Publicidade:

Peter Cole, pioneiro do surf de ondas grandes, morre aos 91 anos

Peter Cole, um dos grandes pioneiros do surf de ondas grandes, faleceu no último sábado, 5 de fevereiro, de forma pacífica, enquanto dormia em sua casa, em Oahu, Havaí.

Nascido em 12 de outubro de 1930, Cole tinha 91 anos e a causa da morte foi um problema cardíaco que vinha piorando nos últimos meses, disse seu filho, acrescentando que seu pai estava feliz e animado, cercado pela família em seus últimos dias.

Kelly Slater faz história com vitória no mar épico do Billabong Pro Pipeline

+ Moana Jones Wong vence o Billabong Pro Pipeline

+ Seis sugestões livros de surf para ler no verão

Todos nós nos sentimos tão afortunados por compartilhar este último estágio de sua vida com ele”, disse o jovem Cole, “e quando ele teve uma última onda de consciência e energia na noite de quinta-feira, fomos capazes de desfrutar de seu charme gracioso e humor inteligente mais uma vez”.

PETER COLE – PIONEIRO DO BIG SURF

Peter Cole
Esquerda para direita: George Downing, Rabbit Kekai, Conrad Canha, Jamma Kekai (irmão do Rabbit), Peter Cole e Wally Froiseth. Makaha International Surfing Championships 1960. Foto: Clarence Maki.

Um dos pioneiros do grupo de surfistas nascidos na Califórnia que ajudaram a reviver e modernizar a tradição havaiana de surfe de ondas grandes no final dos anos 1950 e início dos anos 1960, Cole, com seu irmão gêmeo idêntico Cornelius, nasceu em Los Angeles e começou a surfar aos 14 anos quando a família se mudou para Santa Monica, de acordo com a “Encyclopedia of Surfing” de Matt Warshaw.

Ele se formou em 1953 como bacharel em belas artes pela Universidade de Stanford, onde jogou pólo aquático e foi um nadador de estilo livre de meia distância representando sua universidade em competições nacionais.

Enquanto estudava em Stanford, Cole dirigia pela cordilheira costeira até Santa Cruz para pegar as famosas ondas grandes de Steamer Lane.

Ele se mudou para Honolulu em 1958 para ensinar matemática na Punahou School, onde seus alunos incluíam os futuros campeões de surf Gerry Lopez e Jeff Hakman.

Peter Cole
Peter Cole, Sunset 1961. Foto: LeRoy Grannis

Ele também queria “testar sua coragem na costa norte de Oahu, que naquela época começava a tomar o lugar de Makaha como o centro do surf de ondas grandes na ilha”, escreveu Warshaw.

Faziam parte dessa geração George Downing, Wally Froiseth e os californianos Buzzy Trent, Pat Curren, Fred Van Dyke, Greg Noll e Ricky Grigg.

Warshaw descreve Peter Cole como um homem “brilhante, gracioso e perseverante”, que esperava pela maior onda do dia e geralmente a recebia.

Cole recebeu um mestrado em ciências da informação pela Universidade do Havaí em 1971 e trabalhou como analista de pesquisa operacional para o Serviço Civil da Marinha.

Em 1972, Cole foi atingido por sua prancha de surf e ficou cego do olho direito, mas continuou a ser reconhecido como um dos surfistas mais ousados ​​do esporte.

Peter era um indivíduo de primeira classe, único”, disse Keone Downing, filho de George Downing.

Ele era uma presença constante nos melhores e maiores mares; quando você o via na água, sabia que as condições estavam boas”, disse Downing, acrescentando que se lembrava vividamente de Cole dominando em Sunset Beach, onde surfou até meados dos anos 2000, “sempre com sua camiseta branca em sua prancha amarela e ele nunca usava leash”.

Cole
Cole foi introduzido no Hawaii Waterman Hall of Fame em 2011. Foto: Reprodução

Para Cole, que foi introduzido no Hawaii Waterman Hall of Fame em 2011, a invenção do leash “arruinou o surf”, pois, em sua visão, se um surfista não fosse um bom nadador, não deveria surfar ondas grandes.

Um dedicado conservacionista dos oceanos e vigilante do desenvolvimento, ele atuou como presidente da Sunset Beach Community Association e foi presidente fundador da divisão de Oahu da Surfrider Foundation.

O “The Encyclopedia of Surfing” destaca uma citação de Cole sobre sua relação com o surf e longevidade na água: “Para um surfista chegar à velhice, é importante que o surf não seja nada mais do que uma atividade recreativa; nunca deve ser a vida inteira de uma pessoa.”

Cole apareceu em meia dúzia de filmes de surf, incluindo “Surf Safari” (1959), “Barefoot Adventure” (1960) e “Cavalcade of Surf” (1962), e em “Surfing for Life”, um filme de 1999 sobre surfistas com idade avançada.

Cole era um surfista comum – talvez o maior de todos”, escreveu Warshaw uma postagem feita em homenagem a Cole.

“Ele era quem queríamos ser, não apenas como surfista, mas como pessoa.”

Eu tive muita sorte”, disse seu filho Peter Cole, um artista. “É impossível imaginar um pai mais solidário e amoroso.

Além de sua esposa, Paula, Peter deixa três filhos, seis netos, sobrinhos e sobrinhas. O irmão de Cole, Cornelius Cole, morreu em 2011.

A família do lendário surfista informa que será realizada uma remada em homenagem à Peter Cole em Sunset Beach, onde suas cinzas serão espalhadas.

Com informações de Star Honolulu Adviser / The Encyclopedia of Surfing.

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias