27 C
Papeete
sábado, 22 junho, 2024
27 C
Papeete
sábado, 22 junho, 2024

Salto de 16 para 171 trilhões de plástico no oceano preocupa pesquisadores

Não faltam números aproximados que nos dizem que há uma quantidade insondável de plástico no oceano. Para isso, os cientistas nos lançam números na casa dos bilhões, seja para quantificar os pedaços de detritos de plástico que entram no oceano todos os dias ou nos dizer que X toneladas de microplásticos flutuam em algum lugar no Pacífico ou no Atlântico.

O 5 Gyres Institute, organização dedicada a resolver o problema do plástico nos oceanos,  dizem que provavelmente subestimamos o nível de poluição plástica marinha.

+ Orca encontrada morta tinha quase 1 metro de plástico no estômago 

Sua pesquisa mais recente, divulgada na quarta-feira, 8/3, sugere que o volume cresceu exponencialmente desde a virada do século.

Pesquisadores da 5 Gyres compilaram os dados de 11.777 estações oceânicas em seis partes do mundo de 1979 a 2019 e descobriram que houve um crescimento exponencial na poluição plástica entre 2005 e 2019, quando o volume de plásticos aumentou de cerca de 16 trilhões de peças para 171 trilhões de peças.

“Como números tão vastos são difíceis de compreender para o cérebro humano, considere o seguinte: um trilhão de segundos é 32.000 anos. Se cada uma dessas 358 trilhões de partículas plásticas representasse um segundo, elas seriam iguais a 11.456.000 anos”, escreve o Treehugger, ilustrando de forma para que possamos tentar entender. Ou, de acordo com o The Washington Post, existem 21.000 pedaços de plástico no oceano para cada pessoa na Terra e a poluição por plástico está aumentando a uma taxa que dobra a cada seis anos.

Além disso, o relatório estima que nosso volume atual tem potencial para quase triplicar até 2040, supondo que nenhuma política global significativa seja promulgada.

Uma solução óbvia que eles defendem é simplesmente limitar a quantidade de plástico produzida, em vez de aumentar os esforços para limpar nossos oceanos e reciclar plásticos. As duas últimas opções não fazem nada para parar o fluxo de poluição em nossos oceanos, enquanto a primeira o corta na fonte.

“Esse aumento exponencial na poluição plástica da superfície do oceano pode fazer você se sentir fatalista. Como você pode consertar isso?” disse Eriksen, fundador do 5 Gyres Institute, “Mas, ao mesmo tempo, o mundo está negociando um tratado da ONU sobre poluição por plástico”, referindo-se a um tratado da ONU que visa limitar a produção de plástico globalmente. A nova proposta regulamentaria todos os aspectos do ciclo de vida do plástico, desde os produtos químicos usados para produzi-lo até os esforços de reciclagem.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias