Publicidade:

“Nosso surf vale menos,” diz campeã pela igualdade das mulheres no surf

Em seu discurso de agradecimento no pódio, Lucy Small, campeã feminina do Curly Maljam, campeonato de longboard realizado no sábado (24) em Sydney, na Austrália, deu  aula e reivindicou igualdade das mulheres como atletas de surf frente aos homens.

Lucy mostrou seu descontentamento por receber $ 1.500,00 – menos da metade do prêmio em dinheiro em relação à categoria masculina, que era de $ 4.000,00.

“Obrigado aos patrocinadores que investiram no evento, mas essa é uma vitória agridoce, pois nosso surf vale metade do prêmio em dinheiro com relação aos homens”, disse ela.

Leia também: 
+ The NY Times enaltece pioneirismo de Maya Gabeira e fala de sexismo no big surf
+ Conheça estas 14 mulheres surfistas lendárias da história do surf
+ “Minha carreira é super controversa; não é linear,” diz Maya Gabeira

Um vídeo de seu discurso foi enviado às plataformas de mídia social da competição, mas depois foi removido.

Small então postou o vídeo em seu próprio Instagram e pediu às pessoas que enviassem suas opiniões por e-mail aos organizadores do evento, o Curl Curl Longboarders Club.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Lucy Small (@saltwaterpilgrim)

“Estamos cansadas”

“Demorava a mesma coisa para dirigir aqui, os voos custavam o mesmo, a hospedagem custava o mesmo e nosso surf vale a metade. Então, talvez possamos pensar sobre isso na próxima vez,” disse Small.

A campeã do evento disse que só descobriu a lacuna quando viu os cheques na premiação.

“Estamos cansadas disso”, disse ela. “Realmente cansada em colocar tanto tempo, esforço e dinheiro e investir tanto para ir a esses eventos … e receber menos da metade da recompensa.”

“Fizemos algo ilegal? Não. Isso é mais uma questão moral … não fizemos nada ilegal ”, disse o secretário do clube, Phil Nicol.

Nicol defendeu a lacuna nos prêmios em dinheiro e disse que a quantia maior para os homens era um esforço de marketing para atrair nomes para o evento.

O secretário do clube disse também que menos mulheres surfam regularmente em North Curl Curl por conta das ondas desafiadoras.

O presidente do clube, Tim Reilly, disse que o prêmio em dinheiro se tornou desigual, pois era assim desde que o evento foi fundado em 2011.

Small disse que presumiu que todos os torneios seguiram a cartilha adotada pela Liga Mundial de Surf, que se comprometeu a igualar o prêmio em dinheiro entre homens e mulheres em 2018. O evento em North Curl Curl não foi uma competição sancionada pela WSL.

Nicol disse que o comitê do clube recebeu o feedback e fará no futuro o mesmo prêmio em dinheiro para todas as categorias, incluindo menores de 21 anos e maiores de 50 anos.

Repercussão nas redes

Small disse que a resposta foi extremamente positiva, com muitas surfistas e espectadoras agradecendo.

Inclusive, o post que ela fez em seu Instagram, rendeu centenas de comentários de surfistas do mundo todo apoiando a causa.

Entre elas, a longboarder carioca Chloé Calmon, que disse “Muito bem, Lucy”, e a ex-campeã do circuito mundial, Jessi Miley-Dyer que exclamou “Bom para você! Eu te apoio.”

"Nosso surf vale menos," diz campeã pela igualdade das mulheres no surf
“Nosso surf vale menos,” diz campeã pela igualdade das mulheres no surf

A lendária longboarder e ativista, Belinda Baggs, também comentou e chamou Lucy de lenda.

Small questionou a declaração de Nicol sobre as mulheres raramente surfando North Curl Curl por conta das condições difíceis.

“Estava tudo bem lá fora,” ela disse. “Não somos pequenos narcisos frágeis que não conseguem passar por uma arrebentação,” ela concluiu.


Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias