27 C
Papeete
sexta-feira, 24 maio, 2024
27 C
Papeete
sexta-feira, 24 maio, 2024

Quero reanimar um afogado. E agora?

Surfistas encaram qualquer adversidade e, por isso, têm que estar preparados para todas as situações. Mas, entre todos os perigos no mar, perder a consciência – seja por um mal súbito ou uma forte pancada na cabeça – e se afogar é o mais ameaçador.

Quando isso acontece, a pessoa começa a se afogar e tem entre 4 e 6 minutos antes de as células do cérebro começarem a ser destruídas”, conta o big rider e bombeiro Marcos Monteiro, que em 2012 protagonizou o resgate heroico de Aldemir Calunga em Puerto Escondido, no México. “O ideal é que o resgate seja feito antes desse período. A partir daí, caso a vítima seja resgatada e reanimada, provavelmente vai haver algum tipo de sequela”.

Somente salva-vidas e socorristas com treinamento especializado estão aptos a realizar todas as etapas de um resgate, mas segundo David Szpilman, diretor médico da Sobrasa (Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático), há maneiras de prevenir ou auxiliar o trabalho destes profissionais caso alguém esteja se afogando.

Veja também

+ Jamie O’Brien ataca de ‘operário do surf’

+ Kai Lenny e Ian Walsh surfam o melhor Mavericks de suas vidas

+ Samuel Pupo e João Chianca garantem vaga no CT 2022 e JJ Florence vence o Haleiwa Challenger

Atitudes simples como observar o mar por alguns minutos antes de entrar, verificar se o estrepe (leash) está em boas condições ou se há algum perigo no local como pedras e recifes já ajudam a evitar o afogamento, que é a maior causa de morte entre os surfistas”, afirma. “Além disso, evite a qualquer custo o trauma na cabeça. Este é o único tipo de trauma que pode matá-lo durante o surf”, complementa Szpilman.

Criada em 1995, a Sobrasa nasceu com o objetivo de reunir profissionais da área e atualizá-los sobre novas técnicas de salvamento, além de promover cursos de capacitação para pessoas comuns. Uma cartilha divulgada pela entidade ensina como uma pessoa comum deve proceder durante um afogamento.

O primeiro passo é verificar se a pessoa está consciente ou não. Depois, aproximar-se pelo local mais seguro, sair parcialmente da prancha e colocar a vítima sobre ela, virando o bico para a areia e acelerando o resgate”, recomenda a Sobrasa, que adverte o surfista a chamar os Bombeiros pelo número 193 imediatamente em qualquer emergência.

Para Marcos Monteiro, os cursos de primeiros socorros deveriam ser matéria obrigatória nas escolas. “Qualquer pessoa pode se tornar apta a fazer uma reanimação cardiopulmonar (CPR), desde que passe por treinamento específico. O surfista tem que estar sempre muito bem preparado”, ressalta o big rider.

Resumindo:

  • Medidas simples podem evitar o afogamento, como observar o mar alguns minutos antes de entrar ou verificar se o estrepe (leash) está em boas condições;
  • O único trauma que pode matar durante o surf é a pancada na cabeça, por isso proteja a área e evite a qualquer custo bater a cabeça na prancha ou no fundo;
  • Qualquer pessoa pode se tornar apta a fazer um salvamento, desde que passe por treinamento específico ou de primeiros socorros;
  • Se o afogamento acontecer, o que um “leigo” no assunto pode fazer é iniciar o resgate da melhor maneira possível antes da chegada de um profissional;
  • Chamar sempre o Corpo de Bombeiros pelo número 193 e aguardar as orientações do profissional.

Se Liga:

– A Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático realiza frequentemente cursos de capacitação para o resgate na água. Para ficar por dentro dos horários e datas, acesse sobrasa.org.

 

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias