Publicidade:

Lixo plástico dos deliveries domina o oceano

O lixo plástico dos deliveries – a comida e bebida para viagem – dominam o lixo nos oceanos do mundo, de acordo com o estudo mais abrangente até agora.

Sacos descartáveis, garrafas plásticas, recipientes para alimentos e embalagens para alimentos, são os quatro itens mais comuns que poluem os mares, constituindo quase metade dos dejetos de origem humana, descobriram os pesquisadores.
Apenas 10 produtos de plástico, incluindo tampas de plástico e equipamentos de pesca, responderam por três quartos do lixo, devido ao seu uso generalizado e degradação extremamente lenta.

Leia também: 
+ Microplásticos: conheça os principais responsáveis pela poluição dos oceanos
+ Berçário de peixes no Havaí é invadido por microplásticos
+ Como salvar animais marinhos dos plásticos nos oceanos? 

Os cientistas disseram que a identificação das principais fontes de plástico oceânico deixou claro onde é necessária uma ação para interromper o fluxo de lixo em sua origem. Eles pediram a proibição de alguns itens comuns descartáveis ​​e que os produtores assumissem mais responsabilidades.

Seus resultados foram baseados na combinação cuidadosa de 12 milhões de pontos de dados de 36 bancos de dados em todo o planeta.

“Não ficamos surpresos com o fato de o plástico ser 80% do lixo, mas a alta proporção de itens para viagem nos surpreendeu, que não será apenas lixo do McDonald’s, mas garrafas de água, garrafas de bebida como Coca-Cola e latas”, disse Carmen Morales-Caselles, da Universidade de Cádiz, Espanha, que liderou a nova pesquisa.

“Essa informação tornará mais fácil para os legisladores realmente tomar medidas para tentar fechar a torneira do lixo marinho que flui para o oceano, em vez de apenas limpá-lo”, disse ela.

O professor Richard Thompson, da University of Plymouth, no Reino Unido, que não fez parte da equipe de pesquisa, disse: “Ter [esses dados] registrados de maneira científica adequada é incrivelmente útil. Pode haver uma relutância em agir sobre algo que parece muito óbvio porque não há um estudo publicado sobre isso.”

A pesquisa, publicada na revista Nature Sustainability e financiada pela Fundação BBVA e pelo ministério da ciência espanhol, concluiu: “Em termos de origem do lixo, itens de consumo para viagem – principalmente sacos de plástico e embalagens, recipientes para alimentos e talheres, garrafas de plástico e de vidro e latas – constituíram a maior parte.”

A análise incluiu itens maiores que 3 cm e identificáveis, excluindo fragmentos e microplásticos. Ele fez uma distinção entre itens de plástico para viagem e recipientes de produtos de higiene e domésticos.

A maior concentração de lixo foi encontrada nas linhas costeiras e no fundo do mar perto da costa. Os cientistas disseram que o vento e as ondas varrem repetidamente o lixo para a costa, onde se acumula no fundo do mar próximo. O material de pesca, como cordas e redes, foi significativo apenas nos oceanos abertos, onde representou cerca de metade do lixo total.

Um segundo estudo no mesmo jornal examinou o lixo que entra no oceano de 42 rios na Europa e foi um dos conjuntos de dados que Morales e colegas usaram. Ele concluiu que a Turquia, a Itália e o Reino Unido foram os três maiores contribuintes para o lixo marinho flutuante.

“Medidas de mitigação não podem significar limpar a foz do rio”, disse Daniel González-Fernández, da Universidade de Cádiz, que liderou o segundo estudo. “Você tem que parar o lixo na origem para que o plástico nem entre no ambiente em primeiro lugar.”

Em maio, o Greenpeace revelou que os resíduos plásticos do Reino Unido enviados à Turquia para reciclagem foram queimados ou despejados e deixados para poluir o oceano. Os cidadãos dos EUA e do Reino Unido produzem mais lixo plástico por pessoa do que qualquer outro país importante, de acordo com outra pesquisa recente.

Os pesquisadores recomendaram a proibição de itens de plástico para viagem evitáveis, como sacolas descartáveis, como a melhor opção. Para os produtos considerados essenciais, eles disseram que os produtores deveriam assumir mais responsabilidade pela coleta e descarte seguro dos produtos e também apoiaram esquemas de devolução de depósitos.

“Este estudo abrangente conclui que a melhor maneira de enfrentar a poluição por plástico é os governos restringirem severamente as embalagens de plástico de uso único”, disse Nina Schrank, ativista de plásticos do Greenpeace no Reino Unido. “Isso parece inegável. Nunca reciclaremos a quantidade de resíduos plásticos que estamos produzindo atualmente.”

Thompson disse: “O que está acontecendo no mar é um sintoma do problema – a origem do problema e a solução estão de volta à terra e é aí que devemos agir”.

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias

Tubarões surfam correntes oceânicas para...

Uma equipe de pesquisadores Florida International University (FIU) chegou à conclusão de que tubarões...

Surf olímpico de 2032 poderá...

Qual se o surf olímpico de 2032 fosse disputado nas ondas da Gold Coast? Bem,...

Guia das Olimpíadas: tudo sobre...

O skate estreia nas Olimpíadas de Tóquio em julho de 2021. Essa introdução é...

Skate downhill: velocidade máxima na...

Poucas coisas são mais intensas do que descer uma estrada de serra de skate...