Publicidade:

Afinal, carne vermelha faz bem ou mal para a saúde?

Na semana passada, saiu um novo estudo que questionava a recomendação de não comer carne vermelha por muito anosTalvez você esteja confuso, ou talvez apenas revire os olhos para mais uma rodada de ideias contraditórias sobre carne vermelha e nutrição. Ambas as reações são garantidas. Dezenas de cientistas da nutrição estão em pé de guerra com a conclusão do estudo, enquanto outros argumentam que é benéfico mostrar como a ciência das diretrizes alimentares pode ser inconclusiva e instável. Aqui está o que você precisa saber sobre o que esse estudo realmente encontrou e se deve ou não se preocupar com isso.

Pesquisa antiga pode apoiar novas ideias 

Um artigo publicado no Annals of Internal Medicine em 1º de outubro concluiu que a atual recomendação de saúde pública para comer menos carne vermelha e processada não é apoiada por fortes evidências e passou a fazer novas recomendações: que adultos com 18 anos ou mais não precisam monitorar ou limitar o consumo de carne vermelha ou processada.

O artigo incluiu cinco artigos, cada um com uma revisão sistemática ou meta-análise de estudos anteriores. Portanto, os pesquisadores (havia quase 20 deles, de instituições em todo o mundo) não coletaram novos dados, apenas analisaram os dados que já existem. Esses tipos análises – nos quais os pesquisadores usam os dados existentes em vez de coletar os seus próprios – são muito comuns, especialmente em nutrição. (Um estudo controverso lançado no início deste ano, alegando que os ovos são ruins para você, também foi uma metanálise.) “O que esses pesquisadores fizeram foi usar uma ferramenta de avaliação para analisar a força dos dados sobre a associação entre o consumo de carne vermelha e o risco de mortalidade e doenças ”, diz Don Layman, professor emérito de nutrição da Universidade de Illinois. E eles concluíram que a evidência existente é muito fraca.

+ Fibras alimentares: saiba como e porque consumi-las todos os dias

+ Quer acabar com seu dia? Pule o café da manhã

+ 12 alimentos mais ricos em vitamina C do que a laranja

Sem surpresa, muitos especialistas em nutrição não ficaram empolgados com este ataque às diretrizes alimentares atuais. Uma declaração emitida pela Escola de Saúde Pública TH Chan de Harvard argumentou: “A publicação desses estudos e as diretrizes de carne em uma grande revista médica é lamentável, porque não seguir as atuais diretrizes pode prejudicar a saúde, a saúde pública e a saúde planetária das pessoas”. O órgão destacou  que a análise deste destes 70 estudos de corte anteriores, incluindo um total de mais de seis milhões de participantes, mostram uma associação entre o consumo de carne vermelha e risco de doenças crônicas. O fato é que ninguém está argumentando que essa associação não existe – simplesmente que essa associação pode não significar o que pensamos que ela faz.

Correlação não é causalidade 

Grandes estudos de corte usam o que chamamos de taxa de risco para avaliar quanto seu comportamento influencia sua probabilidade de obter um certo resultado negativo. Esses estudos descobriram uma correlação positiva entre o consumo de carne vermelha e o risco de doença – mas é pequeno. “A taxa de risco para tabagismo e câncer de pulmão é de 12, por exemplo, e a taxa de risco para carne vermelha e doenças cardíacas é de cerca de um e dois décimos”, diz Layman.

Embora essa proporção não seja grande, ainda requer estudos mais aprofundados. “Grandes estudos de corte não podem provar causa e efeito, eles podem apenas gerar hipóteses”, diz Layman. O problema, ele explica, é que a pesquisa de acompanhamento – ensaios clínicos randomizados (ECR), ensaios clínicos, ensaios experimentais em animais e muito mais – não conseguiu provar a hipótese da carne vermelha. Portanto, embora saibamos que o risco de carne vermelha e câncer está correlacionado, nenhum estudo foi capaz de provar a causa.

Provar o que causa é quase impossível

Embora os ECRs – que incluem um grupo de controle para medir – possam mostrar causa e efeito, é realmente difícil projetar um estudo nutricional adequado dessa maneira. “Se alguém comer menos carne vermelha, ela a substituirá invariavelmente por outra coisa”, diz Brian St. Pierre, nutricionista registrado e diretor de nutrição da Precision Nutrition. Então, como você sabe se o resultado final se deve ao consumo de menos carne ou a qualquer alimento que eles usassem para substituir a carne? Além disso, com a intervenção dietética, não há como controlar o efeito placebo. Por esses motivos, os ECRs são relativamente raros na pesquisa em nutrição, razão pela qual confiamos tanto em estudos observacionais.

Saúde da população não é saúde individual

Um dos argumentos contra o novo estudo é que, embora as evidências para a causa ainda não existam, a associação entre o consumo de carne vermelha e o risco de doenças no nível da população está bem comprovada e ainda é relevante. Por exemplo, o corpo de pesquisa existente mostra que a redução do consumo de carne vermelha em três porções por semana pode levar a seis menos ataques cardíacos por 1.000 pessoas. E claro, isso parece relevante quando você pensa em saúde pública. Mas, Layman pergunta: “O que isso realmente significa na vida de um indivíduo? É difícil dizer. Isso adiciona seis dias à sua vida? Seis meses? Seis anos?”. Não sabemos.

Por que ainda existem diretrizes alimentares? Porque as pessoas estão procurando orientações. “A NASA esperou até termos um bom entendimento da ciência antes de enviar um homem para a lua”, diz Layman. “Infelizmente, com a nutrição, as pessoas não podem esperar. Eles estão comendo hoje”. Mas o conselho dele não é ignorar as diretrizes alimentares e as pesquisas em nutrição. “Coma uma variedade de alimentos e não coma muitas calorias”, diz ele. “Essa é de longe a coisa mais saudável que você pode fazer.”

St. Pierre concorda, dizendo que, quando você analisa todo o corpo da pesquisa em nutrição, fica claro que existem muitas maneiras diferentes de se alimentar de maneira saudável. “O primeiro passo para a maioria é começar a comer mais alimentos naturais e minimamente processados ​​- tanto vegetais quanto animais – e menos alimentos ultraprocessados”.

Não pense demais

O maior problema das diretrizes alimentares não é o que elas têm a dizer sobre um alimento específico – é o fato de que a maioria das pessoas não as segue de qualquer maneira. Apenas cerca de 10% dos americanos comem as cinco porções recomendadas de frutas e legumes por dia. As diretrizes alimentares mais recentes afirmam que a maioria das pessoas come mais do que a quantidade recomendada de grãos, proteínas, açúcares adicionados, gorduras saturadas e sódio.

Este estudo e análises semelhantes são úteis não por causa de como elas influenciam diretamente a maneira como as pessoas comem, mas por causa de como elas afetam as diretrizes e as ciências da nutrição. “Acho que esse grupo prestou um ótimo serviço, destacando o quão fraca é a narrativa existente sobre carne vermelha, que não é uma ciência forte”, diz Layman.

Ainda não está claro o que o estudo significa para o futuro da pesquisa em nutrição. “Nossa base atual de evidências sobre alimentos específicos não é muito forte, mas os pesquisadores parecem estar perdendo o ponto: que conduzir a pesquisa para realmente responder a essas perguntas seria ridiculamente intensivo em recursos. E incrivelmente improvável ”, diz St. Pierre.

Tudo isso deve mudar a maneira como você vê a carne vermelha? Provavelmente não. Em vez disso, incentive você a se concentrar menos em seguir diretrizes específicas e mais em comer uma variedade de alimentos que fazem você se sentir bem.

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias