28 C
Papeete
terça-feira, 21 maio, 2024
28 C
Papeete
terça-feira, 21 maio, 2024

Lucas Silveira: “Chorava quando o mar estava pequeno”

Em um papo com o Let’s Surf, Lucas Silveira falou sobre sua relação com ondas grandes, pesadas e de consequências.

Campeão mundial júnior em 2016, o surfista brasileiro recordou seu começo em mares maiores, além de analisar sobre adaptação e medo de condições perigosas.

Inclusive, ele contou sobre um episódio em Puerto Escondido quando ele era ainda um menino. Na ocasião, estava acompanhado do Leandro Dora, o Grilo, seu treinador, que foi surpreendido com a atitude ousada de Lucas Silveira.

VEJA TAMBÉM:
+ “Nunca ganhei dinheiro com surf”, diz Marcio Freire. Assista

+ J.O.B surfa laje seca no Havaí. Assista
+ Localizado no Havaí, maior vulcão do mundo entra em erupção

 

“Puerto com 12 anos, o Grilo foi entrar e disse que estava muito grande pra mim e disse que ele iria entrar. Fiquei olhando e não aguentei; quando ele viu, eu estava lá fora já, e aí eu fui cada vez sentindo mais essa vontade. Mas não foi sempre que me senti à vontade e gostei. Tenho lembranças de chegar na praia quando o mar estava muito grande e eu sentar na areia e chorar. E aí, alguns anos depois, na adolescência, fiz ao contrário: estava muito ruim o mar, pequeno, eu chorava porque estava pequeno; queria swell, mas isso foi outra coisa que tive de evoluir e aprender a gostar de qualquer condição”, disse Lucas Silveira.

O surfista também contou um de seus perrengues em um mar grande. Confere o papo abaixo com o jornalista Guilherme Dorini, do canal Let’s Surf.

Vídeo: You Tube / Let’s Surf

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias