Publicidade:

Maya Gabeira rebate críticas de Laird Hamilton e Kelly Slater

Em uma entrevista lançada recentemente com o jornalista norte-americano Graham Bensinger, a surfista de ondas grandes Maya Gabeira respondeu a várias críticas públicas antigas feitas a ela pelos ícones do surf, Laird Hamilton e Kelly Slater.

Bensinger começou o segmento editado perguntando a Gabeira sem rodeios sobre os comentários de Hamilton à CNN de que ela “não tinha habilidade para surfar as condições que ela surfa”.

Leia também: 
+ “Minha carreira é super controversa e não linear,” diz Maya Gabeira
+ The NY Times enaltece pioneirismo de Maya e fala de sexismo no big surf
+ Maya Gabeira diz que pode ser atingido seu limite no big surf


Para referência, Hamilton foi entrevistado em 2013 sobre o recorde mundial de ondas grandes de Carlos Burle, quando comentou sobre a quase morte de Gabeira enquanto surfava a gigante Nazaré no mesmo swell. O acidente a deixou com uma perna quebrada e ela teve de ser reanimada na praia.

“Fiquei com o coração partido”, disse ela sobre a opinião de Hamilton. “Primeiro você está frágil, quase morreu, está com uma perna quebrada, com dores por toda parte e apenas se sente espancada. Dizer algo assim quando você sabe que alguém está fragilizada e sofrendo, não sei se é o certo a se fazer. ”

Gabeira prossegue confiante na entrevista, respondendo a linha direta (e muitas vezes gelada) as perguntas de Bensinger. Ela passou a falar sobre as inseguranças que a questão com Hamilton levantou e, em seguida, abordou críticas semelhantes de Kelly Slater sobre surfar em Teahupoo durante um swell em 2011 que quase tirou sua vida.

Slater disse que ela iria fazer com que ela e outras pessoas fossem mortas por meio de uma mensagem direta no Twitter.

“Eu estou bem com isso”, disse ela sobre as críticas. “Eles tinham seus pontos de vista que poderiam ter passado para mim de forma diferente. Era uma época diferente, as mulheres eram tratadas de forma diferente. Naquela época estava tudo bem, não era discutido nosso papel e lugar na sociedade. Eu acho que muita coisa mudou. Era o que era. Isso me fez ser quem eu sou e estou bem com isso.”

Obviamente, Gabeira estabeleceu um recorde mundial na Nazaré e voltou a surfar em Teahupoo, então escolheu uma carreira que lhe convinha. Ela cobriu vários tópicos com Bensinger, como seu relacionamento com Sebastian Steudtner, sexismo no surfe, o estresse de solidificar seu recorde mundial, seu pai jornalista e muito mais.

Clique aqui e confira a entrevista completa. Ou assista abaixo:

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias