Publicidade:

WSL promove ciclo de palestras sobre mídias sociais

A WSL Latin America promoveu no início de fevereiro, o primeiro “Social Media Training de 2022”, evento que teve mais de três horas de duração com o objetivo de promover a capacitação de seus atletas na gestão de suas mídias sociais.

Com palestras ministradas por executivos do Instagram, TikTok e YouTube, foram passadas aos surfistas profissionais diversas dicas preciosas para que aumentem o retorno que eles obtêm nas mídias sociais e também para que aprendam novas estratégias de engajamento de seus posts, criem mais visibilidade e, assim, possam traçar novos horizontes para as suas carreiras.

O evento contou com a participação de atletas de diferentes países da América Latina e Estados Unidos, que ouviram profissionais que cuidam das principais plataformas de entretenimento e de redes sociais do mundo inteiro.

O training, em português com opção de áudio em espanhol, começou sobre o TikTok, com dicas importantes: os vídeos devem ser verticais e é bom criar templates para ocuparem os espaços vazios da tela. Também é aconselhável a todos pesquisarem bastante no TikTok, pois há muitas ferramentas criativas, desde recursos avançados de edição até efeitos filtros, strickers e sons.

Uma das melhores sessões dos últimos tempos em Hossegor, na França (vídeo)

For the Love of the Sea é conexão pura com as ondas

Petterson Thomaz explica o que você não sabe sobre a piscina da Praia da Grama

Ainda entre as informações do workshop, foi possível aprender as cinco principais telas do TikTok: Início, Descobrir, Criação, Canal de Entrada e Perfil. A importância da criação de hashtags (uns 3 nomes), que se deve publicar vídeos constantemente, ser objetivo nas legendas (150 caracteres), e que é possível escrever no vídeo e programar posts (desktop), também, foram alguns dos pontos abordados.

YouTube

Já em sua apresentação, Victor Machado, Gerente de Parcerias de Esporte do YouTube, mostrou a potência dessa plataforma atualmente: tem mais de 2 bilhões de usuários/mês e 1 bilhão de horas assistidas em vídeo por dia. 97% da internet passa pelo YouTube, que é o segundo mecanismo mais usado de pesquisa no mundo (após o Google).

Antes de criar um canal no YouTube deve-se pensar em quais mensagens quer passar, que conhecimentos ou experiências quer compartilhar. Trazendo para a realidade aqui desse grupo, o mais óbvio parece ser a publicação de vídeos dos surfistas no mar, mas não necessariamente isso é o que vai promover maior engajamento. A vida em família, vlog do seu dia a dia, culinária, gaming… Cada atleta tem uma história única e genuína para contar“, disse o executivo, dando exemplo do ator Will Smith, que na plataforma conta sobre sua vida pessoal e nada de sua carreira como ator.

Não menos importante, segundo ele, é a cadência da publicação. “Ter uma grade de conteúdo clara vai ajudar a criar o hábito na sua audiência. Antes de criar o seu canal, tenha um acervo já produzido que te dê segurança de manter uma cadência”, afirmou.

  • O YouTube, conforme explicou, tem três classificações de conteúdos:
  • Help, constante focado em perguntas e interesses de uma audiência mais ampla;
  • Hub, vídeos programados com regularidade/formatos que fazem os seus espectadores voltarem;
  • Hero/Inovação, sazonal de larga escala que atrai novas audiências ao canal.

Agora a provocação que fica é como cada um dos atletas quer se relacionar com sua comunidade. Por exemplo, Neymar faz sucesso no Youtube falando sobre game. Já no surfe, o Ítalo Ferreira tem grande potencial para crescer”, conta Machado.

Com relação à média de tempo, Victor Machado apontou que vídeos de no máximo 60 segundos cresceram muito nos últimos tempos.

Não existe uma receita de bolo que vai garantir o seu sucesso. Não adianta ficar publicando vídeos longos de 15 ou 20 minutos se a sua retenção média é de dois minutos.

Temos casos de sucesso em todos os formatos e vemos uma aceleração do consumo de YouTube Shorts, vídeos de até 60 segundos. O importante sempre será testar, analisar e aprender, com os dados do YouTube Studio, como a sua audiência está reagindo às suas publicações. Dia, hora, formato, tema, etc. Esteja preparado para aprender e se adaptar“.

Instagram

Na vez de Felipe Kozlowski, Head of Partnerships do Instagram há sete anos e que já cuidou do Facebook, os participantes se animaram ainda mais, pois trata-se da plataforma mais utilizada pelos atletas.

O Instagram está em constante evolução”, conta Kozlowski. “Trata-se de uma plataforma holística, com várias superfícies: Feed/fotos e vídeos, Stories, Live e Reels (a mais nova). O vídeo é o formato principal hoje e o Reels, criado recentemente, é a superfície que mais alcança audiência, porque não é conectada com a conta, quer dizer, pessoas que não seguem também têm acesso. Já a Live é a que mais conecta com a audiência, porque é em tempo real e pode perpetuar no vídeo. Todas as superfícies estão conectadas”, explica.

Entre as muitas dicas de Kozlowski estão: melhor usar formato vertical no Feed, sempre colocar Hashtags (que muitos seguem) e localização, usar carrosséis (ao menos uma vez por semana) para ter mais engajamento na publicação, interagir com os comentários, e em vídeos prender a atenção do espectador nos três primeiros segundos. Também falou sobre as durações: Reels podem ter 15, 30 ou 60 segundos; vídeos até 1 hora e as Lives até 4 horas.

Ele contou a todos a novidade de que hoje o Instagram tem uma ferramenta de monetização com Selos para os criadores de conteúdo. “Ao abrir uma Live, as pessoas podem comprar selos de vários preços para o usuário, cujo valor pode ser resgatado quando acumular 100 dólares”.

Uma das mensagens interessantes do especialista sobre os atletas e as redes sociais: ”Sobretudo pelo fato da vida de atleta ser bem movimentada e sem tempo, é que ele tem que se sentir bem ao postar, curtir fazê-lo”.

Sobre os conteúdos pagos, também, dá uma dica: O ideal é fazer um post patrocinado por semana e um orgânico para atrair mais interesse. E vale sempre testar para saber o que dá mais certo, pois cada caso é um caso.

As palestras foram assistidas por atletas do Championship Tour — CT, dos Challenger Series e dos Qualifying Series, entre outros, e profissionais ligados ao surfe, que fizeram perguntas ao final de cada apresentação.

A WSL Latin America tem uma série de iniciativas para formação de atletas, entre as anunciadas mais recentemente está o oferecimento de bolsas de estudo, completamente gratuitas, em parceria com a Unicesumar. Cursos online disponíveis podem ser conferidos em: www.unicesumar.edu.br/ e https://www.universoead.com.br/.

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias