Publicidade:

Navio encalha em Nusa Lembongan e gera “piscina de ondas” para locais

Um desastre marítimo se abateu sobre a ilha irmã de Bali: um grande navio encalhou em Nusa Lembongan, mas, nem tudo são más notícias, segundo o escritor Matt George em texto no Magic Sea Weed.

Essa enorme embarcação industrial transportava suprimentos para construir o novo porto turístico; se separou de seu rebocador nas grandes ondas e encalhou no notório recife noroeste da ilha.

Leia: 
+ Bali registra o maior swell de 2021
+ Lutador MMA BJ Penn quase morre em acidente em piscina de ondas

Surpreendentemente, esta embarcação pousou exatamente no mesmo local que outro navio de carga gigante que anteriormente encalhou no final dos anos 1960. O navio deu o nome ao famoso surf break – Shipwrecks (Naufrágios, em português).

Ou Shippies se você for australiano.

Não que atualmente seja um desastre muito ruim para os surfistas locais, que estão aproveitando o balanço que ricocheteia na embarcação exatamente da mesma maneira que fazia durante os anos 1970 e 1980, antes de o navio original ser devorado pelo mar.

“É como nossa própria piscina de ondas agora,” diz o diretor de competição do clube Nusa Lembongan Boardriders, Komo Wilson: “Nós, rapazes, só ouvimos dos mais velhos como era a onda quando o primeiro navio chegou ao recife. E sempre teve inveja porque a onda era supostamente muito melhor. Mas agora acreditamos neles, porque até os mais velhos estão dizendo que a onda está de volta!”

Embora tenha sido surfado pela primeira vez por Bob Brown em 1974 e apresentado em algumas revistas australianas, Shipwrecks se tornou internacionalmente famosa no filme de surf de 1982, Band On the Run, estrelado por Rabbit Bartholomew. Assistir Rabbit abrir caminho idílico tubo após tubo em uma pequena ilha descolada longe das multidões de Bali criou não apenas um novo destino de fantasia, mas também inspirou surfistas de todo o mundo a explorar 17.500 outras ilhas da Indonésia em busca de seu próprio pedaço do paraíso. E todos nós sabemos o que aconteceu com isso.

Quando questionado sobre o impacto ambiental deste recente incidente marítimo, Komo respondeu: “Bem, a embarcação não está carregando um monte de combustível e óleo. Graças aos deuses por isso. E todos, até mesmo nós surfistas, estamos contribuindo para levar a coisa de volta ao mar. E também você pode ver que a embarcação está parada no mesmo sulco que foi feito pelo primeiro navio que encalhou.

“Então, o dano ao recife está aí, com certeza, mas pelo menos o recife já provou que pode levar uma surra. Então, todos nós estamos tentando ser positivos, ajudar no que podemos e aproveitar as ondas enquanto podemos. São como nossas próprias rochas de Snapper, decolando naquela explosão e indo em direção à ela. A energia é incrível.”

Os esforços continuam para minimizar os danos ao recife e colocar a embarcação em segurança. Enquanto isso, uma cerimônia balinesa está em andamento para abençoar os esforços de resgate e o recife sagrado e as ondas que atraem os surfistas que são uma parte vital da indústria do turismo da ilha.

“Obviamente, não queremos que dure para sempre,” diz Komo. “E nosso clube de boardriders está envolvido no trabalho. Estamos aconselhando surfistas que conhecem o recife melhor do que ninguém. Esse recife fornece muito alimento para a ilha então precisamos dele de volta, com certeza. A situação das ondas é apenas um pequeno sonho que vai embora e estamos ok com isso. A prioridade é salvar o recife e manter nossas águas limpas.”

Quer ajudar? O Projeto Nasi trabalha em estreita colaboração com o clube Nusa Lembongan Boardriders. Visite aqui para mais informações.

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias