27 C
Papeete
sábado, 22 junho, 2024
27 C
Papeete
sábado, 22 junho, 2024

ISA lança política para surfistas transgêneros

A International Surfing Association (ISA) acaba lançar uma classificação para surfistas transgêneros, em uma ação sem precedentes na comunidade dirigente do surf profissional. Em outras palavras: o fato de a ISA ter uma política definida a coloca na vanguarda das federações olímpicas. Muitas federações, como a FIFA, a maior delas, ainda não têm diretrizes definidas.

Foto de abre: Nas décadas de 1960 e 1970, o australiano Peter Drouyn foi um dos surfistas mais famosos do mundo, um profissional mundial, pioneiro de uma nova abordagem que veio a ser conhecida como “surf agressivo” e que chegou a ter legiões de seguidores. Mas Peter Drouyn está morto desde 2008, de quando vive sua vida como uma mulher conhecida como Westerly Windina (foto acima)

Depois que ambas as principais entidades esportivas, a ISA e a World Surf League (WSL), tiveram o cuidado de tomar qualquer posição definitiva no passado, a ISA publicou recentemente a política oficial de transgêneros em seu site.

LEIA TAMBÉM: Surfista transgênero ganha campeonato de longboard na Austrália

De acordo com a política, uma mulher transgênero terá que mostrar à Comissão Médica da ISA “​que sua concentração sérica de testosterona foi inferior a 5 nmol/L (nanomoles por litro) continuamente por um período dos 12 meses anteriores” para competir na categoria feminina. Não havia designação na política sobre a frequência com que os competidores seriam testados antes de um evento ou temporada para se qualificar, ou quais métodos de teste seriam usados.

Para fornecer algum contexto: embora estimar os níveis médios de testosterona seja notoriamente complexo, de acordo com o Mount Sinai Hospital, os níveis médios variam entre 10 e 35 nmol/L em homens e 0,5 e 2,4 nmol/L em mulheres.

A decisão vem após uma declaração do Comitê Olímpico Internacional (COI) em novembro de 2021, onde eles evitaram fazer uma política geral, transferindo a decisão de classificação de transgênero para as federações internacionais. O COI divulgou uma estrutura vaga que encorajava as federações a serem justas, inclusivas e baseadas em evidências, entre outras coisas.

Então, como a política do surf se compara a outros esportes? A realidade é que apenas um punhado de federações olímpicas internacionais elaboraram tais políticas, mas a ISA está alinhada com os regulamentos mais “liberais”, espelhando aqueles criados pelo Remo Mundial e pela Federação Internacional de Tênis.

As políticas do World Triathlon e da International Cycling Union vão um passo além, exigindo que as mulheres transgênero demonstrem níveis de testosterona inferiores a 2,5 nmol/L continuamente por um período de pelo menos 24 meses.

A Federação Internacional de Natação (FINA) e a World Rugby adotaram posturas mais agressivas, basicamente proibindo atletas trans de competir em eventos femininos. (A política da FINA inclui uma ressalva, permitindo mulheres transgênero que fizeram a transição aos 12 anos de idade.)

A política da ISA deixa a porta aberta para interpretação e adaptação, pois um atleta também pode ter que atender a “quaisquer outros requisitos razoavelmente estabelecidos pelo Comitê Executivo e/ou Comissão Médica”.

A ISA também reconhece que reavaliará a política anualmente à medida que pesquisas, informações e feedback forem disponibilizados.

É improvável que esta política tenha efeitos significativos no mundo competitivo do surf no presente, mas o fato é que, onde não havia rota para atletas transexuais competirem, agora existe um caminho oficial no mais alto nível do esporte, incluindo as eliminatórias olímpicas.

Pode-se imaginar que essa estrutura também será filtrada para o formato olímpico de Paris 2024.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias