Publicidade:

Quem são os brasileiros com mais chances de garantir uma vaga no CT?

* Por Luciano Meneghello

Haleiwa Challenger, a última e decisiva etapa do circuito Challenger Series da WSL, abre sua janela de espera no dia 26 de novembro oferecendo a porta de entrada para as últimas vagas para a elite do surf mundial, o Championship Tour, nas pesadas direitas da costa norte de Oahu.

Os resultados da penúltima etapa, realizada na França, deixaram o ranking do circuito classificatório bastante difuso, com a maioria das 12 vagas masculinas e 6 femininas a serem definidas em Haleiwa.

Dentro desse cenário, a situação dos surfistas brasileiros que lutam por uma vaga no CT não é das melhores, ainda mais para uma torcida acostumada a ver um domínio por completo na divisão de elite.

Veja também:

+Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet

+ Representatividade no surfe: aonde isso me levou?

Atualmente ocupando a sexta colocação no ranking da Challenger Series, João Chianca é o brasileiro com maiores chances de entrar para o championship tour no próximo ano.

Chianca, assim como seu irmão mais velho, Lucas, é conhecido por sua disposição para ondas pesadas e, dessa forma, decidir a vaga no Havaí conta a seu favor.

Brasileiros chances no CT
Samuel Pupo é outro brasileiro que chega à Haleiwa também dentro da classificação para o CT. Foto: Damien Poullenot/ WSL

Samuel Pupo, em 15º, chega a Haleiwa também dentro da classificação para o CT, pois três entre os doze primeiros colocados no ranking (Kanoa Yagarashi, Leonardo Fioravanti e Griffin Colapinto) já estão classificados via CT e, portanto, “cederão” suas vagas para os surfistas do CS.

Lucas Silveira e Mateus Herdy, ambos empatados em 17º, estão “colados” da zona de classificação e tem chances reais de alcançar a sonhada vaga para a elite mundial do surf.

Thiago Camarão, em 28º, e Alejo Muniz, em 29º, ficam mais distantes do CT, mas, por serem surfistas experientes e com habilidades comprovadas em ondas pesadas, como as havaianas, podem surpreender, ainda que também dependam de um mau resultado de seus adversários na etapa.

Baterias praia mole
No caso das mulheres, que disputam somente seis vagas, o quadro está mais complicado para as brasileiras. Silvana Lima, melhor surfista do Brasil no CS, ocupa atualmente a 33º colocação. Foto: Damien Poullenot/ WSL

Ainda, com chances matemáticas de classificação temos Alex Ribeiro (32º), Edgard Groggia (33º), Jesse Mendes (40º) e Wiggolly Dantas (42º), que tem grande intimidade com as ondas havaianas e é muito querido pelos locais.

No caso das brasileiras, Silvana Lima, em 33º e Summer Macedo em 35º, estão longe da zona de classificação. Matematicamente elas têm chances, mas precisam chegar às finais de Haleiwa e ainda torcer para um tropeço das primeiras colocadas no ranking.

Difícil, porém não impossível. E para quem está acostumado a lidar com dificuldades e falta de apoio, como no caso dos surfistas brasileiros, está será apenas mais uma prova de resiliência. Torcida não lhes faltará.

Ranking do Challenger Series pós França

Homens | Challenger Series Top 12:

1 – Kanoa Igarashi (JPN)
2 – Ezekiel Lau (HAV)
3 – Jake Marshall (EUA)
4 – Imaikalani Devault (HAV)
5 – Nat Young (USA)
6 – Connor O’Leary (AUS)
6 – Lucca Mesinas (PER)
6 – João Chianca (BRA) 
9 – Liam O’Brien (AUS)
9 – Griffin Colapinto (USA)
11 – Carlos Munoz (CRI)
12 – Callum Robson (AUS)

Mulheres | Challenger Series Top 6:

1 – Brisa Hennessy (CRI)
2 – Gabriela Bryan (HAV)
3 – Caitlin Simmers (USA)
4 – India Robinson (AUS)
5 – Sawyer Lindblad (USA)
6  – Vahine Fierro (FRA)

Ranking completo AQUI.

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias