26 C
Papeete
segunda-feira, 15 julho, 2024
26 C
Papeete
segunda-feira, 15 julho, 2024

As histórias dos sobreviventes da tragédia de Lahaina

Cole Millington já estava fugindo de uma enorme parede de chamas em sua caminhonete quando seu telefone vibrou com um aviso de evacuação na tarde de 8 de agosto. O aviso, que nunca chegou à maioria dos moradores de Maui, veio tarde demais. “Se eu não tivesse usado meus instintos e entrado no modo de sobrevivência, eu não estaria aqui”, diz o morador de Lahaina, de 26 anos, e proprietário da Honolua Hot Sauce Co.

Por volta das 16 horas, Millington havia notado uma enorme nuvem de fumaça preta fora da janela de seu apartamento. Dadas as condições de seca intensa da ilha e rajadas de vento alimentadas por um furacão naquele dia, ele sabia que estava sentado em um barril de pólvora. “No intervalo de 10 minutos entre ver a fumaça, peguei meu laptop, passaporte e cachorro e já estava em minha caminhonete, enquanto minha rua começava a pegar fogo”, diz ele.

Veja também
+ Incêndio devastador em Maui afeta surfistas brasileiros; saiba como ajudar
+ Como foi o resgate dos surfistas que ficaram 37 horas à deriva na Indonésia
+ Kai Lenny denuncia abandono das vítimas de Maui em rede nacional

Millington navegou por entre a espessa fumaça e fios de energia caídos tentando dirigir para o sul de Lahaina, para ficar preso no trânsito com apenas um oitavo de um tanque de gasolina. Ele viu no retrovisor as labaredas ardendo pela rua e começando a se aproximar de sua Toyota Tacoma de 1994. “Minha caminhonete é tão antiga que eu estava preocupado que ela explodisse”, diz ele. “Em um certo momento, considerei sair correndo.”

Depois de três horas terríveis, ele chegou à casa de um amigo na cidade vizinha de Kihei, a viagem geralmente leva 25 minutos, apenas para receber um alerta uma hora depois dizendo que lá também estava em chamas. “Parecia que toda a ilha estava pegando fogo”, diz Millington.

Millington perdeu sua casa e seu negócio, mas está seguro e ficando em uma casa de um quarto em Waihee-Waiehu com outros 14 moradores de Lahaina que perderam tudo. “As pessoas estão dormindo no chão ou em tendas em uma garagem de cascalho e compartilhando um banheiro, mas somos mais afortunados do que muitos outros”, diz ele.

Na semana passada, vários incêndios devastaram a ilha de Maui, destruindo comunidades, deslocando milhares de pessoas e deixando mais de 100 mortos. O incêndio que devastou a histórica cidade de Lahaina é agora o incêndio florestal mais mortal dos EUA em mais de um século, com o número de mortos mais recente em 106 e aproximadamente 1.300 pessoas ainda desaparecidas. O governador do Havaí, Josh Green, alertou que o número de fatalidades deve aumentar. Cerca de 2.200 estruturas – 86% delas residenciais – foram destruídas. Os sobreviventes ainda estão lidando com o trauma e questionando por que os esforços de evacuação não foram melhor coordenados.

Quando Rachael Zimmerman, de 34 anos, acordou com os ventos que faziam as janelas tremerem às 4h45 da manhã de 8 de agosto, viu chamas no morro acima de seu condomínio na Front Street, a principal rua de Lahaina, e imediatamente ligou para o 911. O corpo de bombeiros ligou de volta 15 minutos depois para dizer que haviam apagado o fogo. Zimmerman voltou para a cama. Às 8h, ela e seu parceiro perceberam que sua casa, que haviam comprado em 2022, estava sem eletricidade. Às 15h, eles notaram um manto de fumaça escura se aproximando e, em poucos minutos, estavam em seu carro.

“A fumaça estava por toda parte e ninguém sabia onde estava o fogo”, diz Zimmerman. Ela e seu parceiro dirigiram com máscaras e óculos de sol para se protegerem da fumaça. Depois de dirigirem em círculos, eles seguiram a costa, no caso de precisarem buscar abrigo das chamas no oceano. “Então vimos que o oceano estava pegando fogo e as pessoas ainda estavam pulando na água em chamas porque não tinham para onde ir”, diz ela. Assim como Millington, Zimmerman e seu parceiro viajaram para a casa de um amigo em Kihei, apenas para serem alertados sobre outra possível evacuação. “Não dormimos naquela noite, estávamos com muito medo”, diz ela. Zimmerman perdeu tudo e solicitou ajuda financeira da Agência Federal de Gerenciamento de Emergências (FEMA) dos EUA.

Kekoa Lansford, morador de Lahaina, de 37 anos, não conseguia deixar pessoas para trás na cidade em chamas. Ele levou moradores angustiados para a carroceria de sua caminhonete, os levou para uma área segura onde outro veículo estava esperando para transportá-los em segurança. Lansford voltou para a cidade em chamas para resgatar mais pessoas pelo menos cinco vezes antes que as chamas se tornassem muito perigosas.

“É difícil falar sobre o que vi”, diz ele. “As pessoas estavam morrendo nas ruas. As pessoas estavam queimando porque estavam presas em carros. As últimas pessoas que ajudei antes que ficasse muito louco acabaram sendo os pais de um amigo de infância.”

Lansford, havaiano nativo, nasceu e foi criado em Lahaina e perdeu a casa da família que sua avó deixou para ele. Seu tio Joe ainda está desaparecido. “As pessoas pensam em Lahaina como uma cidade turística, mas este é o nosso lar espiritual”, diz ele. “Era a capital do reino havaiano. Nossos ancestrais estão todos aqui e agora esse lugar foi perdido.”

Autoridades federais estimam que o custo de reconstrução de Lahaina seja de aproximadamente US$ 5,5 bilhões. Os incêndios afetaram outras partes da ilha também. Um incêndio destruiu 19 casas e 273 hectares em uma região chamada Upcountry, que fica nas encostas ocidentais do Monte Haleakala. Os incêndios em toda a ilha ainda não estão contidos, e os moradores de Upcountry não têm acesso à água potável.

Daniel Sullivan, um fotógrafo local e morador da comunidade Upcountry de Kula, havia empacotado seu carro e estava pronto para evacuar com seus dois filhos na noite de 8 de agosto. “Sentei-me no telhado ouvindo as árvores racharem e os tanques de gasolina explodirem”, diz ele. “Foi surreal.” Sullivan tem sorte – sua casa sobreviveu. Mas depois de dirigir pela ilha para fotografar os incêndios, ele ficou sem palavras para descrever a destruição que viu. “Lahaina era o símbolo de nossa ilha e foi apagada do mapa”, diz ele.

Incêndio maui
A centenária Igreja Waiola em Lahaina e a vizinha Missão Lahaina Hongwanji estavam entre os prédios históricos atingidos pelas chamas. Foto: Matthew Thayer/The Maui News/AP

Os residentes ficaram chocados com a lentidão com que a ajuda e a assistência chegaram. Quase três dias após os incêndios, os moradores continuam deixados em grande parte por conta própria. O renomado surfista baseado em Maui, Kai Lenny, foi ao programa de notícias diárias CBS Mornings para expressar sua raiva. “Todos estavam esperando que o governo aparecesse”, disse Lenny, reforçando que as comunidades locais assumiram os esforços de recuperação por conta própria.

Kaili Scheer, de 37 anos, que possui um restaurante no upcountry de Maui com seu marido Jeff, também foi crítica à resposta do governo. Ela postou no Instagram: “72 horas depois. Onde está a Marinha. O navio hospitalar. Helicópteros. O exército. Estamos obtendo nossa própria ajuda e somos muito bons nisso, mas as pessoas estão passando fome e presas e é necessário apoio em grande escala agora.”

Scheer diz que a comunidade se uniu para ajudar todos que precisam. “Ninguém ficou ocioso”, diz ela. “Cada enfermeiro que conheço está se voluntariando. Todos os chefs da ilha criaram uma cozinha para alimentar as pessoas. Não importa onde você vá, todos se abraçam.”

Samantha Campbell, proprietária do Deep Relief Peak Performance Athletic Training Center em Haiku, uma cidade na costa norte de Maui, está oferecendo avaliações gratuitas de lesões para os socorristas e aulas gratuitas para crianças para os afetados pelos incêndios. Jennifer Yi, proprietária de uma loja de surfe em Lahaina que pegou fogo, rifou a única prancha restante da loja para arrecadar fundos. Crianças locais têm feito vendas de bolos nas ruas em bairros não afetados.

Caitlin Carroll, de 27 anos, funcionária da Pacific Whale Foundation, tem descarregado caixas de insulina, fraldas, água e gasolina no Porto de Maalaea, na costa sul de Maui. Carroll, que perdeu sua casa no incêndio, diz que o esforço da comunidade tem sido incrível. “Todos estão se unindo para ajudar”, diz ela. “Será um longo caminho para a recuperação, mas quando você sabe que sua comunidade está ao seu lado e vê todos ajudando, fica mais fácil manter uma atitude positiva.”

O futuro é incerto para os moradores de Maui. A ilha depende muito do turismo, com 51% de seus empregos relacionados ao setor, e a alta temporada está se aproximando rapidamente. Em sua última declaração de emergência, o governador Green pediu aos viajantes que adiem todas as viagens não essenciais para West Maui, que inclui áreas de resort populares como Napili, Kaanapali, Kapalua e Lahaina. Hotéis nesta área temporariamente pararam de aceitar reservas futuras para que possam abrigar funcionários, evacuados e socorristas. Os proprietários de casas de aluguel de férias também foram incentivados a disponibilizar essas acomodações para aqueles que foram deslocados.

Os incêndios exacerbaram a escassez de moradia em Maui, que já era tão grave que o governador Green declarou estado de emergência em moradia apenas três semanas antes do incêndio. Os preços das casas em Maui são cerca de três vezes acima da média nacional.

Alguns moradores dizem que já receberam ligações de desenvolvedores e investidores perguntando sobre a compra de suas terras devastadas pelo fogo. O governador Green diz que pediu ao procurador-geral que investigue uma moratória sobre a venda de propriedades danificadas. A reconstrução de casas e negócios também terá que levar em conta o risco de incêndio, o que não aconteceu no passado, aumentando ainda mais o já inflacionado mercado da construção.

Conforme a ilha traça um plano para o futuro, há preocupação de que as vozes nativas sejam excluídas do processo decisório. “Os havaianos nativos perderam centenas de anos de cultura e casas geracionais”, diz Carroll. “São eles que devem tomar decisões para Lahaina.” Kainoa Horcajo, consultor cultural e voluntário do Maui Rapid Response, ecoou o sentimento. Ele diz que muitos na comunidade de Lahaina acreditam que os havaianos nativos devem liderar os esforços de reconstrução.

Horcajo tem sido uma voz de calma e ordem para Maui, postando atualizações frequentes em sua página pessoal no Instagram, bem como na página do Maui Rapid Respone. Ele está incentivando tanto os moradores quanto os futuros visitantes a abraçarem a compaixão, o entendimento e o espírito aloha. “Sempre dissemos aos visitantes que, se vierem a Maui, venham com a kuleana [responsabilidade] de serem respeitosos com a terra e nosso povo”, diz ele. “Essa mensagem não mudou.”

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias