Publicidade:

Miguel Tudela e Sol Aguirre vencem QS 1000 em Galápagos

Os peruanos Miguel Tudela e Sol Aguirre consagraram-se os campeões da Copa Sails of Change Galápagos QS 1000, realizada nas esquerdas de Tongo Reef, no Equador.

Ambos deram um show nas finais, respectivamente contra o jovem brasileiro Ryan Kainalo e a experiente equatoriana Dominic Barona, que assumiu a liderança no ranking regional da WSL da América Latina.

Confira:
+ Surf na Pororoca: empresa lança roteiro turístico
+ Laje de Ubatuba desperta no domingo de Páscoa [VÍDEO]
+ Melhor tubo da história da Laje de Ipanema? (assista)


“Estou contente pela vitória, mas a verdade é que a final foi bastante difícil, porque o Ryan (Kainalo) começou muito bem. Mas me recompus para tentar pegar boas ondas e acertei aquele aéreo, que me deu uma nota alta (9,50)”
, disse Miguel Tudela. “Estou feliz em voltar a vencer um QS e é incrível poder competir em ondas tão boas como essas. Foi importante para mostrar o potencial desse lugar e só tenho que agradecer a todos os organizadores, a todas as pessoas daqui desse paraíso incrível. Quero agradecer também a todos do Peru, que estavam me apoiando, mandando mensagens e especialmente para a minha mãe, porque amanhã é o Dia das Mães e Arriba Peru!”.

Esta foi a quinta final de Miguel Tudela em etapas do WSL Qualifying Series e a sua terceira vitória. As outras duas foram em eventos no Peru, em 2012 e em 2017. No sábado decisivo, todos os recordes do campeonato foram batidos nas semifinais.

No primeiro confronto do dia, Ryan Kainalo tinha superado as marcas dos dois primeiros dias, atingindo 18,15 pontos com notas 9,40 e 8,75. Após esta vitória sobre Rodrigo Saldanha, ele passou por outro brasileiro nas semifinais, Vitor Ferreira.

Miguel Tudela usou os aéreos para vencer as baterias decisivas (Crédito: Kevin Moncayo / Copa Sails of Change)

Mas, na disputa seguinte, Miguel Tudela começou a arriscar os aéreos e acertou um kerrupt flip de frontside muito alto, que arrancou a primeira nota 10 do ano na América do Sul. Neste duelo de surfistas olímpicos contra o chileno Manuel Selman, o peruano ainda tirou duas notas excelentes, 8,35 e 8,50. Com os 18,50 pontos, se tornou o recordista absoluto não só da Copa Sails of Change Galápagos, mas de todas as três etapas da temporada 2022/2023 da WSL América Latina.

Na categoria feminina, Sol Aguirre também foi imbatível com seu ataque agressivo de backside nas esquerdas perfeitas de Tongo Reef. Na semifinal contra a brasileira Isabela Saldanha, ela só surfou três ondas, ganhando nota 9,00 na primeira, 7,50 na segunda e 8,35 na terceira. Com esta última nota, fez o maior placar feminino da temporada 2022/2023 também. Os seus 17,35 pontos superaram os 17,10 de outra peruana, Daniella Rosas, na Argentina.

Na outra semifinal, Dominic Barona venceu o duelo equatoriano com Genesis Garcia por 11,50 a 9,75 pontos e já passou a dividir a liderança do ranking regional da WSL América Latina com Daniella Rosas.

Se a rainha do surfe equatoriano vencesse a Copa Sails of Change Galápagos, se isolaria na frente. Mas, Sol Aguirre estava imbatível nas ondas de Tongo Reef. Ela praticamente garantiu a primeira vitória da sua carreira em etapas do WSL Qualifying Series, nas duas primeiras ondas que surfou e valeram notas 7,00 e 8,25.

Sol Aguirre conquistando sua primeira vitória no WSL Qualifying Series (Crédito: Kevin Moncayo / Copa Sails of Change)

“Nem consigo acreditar, mas estou superfeliz em ganhar o meu primeiro QS e só posso agradecer este momento, com o mar, com as ondas e com competidoras tão boas, como a Mimi (Dominic Barona)”, disse Sol Aguirre, na entrevista para a sua irmã, Leilani Aguirre, que estava trabalhando na transmissão ao vivo do evento. “Poder estar neste país tão lindo, conhecer lugares tão bonitos, foi incrível. Na semifinal, só queria surfar sem pensar em nada, mas agora na final me concentrei mais e estou superfeliz. Eu quero agradecer a todos meus patrocinadores, minha família também que sempre me apoia e a todos os peruanos que estão assistindo, pois só quero representar bem meu país”.

Baterias finais

A decisão do título feminino foi a primeira a entrar no mar e Sol Aguirre já começou forte, com dois ataques potentes de backside no crítico da onda, que valeram nota 7,00.

Dominic responde rasgando sua primeira onda com dois cutbacks de frontside. Mas, a peruana logo detona outra esquerda, jogando muita água nas manobras, com a segunda invertendo a direção da prancha e as quilhas passando do lip. Os juízes dão 8,25 nessa onda e o máximo que Dominic conseguiu depois, foi nota 5,15. Com isso, a primeira vitória da jovem peruana de apenas 18 anos de idade, foi confirmada por uma larga vantagem de 15,25 a 9,00 pontos.

Dominic Barona assumiu a liderança no ranking da WSL Latin America (Crédito: Kevin Moncayo / Copa Sails of Change)

Na final masculina, Miguel Tudela pegou as primeiras ondas e já arriscou um aéreo, porém não aterrissou. Enquanto Ryan Kainalo fica com a prioridade de escolher a próxima, o peruano pega outra que ele deixa passar e dessa vez escolhe usar a borda da prancha para fazer uma série de manobras, vibrando na finalização. O brasileiro vem na onda de trás mostrando a potência do seu backside, com batidas verticais e fortes rasgadas abrindo grandes leques de água, até a finalização na junção. Miguel ganha nota 8,00 e a do Ryan valeu 8,90.

Não demora e o brasileiro pega outra onda boa para repetir seu ataque feroz de backside, que vinha batendo recordes a cada bateria. Ele recebe nota 7,50 nesta segunda onda e abre 8,41 pontos de vantagem sobre o peruano nos primeiros 15 minutos, dos 35 de duração da bateria. O jogo se inverte e Ryan passa a pegar as ondas que Miguel deixa passar, mandando um aéreo 360 um pouco baixo, não conseguindo trocar a sua nota mais baixa.

O peruano escolhe a segunda onda da série e usa a sua arma em outro voo espetacular, como o da nota 10 na semifinal. Não foi um aéreo kerrupt flip tão alto, mas os juízes dão 9,50 e ele assume a ponta com 17,50 pontos, contra 16,40 do brasileiro, que passa a precisar de 8,61 para vencer, e assim, Tudela fica com o caneco.

Ryan Kainalo mostrou um backside poderoso nas esquerdas de Tongo Reef (Crédito: Kevin Moncayo / Copa Sails of Change)

“Estou muito contente, porque é muito difícil competir com surfistas tão bons no QS, então estou feliz pelo resultado também”, disse Ryan Kainalo. “Foi muito especial fazer a final aqui em Galápagos, um lugar incrível com altas ondas. Ainda tem muitos campeonatos esse ano e estou contente por começar bem, já fazendo uma final no início da temporada”.

Mudanças nos rankings

O resultado da Copa Sails of Change Galápagos QS 1000 provocou várias mudanças nos rankings regionais da WSL Latin America, que classificam os surfistas da América do Sul para o Challenger Series – o único caminho para se chegar na elite do surf da WSL. O campeão, Miguel Tudela, não tinha participado das duas primeiras etapas e já começa em quinto lugar com os 1.000 pontos recebidos.

O único que poderia tirar a liderança do argentino Santiago Muniz em Galápagos, era o brasileiro Gabriel André, mas só conseguiria isso com a vitória e foi barrado por Miguel Tudela nas quartas de final. Mesmo assim, ele subiu para o segundo lugar com 1.216 pontos, que foram igualados por Ryan Kainalo com seu vice-campeonato no Equador. Os dois estão empatados na vice-liderança do ranking das três primeiras etapas da temporada 2022/2023.

Manuel Selman perdeu o duelo de surfistas olímpicos nas semifinais (Crédito: Kevin Moncayo / Copa Sails of Change)

Além dos finalistas, mais três surfistas entraram no grupo dos 10 primeiros colocados, que serão indicados para o Challenger Series de 2023. Dois são os brasileiros derrotados no sábado por Ryan Kainalo, que estava em 18.o lugar. Rodrigo Saldanha perdeu nas quartas de final e subiu da 23.a para a oitava posição com os 500 pontos do quinto lugar. Os outros são os semifinalistas Vitor Ferreira e Manuel Selman, que marcaram 650 pontos. O brasileiro saltou do 37.o para o sétimo lugar e o chileno subiu da 38.a para a nona posição.

Já no ranking feminino da WSL Latin America, apenas as finalistas da Copa Sails of Change Galápagos entraram no grupo das quatro que se classificam para o Challenger Series. A equatoriana Dominic Barona passou a dividir a liderança com a peruana Daniella Rosas e a campeã, Sol Aguirre, está empatada em terceiro lugar com a brasileira Tainá Hinckel, que venceu a etapa passada, a primeira do Circuito Banco do Brasil de Surfe em Santa Catarina.

Próximas etapas

A batalha pelas vagas da WSL Latin America para o Challenger Series 2023, prossegue com mais duas etapas seguidas neste mês de maio. Na quinta-feira, já começa a segunda do Circuito Banco do Brasil de Surfe na Praia de Stella Maris, em Salvador, na capital da Bahia.

A outra será no Chile, que vai promover nos dias 17 a 22, o primeiro QS 3000 da temporada 2022/2023, o Quiksilver Iquique Pro e o Roxy Iquique Pro, além das primeiras seletivas sul-americanas para o Mundial Junior da World Surf League.

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DA COPA SAILS OF CHANGE GALÁPAGOS:
Campeão: Miguel Tudela (PER) por 17,50 pts (9,50+8,00) – US$ 2.000 e 1.000 pts
Vice-campeão: Ryan Kainalo (BRA) com 16,40 pts (8,90+7,50) – US$ 900 e 800 pts

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 550 e 650 pontos:
1.a: Ryan Kainalo (BRA) 15,95 x 11,35 Vitor Ferreira (BRA)
2.a: Miguel Tudela (PER) 18,50 x 15,05 Manuel Selman (CHL)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com US$ 250 e 500 pontos:
1.a: Ryan Kainalo (BRA) 18,15 x 13,10 Rodrigo Saldanha (BRA)
2.a: Vitor Ferreira (BRA) 16,50 x 10,15 Philippe Neves (BRA)
3.a: Manuel Selman (CHL) 16,50 x 15,25 Snaider Parrales (ECU)
4.a: Miguel Tudela (PER) 15,50 x 14,00 Gabriel André (BRA)

DECISÃO DO TÍTULO FEMININO:
Campeã: Sol Aguirre (PER) por 15,25 pts (8,25+7,00) – US$ 2.000 e 1.000 pts
Vice-campeã: Dominic Barona (ECU) com 9,90 pts (5,15+4,75) – US$ 900 e 800 pts

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 550 e 650 pontos:
1.a: Dominic Barona (ECU) 11,50 x 9,75 Genesis Garcia (ECU)
2.a: Sol Aguirre (PER) 17,35 x 13,55 Isabela Saldanha (BRA)

TOP-10 DO RANKING 2022/2023 DA WSL LATIN AMERICA – 3 etapas:
01: Santiago Muniz (ARG) – 1.650 pontos
02: Ryan Kainalo (BRA) – 1.216
02: Gabriel André (BRA) – 1.216
04: Leo Casal (BRA) – 1.150
05: Alejo Muniz (BRA) – 1.000
05: Miguel Tudela (PER) – 1.000
07: Vitor Ferreira (BRA) – 860
08: Rodrigo Saldanha (BRA) – 855
09: Manuel Selman (CHL) – 850
10: Alonso Correa (PER) – 800
10: Messias Felix (BRA) – 800

TOP-10 DO RANKING 2022/2023 DA WSL LATIN AMERICA – 3 etapas:
01: Daniella Rosas (PER) – 1.650 pontos
01: Dominic Barona (ECU) – 1.650
03: Taina Hinckel (BRA) – 1.500
03: Sol Aguirre (PER) – 1.500
05: Isabela Saldanha (BRA) – 1.200
06: Melanie Giunta (PER) – 1.000
06: Genesis Garcia (ECU) – 1.000
08: Nairê Marquez (BRA) – 995
09: Arena Rodriguez (PER) – 950
10: Kiany Hyakutake (BRA) – 945

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias