30 C
Papeete
terça-feira, 21 maio, 2024
30 C
Papeete
terça-feira, 21 maio, 2024

Quem é Luana Silva, o novo reforço da Brazilan Storm?

Este mês Luana Silva declarou oficialmente que representaria o Brasil daqui para frente em competições oficiais de surf.

Nascida e criada no Havaí, Luana é filha de brasileiros e fala português fluentemente, ainda que com forte sotaque estadunidense.

Com 18 anos completados em abril deste ano, ela já conquistou resultados expressivos em sua carreira de competidora, incluindo uma vitória na etapa portuguesa do Challenge Series. Também avançou até as oitavas-de-final em Pipeline, na primeira edição do campeonato feminino do Tour por lá.

Luana Silva
Nascida no Havaí mas filha de brasileiros, Lua Silva passa a representar o Brasil nas competições de surf. Foto: WSL

A intimidade com ondas as fortes ondas havaianas vem desde cedo. Competindo no QS desde 2017, ela estrou em Pipeline aos 12 anos, sempre chamando a atenção por sua disposição nesse tipo de mar.

Veja também:

Mundial de Longboard 2022 será decidido em Malibu

Estudo revela interações entre surfistas e tubarões

Contudo, Luana surfa muito bem qualquer tipo de onda. Experiência lapidada através de uma série de viagens a lugares como Maldivas, Indonésia, Taiti, México, entre outros picos de qualidade internacional.

As viagens, inclusive, tiveram um peso maior em sua formação como atleta do que as competições. Seus pais priorizaram as surf trips ao invés das competições Pro Júnior, ainda que Luana tenha, evidentemente, participado de um número suficiente de competições.

Talvez por esse motivo, Luana não tem um título Pro Júnior, mas sempre figurou entre as Top 10. Mas tem dois títulos no circuito estadunidense de surf, o “NSSA”: um na Sub-14 e outro na Sub-18. Ela também já competiu por Pernambuco, em um Brasileiro Amador, durante uma viagem com seus pais ao Brasil.

Atualmente em nono lugar no ranking do Challenger Series, Luana Silva saiu no corte do meio da temporada, mas sua volta ao CT é apontada como “muito provável”.

Ela também entra na briga direta por uma vaga nas olimpíadas de 2024 para representar o Brasil em Teahupo’o.

Sua experiência nesse tipo de mar será muito importante e uma chance a mais para o surf brasileiro brilhar nos jogos olímpicos.

 

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias