Publicidade:

Koa Smith conta como se recuperou da depressão ao usar cogumelo alucinógeno

Depois de épocas de muito destaque no surf, o havaiano Koa Smith vem passando por um intenso processo de recuperação após traumática lesão craniana que acarretou uma  depressão. O acidente aconteceu durante uma surf trip em Nias, na Indonésia, poucos tempo depois dele pegar um tubo de 27 segundos em Skeleton Bay, na Namíbia.

Veja também:

Mulheres se tornam surfistas e iniciam revolução de liberdade no Sri Lanka

Tetracampeão europeu de long bate a cabeça em pedra e fratura o pescoço em Safi Point

Justine Dupont sobre Teahupo’o: “Todos têm medo”

Durante o surf em Nías, Koa caiu numa onda, bateu no coral e saiu da água com cortes no corpo todo, inclusive na nuca. A partir daí, a sua vida virou de cabeça para baixo e ele conta no filme Resurfacing tudo que aconteceu antes, durante e depois da lesão. “Ele não se lembrava do seu próprio nome, ele não sabia onde estava”, conta seu irmão, que soube do acidente por meio de um telefonema.

Depois da lesão, a depressão

Ao voltar para o Havaí, o surfista passou por um processo intenso de depressão. “Eu comecei a sentir a depressão e eu cheguei a pensar que eu poderia acabar com a minha vida”, revela ele sobre pensamentos suicidas. Segundo Koa, ele procurou ajuda de médicos e ninguém soube explicar o que de fato estava acontecendo na sua cabeça.

A lesão cerebral permaneceu durante cinco meses e depois Koa teve uma experiência com cogumelos psicodélicos. Junto com o seu irmão, ele foi para um lugar no Kauai longe das pessoas e lá eles dividiram o alucinógeno de frente para uma piscina natural.

A partir daí, Koa se fez uma série de perguntas como, a razão de sentir aquela depressão, se aquilo seria para sempre e se algum dia ele voltaria a surfar de novo. “Você se volta profundamente para dentro de si”, revela ele. “Uma voz afirmava ‘olhe para toda a sua vida, sua infância, todas as coisas que você já passou. Você é uma pessoa incrível! Você está aqui para fazer o bem, você tem que se amar e abraçar isso'”, conta ele.

Depois, o processo de alucinação se intensificou ainda mais e Koa conta que se sentiu preenchido. “Ele realmente se conectou consigo mesmo e foi uma coisa bonita de se ver”, disse seu irmão.

A cura

Após a experiência, Koa comentou que o face ID do seu celular (desbloqueio do telefone por meio do rosto da pessoa) parou de funcionar e, mesmo sem saber se aquilo foi por acaso, ele acredita que de fato saiu transformado e curado daquela situação. “Eu sinto que agora voltei a ter um verdadeiro rumo na vida e comecei a cuidar de verdade de mim mesmo”, conta.

Agora, Koa tem outros hábitos de vida. O surfista não ingere bebidas alcóolicas, não fuma mais maconha e nem bebe café. Além disso, ele passou a fazer exercícios de respiração, se alongar e treinar. “Se você quer surfar ondas grandes, precisa estar pronto e presente”, afirma.

E assim, sem se pressionar, aos poucos, ele foi voltando e reaprendendo a surfar. Hoje, Koa se sente empolgado e acredita que está no auge do seu surf.

“Eu não sei se ainda quero ser um campeão do mundo, mas quero ser o melhor surfista que eu puder”, finaliza.

Aperte play para assistir ao filme de Koa Smith sobre a história da sua lesão, depressão e cura por meio do uso de cogumelo:

*Atenção! Este texto limita-se a informar a respeito do filme Resurfacing e não estimula tratamentos sem aconselhamento médico.

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias