Publicidade:

Surf Like a Girl: Coco Ho no Havaí

SURF LIKE A GIRL - COCO HO 

Introduzindo uma seção semanal que exibe o talento e a história de uma 
mulher sobre as ondas.


Texto Alexandra Iarussi 

Nenhuma palavra, apenas surf de muita qualidade, com poder, fluidez e conexão, nos exibe a havaiana Coco Ho no vídeo filmado nas ondas do Havaí, seu quintal de casa.

A surfista de 30 anos, integrante da família Ho, nos coloca um show especial, relembrando o poder e a graça do surf feminino.

LEIA + Celebramos o Dia Internacional da Mulher com 14 mulheres lendárias

Assista:

Coco Ho começou a surfar aos 7 anos de idade, “um pouco atrasada neste jogo, tendo em vista que hoje muitas crianças começam mais cedo,” ela conta no vídeo abaixo, um minidocumentário que conta a sua vida e foi lançado em 2018.

Ho conta que a primeira experiência com surf começou com um bodyboard, por influência do seu irmão Mason Ho.

“A minha experiência no mar fluiu e deu certo. Na realidade, eu só queria impressionar o meu irmão, Mason. Eu passei a minha infância nesse foco: tentando impressiona-lo,” Ho nos conta.

Coco Ho conta que no início, o seu irmão ia para a praia com o seu pai, Michael Ho. Por volta de 8, 9 anos, ela passou a ir com eles.

“Quando comecei a surfar, meu pai me passou os ensinamentos do oceano. Ele insistia nisso, parecia uma vitrola enguiçada. Ele não falava do surf em si, mas insistia realmente em falar do oceano, do mar, e aonde eu deveria me posicionar em Sunset e nos outros picos.”

“Crescer no North Shore foi fundamental pra mim, para quem eu sou. Vivi em V-Land e John John (Florence) em Ehukai, e nós íamos surfar direto. De bike, pra praia, e tínhamos de voltar antes que escurecesse,” relembra Coco.

No decorrer do vídeo (que você assiste abaixo), Coco relembra seu ingresso no circuito mundial de surf da WSL, desde sua entrada avassaladora; o prêmio Rookie do ano em 2009; e a busca por um título mundial.

Em 2019, Coco Ho afastou-se do Tour por conta de uma lesão no joelho e assuntos de saúde, e desde então, certamente o circuito mundial de surf da WSL sente falta dessa radical polida que emana o verdadeiro espírito havaiano, seja dentro ou fora d’água.

Vídeo: Volcom / You Tube


Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias