29 C
Papeete
sexta-feira, 14 junho, 2024
29 C
Papeete
sexta-feira, 14 junho, 2024

Jovem cineasta lança filme com esquerdas cinematográficas no Chile

Aproveite estes 11 minutos de vídeo a seguir e contemple a beleza dessas esquerdas no Chile.

Com apenas 20 anos, o cineasta Quinn Graham ainda não produziu um grande volume de trabalho visual.

“Mas o que ele criou em sua jovem carreira até agora está começando a virar cabeças em todo o mundo do surf,” escreve a revista Surfer.

+ Entrevista Gregório Motta: “Nunca coloquei muitas regras para meu trabalho” 

Em breve ele lança uma edição com Frankie Harrer e ontem ele lançou “As It Is”, uma edição impressionante de sua viagem ao Chile ao lado do amigo Noah Hill.

Como acontece na maioria das surf trips, os dois viram tanto ondas abaixo do esperado quanto ondas que parecem ser a epítome da perfeição das esquerdas.

Ao retornar de sua viagem à América do Sul, Graham se ocupou com a edição acima e escreveu um pequeno trecho para explicar seu tempo ao sul da fronteira.

Clique abaixo para assistir a edição na íntegra e continue lendo para ouvir uma palavra de Graham.

Vídeo: YouTube / NinFictionCreatives

“No grande esquema das coisas, nosso objetivo era criar um vídeo que nos aproximasse do mundo do surf, tínhamos quase certeza de que poderíamos fazer isso se tivéssemos as ondas certas – como essas esquerdas no Chile O que pensávamos ser a tempestade perfeita apareceu e com o que restava de um pequeno orçamento decidimos que o Chile seria a colina onde morreria nosso curto tempo na indústria do surf.

Após 13 horas de voo e 6 horas de carro; chegamos a um trecho da costa que foi uma criação de ninguém menos que o próprio deus. O potencial era tudo o que podíamos ver, mas as ondas eram nada assombrosas.

Na Parte Um, você verá clipes dos primeiros 12 dias de nossa estada de 2 semanas na América do Sul. Muitos desses dias não surfamos nada, segurando esse sonho de ondas perfeitas sem fim só piorou as coisas, percebemos que era hora de acordar e ver o nosso mundo como ele é. Vimos o paraíso, com ou sem ondas estávamos no país mais lindo que já vi.

Os habitantes locais foram receptivos e, quando nos reunimos para partir o pão todas as noites, todos entendemos o dom da vida que é a conexão. Rapidamente, a narrativa de que este pode ser o fim de um passeio curto, mas divertido, na indústria do surf mudou para a gratidão por isso ter acontecido.

Como qualquer jovem de 20 anos por aí, Noah e eu sentimos uma urgência em superar o lento processo de encontrar nossa Identidade.

Felizmente, podemos discutir esses sentimentos de limbo abertamente à medida que surgem. Nossos dilemas diferem, mas o tema é constante, pensamentos interrompendo a ação. Ao longo desta viagem, as conversas levaram à descoberta de que a nossa consciência da presença ausente nasceu da nossa relação com o surf. Percebemos que somos atraídos pelo surf porque nos obriga a enfrentar a paciência, o compromisso, a luta e a incerteza com confiança apenas em nós mesmos; imitar essa abordagem da vida na terra é onde nos encontramos presos.

Mas para já abraçamos o surf como uma arte em que somos obrigados a rendermo-nos ao momento presente tal como ele é.

Se você chegou até aqui, obrigado por ler!”

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias