde locais, para implementar um robusto protocolo de segurança para todos, em relação ao Covid-19. Os procedimentos incluem triagem pré-evento em conformidade com as diretrizes estaduais e locais, que recomenda o uso de máscara em toda a arena do evento.

Por João Carvalho

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias