Publicidade:


Publicidade:

Celebramos o Dia Internacional da Mulher com 14 lendárias surfistas

No Dia Internacional da Mulher, compartilhamos uma lista de mulheres extraordinariamente formidáveis.

Existem muitas mulheres que se destacam como indivíduos que estão constantemente empurrando a progressão do surf para a frente.

+ Filme She Is The Ocean faz estreia digital
+ The NY Times enaltece pioneirismo de Maya Gabeira e fala de sexismo no big surf
+ Documentário Cannábicas registra luta das mulheres pela cannabis medicinal

Entre essas, apresentamos estas XX figuras que surgiram como indivíduos fortes que contribuíram para uma mudança significativa, conduzindo a história das mulheres no surf a partir de sucessivas quebras de paradigmas – com coragem, audácia, e conscientemente e/ou inconscientemente, um enfrentamento do status quo.

Confira:

Margot Rittscher

Margot

De Nova Iorque para Santos aos 15 anos de idade, Margot foi uma das primeiras surfistas do Brasil. Apaixonada pelo mar, surfou pela primeira vez com uma prancha de madeira construída pelo seu irmão Thomas, naPraia do Gonzaga. Segundo os registros, Margot surfou até os anos 1960.

Princesa Ka’iulani

kaiulani

A última princesa havaiana conquistava a todos com sua inteligência e energia. Sem essa desafiadora princesa havaiana, talvez nem houvesse surf.

Durante a integração do Havaí aos Estados Unidos, Ka’iulani lutou pela preservação da história e hábitos do seu povo. Afinal, os missionários americanos proibiram qualquer forma de manifestação cultural havaiana no arquipélago, e a princesa pegou sua Alaia e foi surfar como uma forma de protesto. Em seguida, teve de esconder muito bem sua prancha, que é a única remanescente da dinastia da família real do Havaí. Até hoje, sua garra e audácia são admiradas pelo povo havaiano e a princesa cultuada pelo povo.

Margo Oberg

margo oberg
margo oberg

Considerada a primeira surfista profissional, Margo Oberg subiu na carreira masculina durante a revolução das pranchas curtas. Com sua construção ágil e linhas longas e fluídas, Oberg ultrapassou os limites do surf à medida que a indústria ostentava pranchas mais desafiadoras,curtas e manobráveis. Em 1975 se iniciaram as competições profissionais e ela foi a primeira competidora feminina.

Rell Sunn

Rell Sunn em Haleiwa. Foto: Jeff Divine

Seu nome do meio – Kapolioka’ehukai – significa “coração do mar” em havaiano.

Freqüentemente chamada de “Rainha de Makaha”, Rell era a quintessência da mulher aquática, destacando-se em todos os esportes aquáticos, incluindo surfe, bodysurfing, caça submarina e canoagem em águas abertas.

No início dos anos 70, Rell foi fundamental para estabelecer a Women’s Professional Surfing Association e fundar o torneio de surf profissional feminino, no qual ela terminou em terceiro lugar no ranking de final de ano.

Em uma cultura onde a proficiência na água é amplamente respeitada e os salva-vidas quase deificados, em 1977 Rell foi homenageada por ser nomeada a primeira mulher salva-vidas do Havaí.

Rell Sunn faleceu em 2 de janeiro de 1998, após uma batalha de 15 anos contra o câncer de mama (quando o médico lhe deu o veredicto da doença, disse que com sorte ela viveria apenas por mais um ano).

Sunn encarou a vida com paixão e escolheu viver cada dia seu como se fosse o último, emanando por onde passasse o verdadeiro espírito Aloha.

Lisa Andersen

 

Uma pioneira, a surfista norte- americana revolucionou o surf feminino acumulando mais de 30 troféus da National Scholastic Surfing Association em menos de um ano e conquistando quatro títulos de campeã mundial de 1994 a 1997.

Em 1995, Lisa fez história ao tornar-se a primeira mulher a aparecer na capa da Surfer Magazine (que escreveu na capa a frase “Lisa Andersen surfa melhor que você”), que também a classificou como uma das “25 Surfistas Mais Influentes de Todos os Tempos”. A Sports Illustrated também a classificou como uma das “Top Atletas Femininas do Século XX”. ”

Freqüentemente competindo contra os homens (e vencendo-os), Andersen levou o esporte a um nível totalmente novo.

Antes de Andersen entrar em cena, não havia shorts femininos ou protetores de pele, nem quase nenhuma roupa de neoprene para mulheres. Andersen também é creditada pela criação de um mercado para equipamentos de surf feminino.

Andrea Lopes

Andrea foi a primeira brasileira a ingressar no circuito profissional, em 1991, aos 17 anos. Também foi a primeira a vencer uma etapa do WCT, no Rio, em 1999. Além disso, tem 4 títulos de campeã brasileira (1999, 2001, 2002 e 2006) debaixo do braço. Suas conquistas fazem dela um ícone do surfe, e com certeza uma desbravadora de caminhos para as gerações futuras.

Keala Kennelly

Keala Kennelly Teahupoo
Keala Kennelly Teahupoo

Possivelmente uma das competidoras mais ferozes e francas no surf profissional, Keala Kennelly faz Teahupo’o parecer um passeio no parque. Uma atleta verdadeiramente talentosa que (sem pisar em um palanque) falou sobre as desigualdades entre o surf profissional masculino e feminino, Kennelly é uma pioneira corajosa e pioneira; com certeza um exemplo de garra e talento quando as ondas estão especialmente grandes.

Sarah Gerhardt

Sarah Gerhardt não é uma surfista profissional, mas dispensa apresentações entre os surfistas de ondas grandes.

No final de fevereiro de 1999, Sarah se tornou a primeira mulher a surfar Mavericks. Foi um marco para as mulheres surfando em ondas grandes e no geral. Criada em San Luis Obispo, ela cresceu confortável em água fria, e quando se mudou para North Shore de Oahu em meados da década de 1990, a lenda das ondas grandes, Ken Bradshaw, abriu um novo mundo para ela ao apresentá-la aos line ups do North Shore. Depois de se estabelecer em Santa Cruz em 1997 com seu marido, Mike, ela voltou seus olhos para o epicentro das ondas grandes da Califórnia: o local escuro, frio e assustador conhecido como Mavericks. Gerhardt imediatamente se apaixonou pela onda e pelas pessoas que a surfam.

Por que o surf de ondas grandes? Em uma reportagem à Outside online, ela responde:

“Existe o componente social. Eu tive muita energia negativa dos homens. Eu recebi um monte de reclamações, como “Você é uma garota, você não pode surfar.” Quando fui para ondas cada vez maiores, todos aqueles homens pessimistas estavam na praia chutando terra e eu poderia deixá-los para trás.

Eu poderia deixar tudo na praia. Eu poderia deixar a vida louca, a pobreza, a doença; todas as minhas preocupações. Surfar ondas grandes requer muita atenção e muito foco. Realmente meio que destila a vida até sua essência experiencial e apenas por aqueles breves momentos no tempo – talvez uma hora, ou talvez dez segundos em uma onda – foi exatamente o tipo de coisa que me libertou, para que eu pudesse ir voltar para a praia e enfrentar a vida.”

Layne Beachley

Layne Beachley competiu como surfista profissional por 20 anos e elevou o nível da indústria assombrosamente – ela ganhou 7 títulos mundiais, 6 deles consecutivos.

Layne não teve uma infância fácil. Ela nasceu Tania Maris Gardner e foi dada em adoção por Neil e Valerie Beachley. No entanto, tragicamente em 1979, Valerie faleceu, deixando Layne para ser criada por seu pai e amigos da família. Sua fuga e alegria foi surfar, esporte apresentado por seu pai quando ela tinha apenas 4 anos de idade.

Avance 10 anos ou mais, e Layne entra em sua primeira competição de surf aos 14 anos, e então se torna profissional aos 16 anos. Prepare-se mundial porque há um campeão em formação.

O circuito profissional não foi fácil para Layne; ela demorou 4 anos para finalmente vencer seu primeiro concurso. No entanto, com orientação da campeã mundial Pam Burridge ao longo do caminho, Layne finalmente começou a subir no ranking durante os 90 ‘. Então, em 1998, tudo se encaixou.

Layne Beachley, Ours, 2009. 

Layne Beachley empurrou a atual campeã mundial Lisa Andersen para fora dos holofotes e conquistou seu primeiro título mundial. Layne era imparável e continuou a ganhar o título pelos próximos 5 anos consecutivos.

A fenomenal surfista peruana Sophia Mulanovich conseguiu interromper a série de títulos de Layne em 2004. No entanto, Layne provou seu ponto ao voltar a ganhar um incrível sétimo título mundial em 2006.

Em 2008, Layne se aposentou do surf profissional após passar 20 anos em turnê. Ela agora administra seus próprios campos de surf na Austrália, escreveu sua biografia, dirige instituições de caridade e organiza a competição de surf Beachley Classic todos os anos. Dizer que ela está “aposentada” não faria justiça ao trabalho que Layne faz agora.

Rochelle Ballard

Surfista dinâmica de base regular, originária da ilha havaiana de Kauai, classificada em 2º lugar no ranking mundial em 2004 e geralmente considerada a primeira grande mulher tube rider. Nascida Rochelle Gordines em 1971, no subúrbio de Montebello, em Los Angeles, ela se mudou para Kauai com a família aos seis meses de idade e começou a surfar aos 11 anos, incentivada pela vizinho tetracampeã mundial Margo Oberg.

A moleca Gordines ficou em quarto lugar nos Campeonatos Mundiais de Surf Amadores de 1988 e 1990, e terminou em 15º como uma novata em turnê mundial profissional em 1991. Em 1997, ela ganhou a turnê World Qualifying Series e, no ano seguinte, terminou em 4º lugar no circuito de turnê mundial.

De 1993 a 2001, Ballard venceu oito eventos de circuito; a cada ano, de 1996 a 1999, ela terminou como vice-campeã mundial.

Mas a estatura do mundo do surf de Ballard teve pouco a ver com os resultados do tour e tudo a ver com suas performances inovadoras nas ondas profundas e violentas em lugares como Backdoor e Pipeline no Havaí (ela e seu marido se mudaram para North Shore em 1995) e Lance’s Right, nas Mentawais.

Ballard não foi a primeira mulher a surfar dentro do tubo, mas foi a primeira a fazê-lo habitualmente. Sempre uma surfista corajosa, no final dos anos 90 ela adicionou elegância e estilo a seu repertório, e foi capaz de ajustar sua velocidade por trás da cortina d’água, tecendo de uma seção oca para a próxima.

Era raro ver uma mulher andando nos tubos em 1995; cinco anos depois, as melhores mulheres eram todas competentes e, em alguns casos, tube riders de primeira linha. Como escreveu a jornalista de surf Gina Mackin em 2000, “Ballard foi a centelha que desencadeou a revolução das tube riders femininas”. Ela ganhou o Surfer Poll Award em 2000, 2001 e 2002, e terminou a temporada de 2004 em segundo lugar; três anos depois, aos 36 anos, ela deixou o tour mundial.

Ballard apareceu em dezenas de vídeos de surf (muitos produzidos por seu marido), incluindo Triple C (1996), Peaches (2000) e Poetic Silence (2001); ela também surfou com acrobacias para a atriz principal Kate Bosworth no filme surfista de 2002 da Universal, Blue Crush. Em 1999, Ballard foi cofundadora do International Women Surfers, um pequeno grupo de relações públicas / lobby que em 2000 ajudou a arrecadar o prêmio mínimo obrigatório em dinheiro para eventos femininos profissionais de turismo mundial.

Stephanie Gilmore

Se Layne foi a grande campeã dos anos 90, Stephanie Gilmore é o nome do novo milênio. A australiana começou a surfar aos 10 anos de idade e, entre os anos de 2007 e 2014, ganhou 6 títulos mundiais. Seu talento lhe rendeu, em 2010, o maior contrato na história do surfe feminino até o momento: 5 milhões de dólares por 5 anos de surfe. Mesmo sendo a mais velha do circuito feminino, Stephanie continua surpreendendo. Além de tudo isso, é dona de um estilo único, unindo força e graça, portanto nos faz colocá-la como a surfista mais estilosa desta lista.

Maya Gabeira

(texto Luciano Meneghello / revista Go Outside / #166) 

Aos 33 anos, Maya Gabeira definitivamente conquistou seu lugar entre os grandes nomes do surf mundial – um esporte majoritariamente masculino. Enfrentando medos e preconceitos, a carioca Maya setornou a primeira e únicamulher a entrar no Guinness Book como recordista da maior onda surfada no mundo. Recorde que ela, inclusive, quebrou novamente em 2020, ao surfar a maior onda do ano, entre homens e mulheres.

A onda gigantesca surfada pela brasileira em Nazaré, cidadezinha portuguesa a cerca de 100 km de Lisboa, foi estimada em 73,5 pés, o equivalente a 22,40 metros de altura, ou mais que um prédio de sete andares.

“A maior lição que o surf de ondas grandes me trouxe foi paciência, acreditar nos meus sonhos e persistir. Persistir é algo difícil, mas o surf me mostrou que vale a pena seguir sempre em frente.”

A brasileira, que conheceu o surf aos 13 anos de idade, segue em busca das ondas gigantes, sua grande paixão, mas revela que um novo recorde não é mais um objetivo central em sua vida. Maya, contudo, quer continuar vivendo o sonho de surfar ondas gigantes e perfeitas e seguir inspirando outras pessoas a alcançarem os seus, exatamente como ela conquistou os dela – mas não sem antes persistir muito, como há dois anos, quando teve de lutar para que o Guinness reconhecesse seu então recorde de onda de 20,7 metros.

Após uma petição com assinaturas de 20 mil pessoas, o guia enfim aceitou o feito da surfista e ainda criou uma categoria feminina para essa competição. Guerreira, ela também superou acidentes gravíssimos, como o ocorrido em Nazaré, em 2013, ao cair da prancha e ficar inconsciente.

Bethany Hamilton

Nascida no Havaí, Bethany começou a competir aos 8 anos de idade, mas sua promissora carreira teve um desvio em 2003. Em uma manhã de surfe, enquanto descansava na água, Bethany sofreu o ataque de um tubarão-tigre, que arrancou seu braço esquerdo. Contrariando as expectativas, Bethany retornou ao surfe cerca de um mês após o incidente, mostrando para todos que a perda de um braço não era um obstáculo para ela, provando-se uma das surfistas mais guerreiras de todos os tempos.

Sky Brown

Um prodígio do skate e do surf, Sky, 12 anos, redefine como olhamos para o surf e o skate de alta performance. Ela está anos-luz a frente em termos de técnica, seja no skate, ou no surf. Apesar de sua pouca idade, ela está nesta lista por uma questão óbvia: além do seu talento extraordinário, essa jovem com certeza reescreve paradigmas da performance, quebrando padrões do que muitos pensaram que uma menina não fosse capaz de fazer.

No vídeo acima você assiste a uma de suas façanhas: ela foi a primeira menina a dropar a mega-rampa.

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias

Dentro da sala de shape...

A Pyzel é uma boa prancha de surf. Você sabe disso porque alguns dos...

Ucrânia torna-se o 109º país...

Banhada pelo Mar Negro e sem acesso a nenhum dos oceanos, a Ucrânia acaba...

Margaret River Pro: confira as...

Após a ação no Narrabeen Classic, a elite do surf mundial segue para o...

‘Lost Track Atlantic’, um filme...

Em 'Lost Track Atlantic' os australianos Ishka Folwell e Torren Martyn viajam desde o...