26 C
Papeete
sábado, 20 julho, 2024
26 C
Papeete
sábado, 20 julho, 2024

Massa gigantesca de algas no oceano preocupa ambientalistas

Há uma massa gigante de algas entrelaçadas no oceano indo diretamente para a costa da Flórida, nos Estados Unidos, nas próximas semanas, um fenômeno que, embora administrável, agora ameaça a vida selvagem e a economia do Sunshine State.

Trata-se de uma enorme quantidade da alga Sargassum, que se estende por mais de 8 mil km. Isso é cerca de duas vezes a largura dos Estados Unidos.


Veja também:
+ Salto de 16 para 171 trilhões de plástico no oceano preocupa pesquisadores
+ Orca encontrada morta tinha quase 1 metro de plástico no estômago 

 

Sargassum, conforme definido pela NOAA, é “um gênero de alga marrom que flutua em massas semelhantes a ilhas e nunca se liga ao fundo do mar”.

Bem, essa massa – uma das maiores já registradas – está indo para o oeste e os cientistas podem vê-la do espaço.

“É incrível”, disse Brian LaPointe, professor pesquisador do Harbor Branch Oceanographic Institute da Florida Atlantic University, à NBC News. “O que estamos vendo nas imagens de satélite não é um bom presságio para um ano de praias limpas.”

Os perigos potenciais 

Quando a floração atual atingir a costa, ela causará uma série de problemas.

Há perda de receita da indústria turística crucial da Flórida e os custos de infraestrutura relacionados à remoção das algas das praias.

Mas Brian Barnes, professor assistente de pesquisa da Faculdade de Ciências Marinhas da Universidade do Sul da Flórida, disse à NBC News que essa alga pode ser mais do que um incômodo para os banhistas.

“Mesmo que esteja apenas em águas costeiras, pode bloquear as válvulas de entrada para coisas como usinas de energia ou usinas de dessalinização; marinas podem ficar completamente inundadas e os barcos podem não navegar”, disse ele. “Isso pode realmente ameaçar a infraestrutura de forma crítica.”

As pilhas podres dessa alga também podem causar problemas respiratórios, como aconteceu na Martinica e Guadalupe após uma floração em 2018.

E há um custo para a vida selvagem que não está adaptada para lidar com quantidades tão extremas de algas marinhas.

“Se houver algo vivendo no fundo do oceano, como um coral ou uma erva marinha… eles recebem uma enorme manta de sargaço morto e não conseguem respirar. Se você tem uma tartaruga ou um ninho de tartaruga na praia, você tem um enorme cobertor grosso sobre os ninhos de tartarugas, as tartarugas jovens terão dificuldade em sobreviver”, Dr. Chuanmin Hu, professor de Oceanografia da Universidade do Sul da Flórida, compartilhado com uma afiliada da Florida NBC.

As florações dessa alga vêm aumentando em tamanho e densidade há mais de uma década, impulsionadas, especulam os cientistas, pelo aumento das concentrações de nitrogênio despejadas no Atlântico pelos principais sistemas fluviais do mundo. De onde tudo isso está vindo?

“Desmatamento, aumento do uso de fertilizantes e queima de biomassa”, segundo LaPointe. “Tudo isso está aumentando as concentrações de nitrogênio nesses rios e agora estamos vendo essas algas como uma espécie de manifestação da mudança nos ciclos de nutrientes em nosso planeta”.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias