Publicidade:

Publicidade:

Publicidade:

Se você fuma, aqui vai uma lista do que você precisa saber sobre o coronavírus


Enquanto casos do novo coronavírus continuam a crescer e levar a mais mortes, é fácil se sentir sobrecarregado com a situação. Não é hora para de entrar em pânico, e sim evitar transporte público e sair de casa, a menos que você seja um profissional de saúde na linha de frente. No entanto, é razoável querer saber o que está acontecendo e ficar atento com as fake news.

Se você fuma cigarro comum ou eletrônico, isso quer dizer que a saúde dos seus pulmões provavelmente está comprometida. Se você ligou os pontos, pode imaginar como é que isso te afeta em meio à uma pandemia global de infecção de pulmões.

Aqui vai o que os fumantes de cigarro comum e eletrônico precisam saber, segundo informações divulgadas pelo pneumologista Russell Buhr, da UCLA Health, em matéria para a Vice Brasil.

SOU FUMANTE. TENHO MAIS CHANCES DE FICAR DOENTE PELO CORONAVÍRUS?

Talvez – não sabemos ainda. “Sabemos que a exposição a tabaco e produtos de tabaco prejudica a habilidade do corpo de lutar contra uma infecção”, disse Buhr. Isso está estabelecido pela ciência. No geral, pulmões de fumantes têm dificuldade de responder de maneira eficaz a infecções. Fumar por muito tempo pode levar a doença pulmonar obstrusiva crônica (DPOC), uma condição que também torna as pessoas mais suscetíveis a infecções.

DOENÇAS CRÔNICAS PODEM PIORAR A INFECÇÃO.

“No geral, sabemos muito sobre coronavírus, eles estão na mesma categoria que causa a gripe comum”, disse Buhr. Mas esse é um novo coronavírus; pesquisadores ainda estão descobrindo como ele funciona, e investigando quem pode ser mais suscetível. Até agora, os atributos dessa categoria parecem consistentes com tempo e lugar: crianças correm menos risco de morrer da infecção, enquanto idosos correm mais risco. Doenças crônicas como diabetes e pressão alta tendem a piorar a infecção. Isso, segundo Buhr, é familiar para esse tipo de vírus.

Dito isso, ainda não sabemos se fumantes podem ser mais suscetíveis especificamente ao COVID-19, além do que já sabemos sobre como fumar prejudica sua habilidade de evitar infecções no geral. “Toda vez que os pulmões são comprometidos, isso facilita ser infectado e a pessoa tem mais dificuldade para se recuperar”, disse Yasmin Thanaval, professora do Departamento de Imunologia do Roswell Park Comprehensive Cancer Center em Buffalo, Nova York.

CONDIÇÕES ESPECIAIS PODEM PREJUDICAR A INFECÇÃO

Uma condição como DPOC, por exemplo, aumenta a probabilidade de infeções no geral – mas Thanavala aponta que ainda estamos descobrindo o que acontece com o pulmão de um paciente de coronavírus. “Não sabemos de ninguém que teve DPOC e coronavírus ao mesmo tempo”, ela disse. No momento, os chamados fatores de comorbidade, ou condições que os pacientes têm junto com o COVID-19 – incluindo doença cardiovascular, diabetes, doença respiratória crônica, hipertensão e câncer – se correlacionam com taxas maiores de morte entre os infectados. Mas não sabemos especificamente se fumantes levam a pior.

E O CIGARRO ELETRÔNICO? O VAPING TORNA AS PESSOAS MAIS SUSCETÍVEIS AO CORONAVÍRUS?

Thanavala estuda os efeitos do vaping; ela apontou que em camundongos, fumaça (direta e indireta) causava inflamação e reprimia a resposta imunológica. E enquanto os dados ainda estão emergindo, ela disse que em estudos pré-clínicos em camundongos, “fumaça de cigarro eletrônico alterava a capacidade do animal de responder a infecções”. Novamente, estamos falando sobre pulmões estarem comprometidos no geral, fora de qualquer vulnerabilidade específica ao coronavírus. Mas, segundo ela, “Seria razoável dizer que vaping no geral, e vaping com THC, pode comprometer a habilidade dos pulmões de lidar com infecções”.

TEM ALGUMA COISA QUE POSSO FAZER COMO FUMANTE PARA EVITAR A INFECÇÃO? 

Resposta curta: nada diferente do que as outras pessoas precisam fazer. Na falta de uma vacina ou tratamento direto, prevenção é a melhor defesa. Isso significa lavar as mãos e não tocar o rosto, tossir no cotovelo, entre outros passos básicos. E confie nos especialistas. “Queremos que as pessoas levem isso a sério”, disse Buhr. “As pessoas realmente precisam ouvir seus médicos.”

Talvez seja um bom momento para você largar o cigarro.

Veja também:

“Dê valor à vida. Ela não vale uma caidinha no mar,” diz Picuruta

Parece Puerto Escondido, mas é a Reserva, no RJ. 

Como lidar com a abstinência de surf

Qual prancha comprar? Jamie O’Brien responde

+Notícias

Vale a pena surfar em...

Sabemos que a alimentação adequada é fundamental para a saúde, e quando abordada no...

Foi a melhor sessão de...

Será que o sábado, 16/01, foi o dia da melhor sessão de tow in...

Lar Mar: Felipe Arias deixa...

Aos poucos a comunidade do surf paulista e amantes do lifestyle praiano em geral...

Fotógrafo fratura as costas durante...

O fotógrafo australiano Ryan Moss fraturou as costas enquanto registrava imagens do swell histórico...