26 C
Papeete
segunda-feira, 15 julho, 2024
26 C
Papeete
segunda-feira, 15 julho, 2024

Surfista cria refúgio ecológico florestal no Panamá

Quando Javier Lijo comprou nove acres de terra desmatada no topo de uma ilha panamenha, ele estava de olho nas ondas abaixo.

Surfista apaixonado, o argentino sempre sonhou com uma vida tranquila surfando no mar, longe das metrópoles gigantes cheias de carros da América Latina. Mas o amor pela vida sustentável o levou em uma direção diferente, de acordo com a reportagem publicada na bbc.com.

+ Assista às 10 melhores ondas surfadas na Indonésia em 2022

Ao longo de 20 anos, e com ajuda do povo indígena local Ngäbe-Buglé, ele transformou sua terra na Isla Bastimentos, na costa caribenha do Panamá, em um próspero refúgio ecológico florestal.

Lijo espera que seu exemplo sirva de modelo para outros que buscam reflorestar terras desmatadas.

A view of a building among dense foliage on Javier Lijo's farm

Para os desinformados, sua terra parece selvagem. Mas grande parte é cultivada: uma parte tem árvores de madeira para fazer móveis, em outra cacaueiros para chocolate, perto do topo uma horta para ervas e em toda a floresta uma variedade de frutas, vegetais e flores.

A maioria dos produtos ele vende localmente.

É uma grande mudança em relação a quando o Sr. Lijo comprou a terra em 1996. Depois foi desmatado pasto para vacas, cheio de mosquitos e moscas, mas ele se apaixonou por ela mesmo assim.

Ao começar a administrar a terra, ele leu sobre a teoria da permacultura – um modo de vida sustentável que enfatiza a reciclagem e a redução do impacto no planeta. A partir disso, teve a ideia de uma fazenda eco-refúgio livre de agrotóxicos, onde tudo tivesse utilidade.

Ele disse que sua visão era aquela em que “educação, trabalho com a comunidade, diversidade de materiais na fazenda, diferentes maneiras de ganhar dinheiro e viver” viriam juntos.

 

Javier Lijo holds up a cocoa pod

Primeiro teve de aprender o básico e, para isso, recorreu aos indígenas que há séculos manejam as florestas do Panamá.

Os indígenas Ngäbe-Buglé têm vários assentamentos próximos.

Lijo conheceu Benjamín Aguilar, de 53 anos, em 2000, quando ele lhe pediu ajuda para cortar árvores na fazenda.

Logo o Sr. Aguilar o estava aconselhando sobre como administrar a terra, o que plantar e quais árvores usar como madeira.

“Ensinei a ele como produzir cacau, como fermentá-lo e o tempo necessário para torrá-lo”, lembra Aguilar.

O Sr. Lijo diz que os Ngäbe-Buglé lhe mostraram “tudo” que sabem sobre como gerir a terra. “Eles têm muito conhecimento – é geração após geração, centenas e centenas de anos.”

Ele não é o único que percebeu o valor do conhecimento indígena para a conservação da floresta, especialmente porque mais da metade da floresta madura do Panamá está localizada em território indígena.

Um dos principais institutos de pesquisa em biologia tropical do mundo, o Smithsonian Tropical Research Institute (STRI), realiza vários projetos nos quais seus cientistas trabalham ao lado de povos indígenas.

A professora Catherine Potvin, pesquisadora associada do STRI que trabalha com povos indígenas no Panamá há mais de 20 anos, explica por que a abordagem funciona tão bem.

“Os indígenas cultivam para não necessariamente enriquecer e fazer grandes empreendimentos. Eles não têm esse conceito de crescimento econômico”, diz ela.

“Eles estão apenas buscando sustentabilidade. Eles querem sustentar a si mesmos e a seu território no longo prazo.”

O manejo de terras indígenas também fornece “infraestrutura verde” que pode proteger o meio ambiente, como o solo em florestas intactas que podem absorver água para evitar inundações e liberá-la durante a estação seca para evitar secas.

O Sr. Lijo notou que a qualidade do solo em sua terra melhorou desde que ele começou a reflorestar. Há também mais biodiversidade com uma variedade de animais como macacos, pássaros, abelhas e tatus voltando para a fazenda que antes era usada para pastar gado.

O mais notável são as rãs. Uma praia próxima leva o nome deles, mas seus números diminuíram à medida que o turismo e o desmatamento para terras agrícolas na ilha ameaçavam seu habitat.

“Por mais de três anos (após a compra do terreno) nunca vimos as rãs, mas agora elas estão por toda parte”, explica o Sr. Lijo.

Seu trabalho é um microcosmo do que está acontecendo em outras partes do Panamá.

Jefferson S Hall é um cientista da equipe do STRI que liderou esforços de reflorestamento que protegeram o Canal do Panamá de enchentes.

Em outubro, o instituto chegou a um acordo com os Ngäbe-Buglé para criar um projeto de reflorestamento em seu território que irá capturar carbono e melhorar o ecossistema.

“As pessoas inicialmente ficaram céticas, pois viram pessoas de fora fazerem muitas promessas, promessas que não cumpriram”, diz Hall.

“Estamos no início de um relacionamento de longo prazo. Estamos no início de nossa curva de aprendizado. Ficamos impressionados, mas não necessariamente surpresos, com o entusiasmo das pessoas em plantar árvores.”

Quanto ao projeto do Sr. Lijo, o Sr. Hall está convencido de que pode ser pequeno, mas ele está convencido de que mesmo pequenos esforços têm o potencial de se mostrarem úteis.

“Uma das minhas frases mais repetidas é que o reflorestamento tem de ser feito um proprietário de cada vez”, diz ele. “Então, bom para a pessoa que fez isso.”

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias