Publicidade:

Dezenas de raias e tubarões são encontrados mortos no litoral de São Paulo

Dezenas de raias e tubarões martelo foram encontrados mortos na praia de Tanigwá, em Peruíbe, litoral sul de São Paulo, na última manhã de quinta-feira (23).

Veja também:

Foco na essência do surf com os melhores swells de 2021

Bodyboarder morre após suposto ataque de tubarão na Califórnia

5 dicas para você se recuperar de lesões e voltar mais forte

O cacique da aldeia Tapirema, Awa Tenondegua, disse que os índios acordaram sentindo um “cheiro forte”. Ele explicou que é costume enviar um guerreiro para dar uma olhada na praia pela manhã. Assim, quando o membro da aldeia foi ao local, se deparou com os animais mortos. “Muito triste“, desabafa. Os indígenas chamaram autoridades para removê-los de lá.

Biólogos do Instituto Biopesca detectaram que eram 55 raias, algumas sem o ferrão, três tubarões martelo e uma móbula. Ao recolherem os animais, os profissionais detectaram marcas de rede de pesca e todas eles foram encaminhadas para análise. Um relatório técnico deve ser elaborado pela equipe de biólogos nos próximos dias.

“Muito provavelmente estes animais foram capturados por redes de pesca de arrasto, que têm como espécie alvo o camarão”, comenta Rodrigo Valle, coordenador geral do Instituto Biopesca.

Com a chegada da alta temporada, no verão, acontece um grande aumento de turistas às praias e os esforços de pesca aumentam para suprir a demanda de consumo.

A pesca de arrasto é autorizada, mas desde que seja executada como técnica artesanal, ou seja, desde que as redes não sejam movidas por motores, por exemplo. Esse tipo de pesca consiste na amarração das redes aos barcos por cordas ou correntes, permitindo que alcancem o mar e sejam arrastadas.

Dessa forma, muitos animais que não são o alvo da pesca, como raias, tubarões e tartarugas acabam presos e são descartados.

No caso das raias, Rodrigo pontua que elas podem ser comercializadas e, por isso, o ferrão de várias delas teriam sido cortados.

Em nota, o instituto diz que a maior parte das raias é da espécie Rhinoptera bonasus, que é conhecida como raia ticonha. O Biopesca ainda pontua que as marcas sugeriam que os cortes tenham sido feitos com algum tipo de lâmina.

Confira o vídeo:

Com informações de UOL.

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias