25 C
Papeete
sábado, 13 julho, 2024
25 C
Papeete
sábado, 13 julho, 2024

Tahiti Pro decide últimas vagas para o WSL Finals

O Tahiti Pro definirá as seis últimas vagas para a decisão dos títulos mundiais de 2022 no WSL Finals em Trestles, em setembro na Califórnia. Filipe Toledo, Jack Robinson, Carissa Moore e Johanne Defay, já garantiram seus nomes entre os top-5 e as top-5 nos rankings das dez etapas do World Surf League (WSL) Championship Tour. A primeira chamada para começar o desafio nos tubos de Teahupo´o, será às 7h15 desta quinta-feira no Taiti, 14h15 no Brasil, e o evento será transmitido ao vivo pelo site WorldSurfLeague.com.

Surfistas da “seleção brasileira” que disputaram os títulos mundiais de 2021 na estreia do formato mata-mata do Rip Curl WSL Finals, estão entre os top-5 do ranking que vão defender suas classificações no Outerknown Tahiti Pro. O campeão olímpico Italo Ferreira ocupa a quarta posição e vai competir na primeira bateria, com o sul-africano Matthew McGillivray e outro brasileiro, Yago Dora. Quem vencer, avança direto para as oitavas de final, mas os perdedores têm uma segunda chance nos duelos homem-a-homem da repescagem.

A vice-campeã mundial de 2021, Tatiana Weston-Webb, está em terceiro no ranking e é a única que ganhou duas etapas este ano, em Portugal e na África do Sul. Ela foi escalada na quarta e última bateria da primeira fase, com as norte-americanas Lakey Peterson que está em sexto lugar e Courtney Conlogue, já fora da briga por vagas nas top-5. Tanto Tatiana, como Italo, confirmam seus nomes no Rip Curl WSL Finals nas semifinais do Outerknown Tahiti Pro.

Tahiti Pro
atiana Weston-Webb encarando os tubos de Teahupo´o em 2019. Foto:: @WSL / Matt Dunbar

No entanto, uma combinação de resultados pode garantir suas classificações até antes disso. As participantes desta última etapa do CT 2022 nunca competiram nos temidos tubos de Teahupo´o, pois o último evento feminino da WSL no Taiti, aconteceu 13 anos atrás. Se Tatiana vencer sua primeira bateria e passar direto para as quartas de final, a quarta colocada no ranking, Stephanie Gilmore, terá que chegar nas semifinais para ultrapassa-la, a quinta, Brisa Hennessy, precisará chegar na final e Lakey Peterson vencer o campeonato. Se a brasileira passar mais uma, já garante nas semifinais a vaga no Rip Curl WSL Finals.

Tahiti Pro
Foto: Kirstin Scholtz / World Surf League

O potiguar Italo Ferreira, campeão mundial de 2019 e terceiro no ranking de 2021 dominado pelo Brasil, com Gabriel Medina conquistando o tricampeonato na melhor de três com Filipe Toledo, chega no Taiti ameaçado por três surfistas. O quinto colocado no ranking, Griffin Colapinto, já precisa chegar nas oitavas de final para ultrapassa-lo, o sexto, Kanoa Igarashi, consegue isso nas semifinais e o sétimo, Callum Robson, só se vencer o Outerknown Tahiti Pro.

Se Italo vencer sua primeira bateria, ou passar pela repescagem, já obriga Colapinto a chegar nas semifinais, Igarashi na grande final e tira Robson da briga. Se for para as quartas de final, o campeão olímpico só perderá sua vaga nos top-5 se Colapinto for o vice-campeão e Igarashi vencer o campeonato. Os irmãos Pupo têm chances matemáticas, mas Miguel e Samuel já necessitam da vitória em Teahupo´o. Além disso, se Colapinto passar uma bateria já tira o Samuca da briga e ele e Igarashi eliminam o Miguel nas quartas de final.

Veja também:

+ Yago Dora comprometido com Teahupo’o

+ Teahupo’o guarda uma chance de ouro para Filipe Toledo

+ Koa Rothman: bastidores do Code Red 2.0 em Teahupoo

Na mesma situação do Miguel Pupo, está o australiano Connor O´Leary, pois os dois dividem a nona posição no ranking. A etapa do Taiti não foi realizada em 2020 e 2021 por causa da pandemia do Covid-19 e retorna agora para fechar os rankings do CT 2022 em uma das ondas mais perigosas do mundo. Será um bom teste para todos, especialmente para as mulheres, já que Teahupo´o será o palco do surfe nas Olimpíadas da França de 2024.

AUSÊNCIAS – Os campeões mundiais Gabriel Medina e John John Florence seguem se recuperando de lesões e não irão competir no Outerknown Tahiti Pro. O californiano Kolohe Andino também cancelou sua participação. Entrarão em suas vagas, o catarinense Yago Dora substituindo o tricampeão mundial na “seleção brasileira”, o australiano Nathan Hedge e o taitiano Michel Bourez. Outro participante do Taiti será Kauli Vaast, vencedor da triagem realizada no domingo em Teahupo´o.

Yago Dora foi escalado junto com Italo Ferreira na primeira bateria, Kauli Vaast entra na segunda, Michel Bourez na terceira e o veterano Nathan Hedge na quarta, encabeçada pelo líder do ranking 2022 e vice-campeão mundial de 2021, Filipe Toledo. O onze vezes campeão mundial, Kelly Slater, completa este confronto. Na disputa seguinte, estreia o mais experiente da “seleção brasileira”, Jadson André, com Griffin Colapinto (EUA) e Jordy Smith (AFR).

Depois, tem Caio Ibelli na sexta bateria com Kanoa Igarashi (JPN) e Jackson Baker (AUS), Samuel Pupo na sétima com Callum Robson (AUS) e Seth Moniz (HAV) e Miguel Pupo fechando a primeira fase com Connor O´Leary (AUS) e Jake Marshall (EUA). Esta rodada de apresentação dos melhores surfistas não é eliminatória. Os vencedores das baterias avançam direto para as oitavas de final, mas os perdedores têm uma segunda chance de classificação na repescagem.

A janela do Outerknown Tahiti Pro abre nesta quinta-feira (dia 11) e vai até 21 de agosto. Esta décima etapa do WSL Championship Tour será realizada com patrocínios da Outerknown, Tahiti Tourism, Corona, Pura Vida, Red Bull, Oakley, Hydro Flask, Expedia, True Surf, Surfline, Polynesia 1, Vini e Air Tahiti Nui.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias