26 C
Papeete
domingo, 19 maio, 2024
26 C
Papeete
domingo, 19 maio, 2024

Surfistas de ondas grandes falam sobre machismo e superação

A glamourização em torno dos “atos heroicos” de surfistas de ondas grandes como Paige Alms, Keala Kennelly e Maya Gabeira esconde dano potencialmente letal que sucessivas colisões com massas de água colossais podem causar ao corpo humano.

A maior ameaça do surfe sempre foi o perigo de lesões – quase 70 vezes mais comum do que fatalidades. E no seleto mundo de ondas verdadeiramente grandes, quanto maior a morra, maior o perigo envolvido.

Quando se trata de surfar, o tamanho realmente importa. No entanto, a medida em que o fator de risco aumenta, respeito e cautela geralmente crescem na mesma proporção. Mas nem sempre.

A big rider Jenny Useldinger recorda aquilo que classifica de um “comportamento clássico do macho alfa”, como fator preponderante para uma das piores vacas de sua via, ocorrida em Mavericks, em um grande dia no inverno de 2006.

Leia também: 
+ Isabella Nichols relata caldo sinistro no Margaret River Pro
+ Stephanie Gilmore vai à Kirra em busca do tubo perfeito
+ Maya Gabeira rebate críticas de Laird Hamilton e Kelly Slater

“Eles estavam me importunando”, explicou ela, sobre alguns caras agressivos no line up naquele dia, e continua: “E me colocaram em uma posição ruim, onde eu não gostaria de estar. Então, uma onda veio em minha direção. Não estava bem posicionada, mas tentei entrar. Porém acabei tomando a onda na cabeça”, conta.

Jenny foi arrastada para o fundo e recebeu o caldo de sua vida. Ela conseguiu voltar sozinha pra a praia, mas ficou fora da água pelos sete meses seguintes com um joelho machucado – e teve sua prancha de ondas grandes destruída. Talvez não seja surpresa que seus patrocinadores tenham expandido de Roxy e Ocean & Earth, para CTI Knee Braces e Try-Star Medical.

Em 2013, Gabeira quase se afogou na Nazaré, em Portugal, numa das cenas mais dramáticas já registradas em torno no big surf.

Tentando quebrar o recorde de maior onda surfada por uma mulher, ela foi engolida por uma montanha de água estimada em 84 pés. Maya também quebrou o tornozelo com o impacto de sua prancha com a parede da onda enquanto ainda tentava completar o drop. Por fim, após tomar a série na cabeça, ela perdeu a consciência.

“Eu a perdi”, disse seu parceiro e mentor, Carlos Burle, em uma entrevista à revista Stab na época do acidente. “Ela sumiu por cerca de cinco minutos. Eu finalmente a vi flutuando de bruços na água. Pulei do jet ski, agarrei-a com uma chave de braço e chegamos à praia dessa forma. Eu não sei como. Eles administraram RCP (ressuscitação cardiopulmonar) imediatamente, e ela começou a respirar ” A RCP salvou sua vida, mas ela quebrou a fíbula direita e lesionou uma hérnia, revelou o big rider brasileiro.

Keala Kennelly experimentaria uma catástrofe semelhante à pele dos dentes no Taiti. Três dias depois de surfar as maiores ondas da década em Teahupoo, ela participou uma bateria memorial em homenagem a seu bom amigo, o campeão mundial Andy Irons.

Saindo de um tubo extremamente perigoso, Keala feriu gravemente o rosto ao atingir a rasa bancada de recife de Teahupoo. Foto: Reprodução

Saindo de um tubo extremamente perigoso, Keala bateu o rosto na rasa bancada de recife de Teahupoo. O corte em seu rosto era “meu distintivo vermelho de coragem”, ela brincou depois. “Eu não ganhei a medalha por um coração roxo”, ela riu, “mas aquele que eu tenho quase parou”. Mesmo assim, ela precisou de uma cirurgia reconstrutiva e por pouco não sofreu uma fratura no crânio.

Volta por cima

A recuperação de Gabeira é uma história inspiradora de resiliência. Dois anos depois, regressou à Nazaré para enfrentar os mesmos monstros que quase a mataram – continuando a ultrapassar os limites do surf feminino de ondas grandes em busca do prémio final.

Em 18 de janeiro de 2018, a brasileira surfou com sucesso uma onda estimada em 68 pés na mesma Nazaré onde quase perdeu a vida, tornando-se a primeira surfista de ondas grandes a receber o recorde mundial do Guinness.

Kennelly pareceu tratar os danos brutais do acidente quase com desdém. “Quando Keala ainda estava na unidade de IC, a primeira coisa que ela disse foi‘ Quando posso voltar lá? ’”, disse sua amiga, Bianca Valenti, em abril de 2020. “Era como se ela quisesse bater aquela onda de volta.”

“Keala e Maya são tão dedicadas, tão comprometidas”, Valenti continuou: “Ambas poderiam ter morrido em seus acidentes. Ou apenas desistido. Em vez disso, elas se levantaram e venceram totalmente seus medos. E triunfaram. ”

Este artigo é uma adaptação de trecho de “Women on Waves: A Cultural History of Surfing”, de Jim Kempton (Pegasus Books, EUA).

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias